sábado, 25 de março de 2017


Catujalense – Assembleia-Geral agendada

Foi agendada pela Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da Sociedade Recreativa Catujalense uma AG de carácter Ordinário a realizar este Sábado na sede do clube, sita no Catujal, localidade situada no concelho de Loures, pelas 20 horas, seguindo uma ordem de trabalhos na qual se delibera a aprovação do relatório de contas respeitante ao ano anterior, seguido do necessário parecer do Conselho Fiscal, por parte dos associados dessa instituição desportiva.

sexta-feira, 24 de março de 2017






Oberlausitz deve segurar Calado

Com apenas 32 anos de idade e chegado a uma das mais fortes nações do futebol internacional, Diogo Calado cumpriu até à época transacta uma experiência no Energie Cottbus, histórico clube que lhe apareceu como uma possibilidade que lhe abriu portas na Alemanha: “fiz aquilo que muitos de nós fazemos que é ir enviando CV's. Tive a sorte de o Energie Cottbus ter demonstrado interesse em falar comigo fruto da minha experiência mas também porque a barreira da língua poderia ser ultrapassada graças ao facto do treinador da equipa B na época transacta ser brasileiro.”

Terminada a temporada e apesar do excelente relacionamento entre todas as partes, a extinção do Energie Cottbus B levou Calado a aceitar a proposta do Oberlausitz, actual 12º classificado da Série Nordost da Regionalliga, quarto escalão do futebol alemão, onde devido ao cumprimento dos objectivos traçados – a manutenção da equipa no escalão está cada vez mais próxima – deverá conduzir à continuidade do treinador luso no clube pelo menos durante a temporada que se segue.

Afinal há esperança por Queiroz, mas é outro português quem comanda. Continua a arrastar-se o já curioso processo de escolha da Federação sul-africana de futebol para o seu novo seleccionador, que dura já desde o final de Dezembro e não estará finalizado antes da próxima semana, como confirmou o presidente da entidade, Danny Jordaan, que na mesma intervenção, sem referir nomes, poderá ter reaberto a porta ao português Carlos Queiroz.

Isto porque o dirigente sul-africano acabou por referir em declarações junto da imprensa do seu país que a sua escolha, conjuntamente com os restantes colegas de Direcção, se encontra ainda sob contrato. Ora, é essa a situação de Queiroz, que poderá ainda estar a negociar os termos da rescisão contratual com a Federação do Irão e assim volta ao leque de possibilidades mais fortes acompanhado por Stuart Baxter, treinador do SuperSport United (Liga sul-africana), visto que o restante nome também tido como provável, Ruud Krol, se encontra desvinculado desde Junho.

Também Hervé Renard (seleccionador de Marrocos) e Hugo Broos (seleccionador dos Camarões), não terão ainda sido colocados de parte. Até lá, a selecção da África do Sul será comandada de forma interina por… outro português: é mais concretamente Owen da Gama, de 55 anos, sul-africano de ascendência lusa que a título de curiosidade integrou a equipa técnica chefiada por Carlos Queiroz aquando da sua passagem pelo país enquanto seleccionador nacional, quem assumirá a equipa até ao há muito prometido anúncio do novo técnico dos Bafana Bafana.

Como tal será, qual Vasco da Gama há mais de cinco centenas de anos, um novo homem do leme de apelido da Gama a passar Cabo de Tormentas em território sul-africano. Para Owen, a missão não será tão dificultada: passará por treinar a equipa nos encontros de preparação ante Guiné-Bissau, este Sábado, e Angola.  

quarta-feira, 22 de março de 2017






Oriental – Capitão Daniel quer liderança

Para além das Séries de Subida do CPP, nos agrupamentos que respeitam à Manutenção também se desenrolaram vários encontros de monta – vários deles têm tido lugar na Série G, na qual Oriental, Casa Pia, Loures e Sintrense discutem a liderança para até ver ser o Casa Pia a ascender a essa condição. No final do nulo registado em Marvila perante o Sintrense, o capitão Daniel Almeida manifestou a ambição orientalista em fazer o máximo possível nesta fase da época, o que corresponde a ser campeão de Série.

Relativamente ao desafio ante o Sintrense, o defesa central que surge como um dos nomes mais respeitados e um dos destaques individuais da Série ao liderar o sector mais recuado do emblema de Marvila depois de ter representado o clube por duas temporadas na profissional LedmanLigaPro admitiu ter participado “num jogo feio e na generalidade mal jogado que não teve muitas oportunidades de golo e lances perigosos”.

Capitão do Oriental aponta como objectivo "o máximo que a equipa puder alcançar"



Como líder de uma defesa que tem estado em bom plano (a terceira menos batida entre as oito participantes), o central de 32 anos estará ciente de que a sua boa prestação defensiva contribuiu em grande parte para o desfecho de zero golos sofridos na última ocasião em que a equipa alinhou como visitada: “entre a desinspiração dos atacantes e a eficácia das defesas das duas equipas, uma coisa levou à outra, ambas as equipas encaixaram uma na outra”, resultando assim numa igualdade que impediu o Oriental de pela primeira vez na época ascender à liderança da classificação.

Apesar de o objectivo da Série apenas resultar na manutenção no CPP e consequentemente nos campeonatos profissionais, o capitão do Oriental vai mais longe, afirmando que “a equipa pensará em jogar para o máximo que puder alcançar. Nesse sentido, queremos posicionar-nos o mais acima possível e nesse sentido queremos terminar esta Série em primeiro lugar."

"Antes do jogo tínhamos a noção disso e falei no balneário que caso vencêssemos o jogo poderíamos chegar à liderança, mas hoje não foi possível lá chegar. No entanto, a equipa trabalhará nesse sentido já no próximo jogo,” prometeu como antevisão a um desafio em que o clube grená quase derrotou aquele que se manteria como líder isolado, posição que voltará a ser disputada na ronda deste Domingo com o actual detentor da posição, o Casa Pia, a visitar o terreno dos aflitos Armacenenses ao passo que Oriental e Loures se defrontarão no encontro mais aliciante da jornada.



Texto: Rafael Batista Reis
Imagem: Clube Oriental de Lisboa/Diogo Taborda


terça-feira, 21 de março de 2017




Odivelas - Reunião com Bruno de Carvalho… mas não para já

Há algumas épocas afastado devido a um processo de insolvência que quase o extinguiu, o Odivelas FC regressou à actividade com uma nova Direcção que elegeu como prioridade a resolução do caso protagonizado pelos terrenos que pertenciam ao clube no momento anterior à confirmação da sua insolvência e suspensão de actividade. Tal levou a que o presidente eleito, José Moreira, tenha procurado ainda antes da eleição de ambos (como é sabido, Bruno de Carvalho foi recentemente reempossado) reunir-se com o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho.

O líder leonino ter-se-á nessa altura mostrado receptivo, segundo regista o líder do clube odivelense, a conversações apesar de este tema colocar divergências entre os dois clubes no que respeita a estes terrenos, tendo no decorrer do debate que o colocou frente a Pedro Madeira Rodrigues nomeado o responsável pelo diferendo - José Pedro Rodrigues, acusando-o de “um processo contra o Sporting no valor de 21 mil euros para - isto foi a expressão dele - dar uns empurrões.” No entanto, o processo não irá conhecer qualquer avanço, pelo menos nos tempos mais próximos.

“Não daremos qualquer passo para já; neste momento, a prioridade pela qual estamos firmemente empenhados passa por chegarmos a acordo com todos os credores para dar por terminado o processo de insolvência e só depois trataremos desse assunto. A resolução passará por reunir com Bruno de Carvalho, uma vez que é o Presidente em funções, embora sabendo que o senhor em questão era o responsável por esta ’trapalhada’ no período da presidência de Godinho Lopes. Neste momento a nossa atenção está depositada no processo de insolvência,” esclarece José Moreira.

O Presidente do Odivelas encontra-se assim optimista quanto ao resultado desse encontro entre ambos, ainda sem data definida: “espero que possamos reunir-nos com Bruno de Carvalho brevemente,  e estou certo de que irá ajudar-nos bastante”, assim dando por concluído também este processo que implicou, segundo aponta, “a destruição de património do Odivelas e a demolição do Estádio Arnaldo Dias” sem levantar qualquer processo jurídico individualizado a José Pedro Rodrigues. 


Desatenção da defesa açoriana e antecipação de Allef que rematou na direção da baliza deserta aos 9; assim o Real se colocou na frente até que nos minutos iniciais da 2ª parte o Operário procurou reagir por Paulo Renato a quase desviar de cabeça para o empate, uma divisão de pontos que surgiria como desfecho de uma etapa complementar desinteressante

Todavia, foi mesmo a boa primeira parte da equipa de Monte Abraão a ditar a diferença, com a liderança da Série a apenas três pontos de distância neste momento para o Real que haveria mesmo de segurar a vantagem cedo conseguida.

 Complexo Desportivo do Real SC - Monte Abraão

REAL
1- Patrick Costinha
3- Jorge Bernardo
25- Nuno Tomás
22- Matheus Costa
16- Matheus Leal
10- Kikas
(9- Érico Castro, 80)
18- Brash Brampoque
14- Sabry Oliveira
(23- Thabo Cele, 86)
7- Marcelo Lopes (c)
(6- Rúben Marques, 70)
19- Manuel Palacios
21- Allef
Suplentes não Utilizados: 24- Miguel Assunção, 11- Luís Mota, 15- Ivan Dias e 17- Nelson Mendes
T: Filipe Martins
4x3x3

OPERÁRIO
1- Rodrigão
6- Igor
21- João Jesus
22- Paulo Renato
(4- Diogo Félix, 76)
15- Hugo Chileno
18-Álvaro Ponte
(8- Gonçalo Reyes, int.)
14- Pedro Dias
88- Ruizinho
25- Jorginho (c)
9- Bata
(7- Patrício Coelho, 72)
19- Fábio Gomes
Suplentes não Utilizados: 12- Hugo Viveiros e 16- Abudu
T: André Branquinho
4x2x3x1

Arbitragem: Fábio Piló - Leiria
Disciplina: cartão amarelo para Paulo Renato (18), Rodrigão (41), Kikas (42), Sabry Oliveira (45+2), João Jesus (47), Igor (78), Rúben Marques (85), Érico Castro (9+4) e Brash Brampoque (90+5)
Marcador: Allef (9)

segunda-feira, 20 de março de 2017



Na Taça, Benfica ganhou mas Joel tombou; e pelo Campeonato?

O lance mais caricato do Benfica vs Unidos Pinheirense pela Taça de Portugal em Futsal teve lugar precisamente ao minuto 6:30 da primeira parte: transição em velocidade de Rogério Santos que junto à linha lateral, talvez entusiasmado pelo calor da competição, atingiu com o braço direito, mais concretamente com o cotovelo, Joel Rocha, que se encontrava imóvel na sua zona técnica, o que obrigou a 4 minutos de paragem para assistência ao técnico benfiquista e um expectável ‘sururu’, especialmente na bancada próxima do local em que o incidente ocorreu, de onde se escutaram protestos.

Desde a bancada, alguns adeptos inquiriram o experiente internacional por Portugal pelo nome que enverga na camisola e pelo qual é conhecido na modalidade e no futsal nacional no qual se estreou há praticamente duas décadas, Formiga, sobre as razões que teriam levado a tal acto que foi por muitos tido como agressão.

De ressalvar, felizmente, que os ânimos não chegaram nunca a exaltar-se em demasia entre os dois conjuntos e não mais se assistiu a qualquer quezília, não advindo qualquer confronto na sequência da situação, nem sequer consequências disciplinares (Formiga apenas seria admoestado minutos depois, num lance distinto) já que a dupla de arbitragem não terá considerado propositado o gesto do futsalista do U. Pinheirense. Já restabelecido, o treinador do Benfica assistiria a todos os tentos da tarde com toda a normalidade.

Poucas semanas mais tarde, mais concretamente 17 dias após o último confronto, as duas equipas voltam a enfrentar-se, desta feita pelo Campeonato Nacional com reedição de todos os intervenientes visto que Formiga deverá mesmo figurar na quadra - não foi, pelo menos até esta altura, suspenso ou castigado e ainda no Sábado alinhou como titular na vitória do Unidos Pinheirense sobre o Fundão. Espera-se, claro está, que os ânimos estejam serenos e que a tombar alguém desta feita que seja apenas no resultado final.