domingo, 31 de maio de 2015





Falta uma final antecipada

Após ter goleado a Turquia, a Selecção Nacional sub-19 venceu desta feita a equipa organizadora da Ronda de Elite, a Geórgia, com um tangencial 3-2 que mantém ainda intactas as aspirações da jovem turma nacional em estar presente na próxima edição do Europeu do escalão.

A separar Portugal do Europeu estará agora uma verdadeira final antecipada que por capricho do sorteio afastará um dos candidatos ao título europeu de sequer fazer parte da fase final da competição, colocando a vizinha e rival de sempre Esoanha no caminho da jovem equipa nacional que caso venha a ultrapassar ‘nuestros hermanos’ possui armas suficientes para sonhar com a conquista do título europeu que tão próximo tem estado nos últimos dois anos.

Ronda de Elite para o Europeu sub-19 - grupo 1- 2.ª jornada
Estádio Mikheil Meskhi, Tbilisi - Geórgia

GEÓRGIA:
Oto Goshadze
Gagi Margvelashvili
Jemal Tabidze
Akaki Shulaia
(Mokheshvitili, 75),
Zurab Malania
Giorgi Tevzadze
(Grigol Chabradze, 62)
Giorgi Kharaishvili
Otar Kiteishvili
Guram Goshteliani
Luka Zarandia (c)
Giorgi Beridze
(Mate Kvirkvia, 73).
Suplentes não Utilizados: Lazare Kupatadze, Giorgi Dumbadze, Giorgi Dumbadze, Roman Tchanturia, Ilia Kerdzevadze.
Treinador: Giorgi Devdariani

PORTUGAL:
Joel Pereira (c)
Jorge Silva
Diogo Verdasca
João Lima
Paulo Henrique
Pedro Rodrigues
Renato Sanches
(Gil Dias, 56)
André Horta
Rúben Macedo
(Alexandre Silva, 74),
Diogo Jota
Dalcio Gomes.
(Flávio Silva, int).
Suplentes não Utilizados: João Costa, João Serrano e Gilson Costa.
Treinador: Edgar Borges

Arbitragem: Petrescu Marian (árbitro principal, Roménia), Cerel Alexandru e Seidel Jan (árbitros auxiliares, Roménia e Alemanha) e Siebert Daniel (4º árbitro, Alemanha)
Disciplina: cartão amarelo a Akaki Shulaia (33), Luka Zarandia (40 e 88, expulso), Otar Kiteishvili (61), Roman Tchanturia (85) e Guram Goshteliani (90); Gil Dias (68). Alexandre Silva (85) e Diogo Jota (90)
Marcadores: Pedro Rodrigues (4, g.p.), Zurab Malania (45), Guram Goshteliani (49), Flávio Silva (70) e Gil Dias (76).

sábado, 30 de maio de 2015



Para dar continuidade às boas épocas que vem realizando e que na actual temporada tem vindo a repetir-se com a liderança isolada na Primeira Liga que resultou na conquista de mais uma dobradinha com Liga e Taça da Liga, o Benfica, como qualquer clube de futebol e em especial um conjunto de grande dimensão, deve estar constantemente atento ao mercado e à renovação qualitativa do seu próprio plantel.

Como tal, e em época de contenção, as águias apostaram para já nos valores que se vêm evidenciando no nosso futebol, tendo aparentemente seguros cinco novos jogadores, sem lugar ainda garantido no próximo plantel, mas com qualidade para contribuir a longo prazo:

Ederson Moraes - Curioso verificar que o jovem, primo de Artur Moraes, deverá substituir o experiente brasileiro no leque de guarda-redes das águias ao passo que Paulo Lopes deverá colocar termo à carreira. Trata-se de um caso de evolução e acompanhamento após uma primeira dispensa num primeiro momento em que já mostrava qualidades nas idades juvenis e juniores no Centro de Estágio encarnado, regressando agora para eventualmente representar o futuro da baliza benfiquista.

Marçal - Contratado para ocupar o lugar de Loris Benito no plantel, terá de mostrar na pré-época benfiquista a qualidade suficiente para evitar o mesmo destino que o suíço, que pouco jogou durante a época, ou até repetir o caso de Djavan, que na temporada passada não conseguiu mais do que um par de treinos no Verão benfiquista antes de ser imediatamente dispensado. Ainda assim, a experiência de Primeira Liga que possui deverá ser suficiente para que se mantenha.

Pelé - Uma contratação de futuro pela qualidade que vem demonstrando em tempos recentes, mas dificilmente permanecerá no plantel dos bicampeões nacionais face á concorrência de jogadores como Andreas Samaris, Ljubomir Fejsa ou Bryan Cristante no plantel encarnado. Terá a oportunidade de marcar pontos junto da equipa técnica encarnada antes de ser previsivelmente cedido de forma a encontrar mais oportunidades para jogar.

Diego Lopes - Para o meio-campo ofensivo, local no qual encontrará a concorrência de Anderson Talisca nos próximos tempos, foi acertado optar-se pelo retorno de Diego, uma das figuras do Rio Ave que cedo chegou à formação do Benfica mas que chegado à idade sénior e sem espaço na primeira equipa benfiquista se fixou em Vila do Conde.

Rodado com sucesso na Primeira Liga e na Liga Europa, o jovem luso-brasileiro também se encontra seguro com uma cláusula de valor desconhecido que terá ajudado ao seu retorno, e poderá beneficiar do recuo de Talisca para a posição 8 para discutir um lugar, até porque o reforço de Janeiro Hany Mukhtar deverá ser emprestado na próxima época para rodar.

Hassan - Apesar de primeiramente ter sido anunciada a sua contratação, será operado ao coração para resolver um problema cardíaco que lhe foi diagnosticado aquando da realização dos exames médicos.

Mesmo que essa questão se resolva, não é líquida a sua continuidade no plantel encarnado dada a existência de Jonas e Lima, os dois titularíssimos, e outras opções como Derley no plantel, para além de Jonathan Rodriguez que pelo potencial que demonstra necessita claramente de jogar com regularidade, seja na Luz ou temporariamente com outra camisola…



Jorge Neves assumirá comando técnico

Depois de alguma indefinição e vários nomes apontados, o lugar de treinador do Farense será em breve ocupado, com a Direcção do emblema algarvio a optar pela contratação de Jorge Neves, que havia deixado o Beira-Mar em Dezembro, para a partir da próxima temporada viajar a Sul do País.

O acordo, tal como noticio na edição de hoje de A BOLA e explano em exclusivo no NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, ficou estabelecido na tarde desta sexta-feira num encontro entre o representante do técnico que se encontra livre de quaisquer compromissos e o presidente do Farense, António Barão, garantindo assim o substituto de Abel Xavier para procurar conduzir o histórico emblema de Faro a uma temporada tranquila na Segunda Liga a partir de segunda-feira.

Essa será a data em que expectavelmente será reeleito para mais um mandato na liderança e anunciará para o anúncio da contratação do novo timoneiro, um ex-atleta que esperará desta feita levar até ao final um projecto desportivo após não o ter conseguido fazer em Aveiro por contingências várias.

quinta-feira, 28 de maio de 2015




O indispensável Lima

Lima parece ser garantia de golo no Benfica, seja o brasileiro a marcá-lo ou quem estiver ao seu lado, bastando apenas atentar-se aos números da Liga para perceber que a sua acção resultou na revelação de Anderson Talisca, que apontou 9 golos no início da época, e na sedimentação de Jonas que marcou 20 precisamente quando rendeu Talisca. Enquanto isso, Lima não enjeitou a sua oportunidade de finalizar por 19 ocasiões.

Num momento em que todos apontavam para uma luta entre Jackson Martinez e Jonas, Lima nunca abandonou a disputa e manteve-se como ‘outsider’ pelo estatuto de melhor marcador da Liga NOS - bastava provavelmente ter convertido um lance que na sua carreira finalizou inúmeras vezes e que em Guimarães, onde o Benfica conquistou o título, acabou por desperdiçar.

No entanto, a acção de Lima ultrapassa a mera acção goleadora, estendendo-se à forma como defende e como ajuda a lançar o ataque, num exemplo atlético que exemplifica o auge da sua carreira num ano em que cumprirá 32 anos e no qual desempenhou uma função determinante para os encarnados ao estabelecer a ligação entre o meio-campo e a frente de ataque, tornando possível ao conjunto jogar constantemente a todo o campo.

Números de Lima tornam quase impensável para o Benfica a possibilidade de permitir a sua saída

No plano estatístico ficará para a História como o jogador com maior rácio de sucesso frente ao FC Porto pelo menos desde os anos 80, tendo já apontado na sua carreira 9 tentos aos dragões, dois deles com ’cheiro’ a título ao ter este ano bisado no Dragão e garantido uma liderança que não mais se perdeu.

O acerto de Lima resultou na conquista de mais uma Liga para o Benfica, o que mais do que nunca o torna indispensável para a equipa e desaconselha por completo as águias a aceitar as propostas que estará a motivar desde paragens árabes.

Morfologicamente como avançado nada há a apontar a Lima - jogador completo, marca com regularidade utilizando tanto o pé esquerdo como o direito, com capacidade para rematar desde o interior e o exterior da área, de forma posicional, em transição mais ou menos rápida, sabendo ainda fazer uso das bolas paradas e do jogo aéreo, empregando um estilo guerreiro, empreendedor e por vezes de sacrifício pessoal.

Contributo do brasileiro nos encontros ante o FC Porto foi fulcral para novo título

Com o brasileiro na Luz vários foram os goleadores a dever agradecer-lhe as melhores épocas da sua carreira, desde Oscar Cardozo em 2012/13, Rodrigo Moreno em 2013/14 ou Jonas nesta temporada, em parceria com um Lima bem longe de aparecer como mero figurante ou ’sidekick’ de um outro goleador com uma quantidade de golos marcados semelhante.

Com efeito, ‘bónus’ Lima ainda apresenta enorme inteligência emocional e de controlo do jogo em momentos-chave como a recepção ao FC Porto que praticamente carimbou a conquista do bicampeonato.

Assim, com mérito o experiente avançado comanda o ataque do Benfica e figura entre os nomes que mais trabalhado em prol do sucesso desportivo que se tem verificado nas últimas épocas na Luz ou não tivesse já apontado 70 golos em encontros oficiais em três épocas no clube, o que perfaz uma média superior a 15 golos por época, soma elevadíssima para um jogador que é também determinante a abrir espaços perante vários adversários com abordagem defensiva.



Lança em África (número 8) - Dennis Tetteh

Avançado de 18 anos revelado no Berekum Chelsea do Gana que utiliza preferencialmente o pé direito. Neste caso particular, atendendo à qualidade do jogador, encontra-se já a evoluir no panorama sénior e acabou por já deixar o seu pais natal tendo há poucas semanas assinado pelo Arab Contractors do Egipto um contrato válido por três épocas ao mesmo tempo que estranhamente foi afastado da convocatória da selecção nacional do seu país que dentro de poucos dias disputará o Mundial sub-20.

terça-feira, 26 de maio de 2015




Muito sofrimento e um final frenético

A esperança do U.Madeira em regressar à Liga NOS levou o clube a adquirir 400 ingressos para os seus adeptos que se representaram em peso e que durante largos minutos entoaram cânticos de ‘o União voltou’ e acordes do conhecido ‘bailinho da Madeira’… até ao minuto 69, momento em que o Tondela perdia e tornava irrelevante a vitória dos madeirenses.

A partir desse momento, silêncio total na bancada visitante até que na compensação surgiu o golo do Tondela, o que precipitou o êxtase com direito a interrupção de dois minutos para celebrações dos jogadores do U.Madeira e uma invasão de campo dos adeptos madeirenses, bem mais ruidosos nessa altura do que na obtenção dos seus tentos.

Após o apito final deu-se lugar a uma bonita e salutar festa permitida com uma pacífica segunda invasão para que ambas as equipas pudessem celebrar, ouvindo-se o hino do Oriental para em seguida se reproduzir o hino dos insulares.


Nos momentos que se seguiram o presidente do União, Filipe Silva, destacava ainda no relvado e em exclusivo ao NOVA ACADEMIA DE TALENTOS a “satisfação de enorme orgulho pelo feito, não posso deixar de agradecer a todos os madeirenses que nos apoiaram, é importante para uma região turística como a nossa ter três equipas na I Liga, é um bom cartaz e é evidente que agora apontamos para a estabilidade nesse escalão a longo prazo.”


Por seu turno, em conferência de imprensa o técnico Vítor Oliveira que apesar da subida abandonará o clube, “falei com a Administração explicando o porquê de sair”, sublinhou o mérito da subida da sua equipa que no entanto não considerou a que melhor jogou na competição "ainda que o União tenha tido períodos muito bons”.


Texto: Rafael Batista Reis
Imagem: Clube de Futebol União da Madeira - Página

segunda-feira, 25 de maio de 2015





Incontestado líder da Fase Final, o Benfica entrou cedo a decidir o encontro, chegando à vantagem nos primeiros 10 minutos com uma primeira tentativa de Tiago Dias ao minuto 2 seguida de uma certeira cabeçada de José Gomes após ter sido solicitado por João Filipe aos 5.

O segundo tento chegou já perto do intervalo, mérito de uma iniciativa de Pedro Pereira pela direita assistindo João Filipe que finalizou de forma artística com um toque de calcanhar para o fundo das redes, sendo que na etapa complementar o golo esteve iminente aos 50 num remate de Matheus Clemente que no entanto foi defendido com dificuldade pelo guarda-redes.

Figura – João Filipe – Benfica

Figura no topo dos grandes momentos da tarde, os dois tentos, tendo no primeiro arrancado um cruzamento colocado e preciso e no segundo arrancado o melhor momento do jogo ao marcar num bonito toque de calcanhar.








É por isto que não se avança

Infelizmente é fácil e recorrente perceber que a grande maleita do futebol português, em especial nas suas divisões mais modestas, não se encontra nos intervenientes que alinham dentro de campo, assim como os treinadores e dirigentes. Está, isso sim, em quem está de fora e muitas vezes em governantes e autarcas insensíveis às necessidades dos emblemas que requerem maior apoio como é o caso, revela o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, do FC Prior Velho.  

Conhece-se agora uma situação incompreensível e não menos vergonhosa para a modalidade mas acima de tudo para a Câmara Municipal de Loures, que por motivos difíceis de compreender impede um excelente passo para o desenvolvimento do clube sediado na localidade do Prior Velho, impedindo este modesto emblema de instalar no seu campo um relvado sintético cedido pelo Estoril-Praia.

Estoril ofereceu o seu antigo relvado sintético ao FC Prior Velho

Por razões profissionais conheço desde há vários anos a esta parte o relvado sintético em questão e em relação a este tema, a recusa da oferta do mesmo pelo facto de se encontrar usado, revela que infelizmente existe gente tacanha, de mentalidade antiga e fechada, e esse tipo de dirigentes não nos podem realmente gerir, não possuem aptidões para tal.

Estranha-se, ainda assim, como foi possível o FC Prior Velho avançar para a remoção do seu próprio relvado sintético, a oferta do mesmo a um outro clube, acordar a oferta do novo relvado com o Estoril e tentar avançar para a sua colocação sem que existisse um aval garantido do Município, o que comprova aqui a existência de um erro crasso.

Parece claro e evidente que a comunicação entre ambos os intervenientes não existiu ou pelo menos teve insuficiências devido a uma de duas hipóteses - erro de julgamento do Prior Velho por dar por garantida uma questão que no fim não o estava, ou então um exemplo de leviandade da própria Câmara ao eventualmente ter dado luz verde antes de contradizer a sua própria decisão.

Apesar de o tapete se encontrar em muito bom estado, a Câmara não autoriza a montagem

Independentemente do que tenha sucedido neste caso, em primeiro lugar é sempre de saudar a cooperação entre clubes, ainda mais quando entre o Estoril Praia e o Prior Velho ainda existe uma distãncia mais ou menos considerável em termos territoriais. Depois há a questão do próprio tapete, ainda bem ‘dentro da validade‘.

Apesar de usado, este ainda se encontrava em excelente estado pois nele residiam todos os treinos e partidas oficiais das camadas de formação do Estoril Praia, e o mesmo foi na altura da sua montagem uma das referências no que respeita a esse tipo de tapetes nessa altura. Em conclusão: daria ainda muito jeito ao FC Prior Velho. No final de contas, este clube dos arredores de Lisboa acaba por ficar com um campo pelado.

quinta-feira, 21 de maio de 2015


Lança em África - número 7

Como é sabido, face à grande procura que sempre suscitam é complicado segurar um talento dos Camarões. No entanto, as possibilidades crescem no caso deste jogador muito promissor que actua como médio, Guy-Christian Zock Bep, que ainda alinha como amador pelo facto de ainda competir na Liga do seu país, uma competição semi-profissional, o que ainda assim não o impede de ser um jogador já seleccionado para representar as suas cores nacionais.

Por entre uma selecção camaronesa composta por alguns atletas oriundos de grandes emblemas cda Europa já se intromete Guy-Christian Zock a Bep, conhecido de forma mais comum por Zock Bep, jogador de 20 anos natural de Yaoundé e convocado para a selecção principal dos Camarões, aguardando a primeira internacionalização depois de ter participado em diversos encontros particulares ao serviço da equipa sub-20.

O talento de Zock Bep torna normal a previsão de que em breve deixará a situação de amador pelo que demonstra no clube no qual alinha, o Cosmos du Mbam, depois de se ter revelado nas competições regionais camaronesas ao serviço do AS Fortuna de Yaoundé, sendo possuidor de um dotado pé direito ainda que se trate de um jogador ambidestro, e termina a ligação ao clube onde é considerado a estrela da companhia já em Janeiro.

Vencedor há três do prémio de melhor jogador do torneio Allez de l’Avant com 4 golos em 7 jogos, no ano seguinte o centrocampista sagrou-se vice-campeão da divisão regional com 19 jogos realizados e 7 golos marcados, sendo que na época seguinte concluiu a mesma prova na 4ª posição após apontar os mesmos 7 tentos em 21 partidas.

O ponto mais alto da carreira até ao momento chegou em Maio com a inclusão entre os pré-convocados para a Selecção A com vista ao Mundial 2014, tendo juntamente com o jovem defesa do Barcelona Franck Bagnack feito parte dos trabalhos de preparação da equipa como alternativas de prevenção por via do seu promissor futebol em posse que lhe permite segurar o jogo sempre que necessário e também imprimir acelerações mesmo quando pressionado.

Zock Bep junta ainda uma forte finta curta que lhe permite desembaraçar-se de vários marcadores em simultâneo e um remate colocado tanto a curta como longa distância, assim como facilidade na tabela e no jogo entrelinhas e bom jogo aéreo, o que se acrescenta a uma grande capacidade de trabalho, qualidades de realce tendo em conta que se trata de um médio centro que também pode ocupar a posição 6, lugar que mais se adequará ás suas características físicas.


Como seria com Robben?

Apesar de ter confirmado a conquista da Bundesliga, que há meses se encontrava anunciada pela facilidade com que o Bayern criou separação em relação aos seus adversários, o gigante alemão terminou a sua época de forma tímida ao ser eliminado com alguma distância pelo Barcelona, perder nas meias-finais da Taça com o Borussia Dortmund com invulgar desacerto na conversão de grandes penalidades e com mais derrotas do que o esperado no final de época no Campeonato.

As muitas lesões apoquentaram o plantel bávaro, umas mais importantes do que outras. Qual terá sido a mais importante? A resposta é fácil - Arjen Robben, que poderia ter permitido uma rotação superior nas linhas avançadas do Bayern e dotado a equipa de maior experiência competitiva, o que provavelmente teria evitado tanto sofrimento nos quartos-de-final da Champions na derrota averbada no Dragão num regresso de sonho de Jackson Martinez e principalmente na eliminatória seguinte.

Não deve esquecer-se que até à lesão Robben atravessava o melhor momento da sua carreira, com 17 golos em 21 partidas disputadas, o que o tornava indubitavelmente o jogador em melhor plano na constelação de Munique que apesar das muitas estrelas que possui, incluindo para a posição que o holandês ocupa, não possui um substituto á sua altura; raríssimas equipas na Europa o conseguiriam fazer.

Não contar com Robben foi, como se costuma dizer em Inglaterra, um ‘massive blow’ para o Bayern, que um ano após ter sido impedido de vencer a Liga dos Campeões por um super Real Madrid desta feita encontrou um Barcelona demasiado forte e que soube bem tirar proveito da menor competência para aproveitar espaços ofensivos e criar desequilíbrios que certamente não existiria se os alemães tivessem contado com o extremo no seu top de forma.

Terminada a competição para o Bayern, resta recuperar os pontos positivos do ano, que passam por períodos de domínio muito vincados em determinadas fases da época, várias goleadas vistas por muitos como invulgares (uma delas averbada ao português FC Porto) e em termos individuais a particularidade de Robben ter alcançado os melhores números da carreira quando a maior veterania poderia indiciar o contrário. Será contudo necessário que recupere fisicamente em pleno…