terça-feira, 30 de dezembro de 2014




Raio x - João Tavares

A opinião de quem acompanha o futebol de formação do Benfica reúne consenso quanto à qualidade e potencial detidos por João Tavares, um jovem atleta que possui vários aspectos técnicos e tácticos muitos fortes e que promete tornar-se um médio a ter em conta no seu futuro enquanto sénior.

Jogador muito dinâmico e sempre bastante confortável com o esférico na sua posse, nesta altura ainda como Juvenil A será já de considerar que o centrocampista de 16 anos reúne todo o potencial para vir a médio/longo prazo a jogar em patamares da mais elevada exigência como a primeira equipa do Benfica.

Ainda assim é sobejamente conhecida a dificuldade em atingir essa meta para qualquer jogador mas acima de tudo um jovem proveniente da formação face às opções de qualidade que época após época se encontram nos quadros benfiquistas, grande parte delas internacionais ou mesmo titulares das selecções dos respectivos países, o que torna ainda mais difícil esse passo.

De qualquer forma, o desenvolvimento de João Tavares deixa esperançados os responsáveis encarnados que avançaram pela sua contratação ainda no início desta época junto do seu maior rival, o FC Porto num caso que em tudo se poderá assemelhar ao de André Gomes, jogador que ocupa a mesma posição em campo.

domingo, 28 de dezembro de 2014


Decorrido há já algumas semanas, o encontro frente ao Beira-Mar pela Taça de Portugal não terá servido ao Atlético apenas para assegurar a passagem à eliminatória seguinte; terá também tido o condão de oferecer mais alternativas a Rui Nascimento que até então não haviam tido muitas oportunidades.

Um desses elementos foi o brasileiro Jajá, que aproveitou mesmo para marcar e, aponta o técnico da turma lisboeta, “provar que é um excelente jogador”, tal como o central Pierre Mbemba, conhecido no meio futebolístico por Pieter, que efectuava a sua estreia absoluta na equipa e de imediato conquistou o seu treinador, que afirmou que “fiquei muito satisfeito com a sua prestação“.

Ambos os jogadores têm vindo a repetir a titularidade nos encontros que se seguiram, da mesma forma que poderão vir a alinhar outros elementos como o internacional pelo Azerbeijão Amit Gulu, a quem apelida de “jovem que está ainda em evolução pois a comunicação é difícil”. Tendo em conta a luta acesa pela manutenção na Segunda Liga, todos os efectivos de qualidade são nesta altura poucos...



Não serão apenas os adeptos do Sporting aqueles que encararão com grande preocupação o que se vem passando no Sporting, nomeadamente nesta última semana natalícia que pouco se enquadrou neste tema face ao ‘chorrilho’ de acontecimentos que têm vindo a suceder, mormente o blackout imposto pela própria SAD do clube.

Com este silêncio completo dentro do clube, os leões não só se demarcam da comunicação com o restante publico como deixam claro que os problemas no seu seio são graves e que têm mesmo razão de ser, apesar dos desmentidos de Bruno de Carvalho, os rumores e discussões sobre a sua frágil relação com Marco Silva, que poderá estar a poucos dias de abandonar o clube.

Tanto ou mais preocupante com a vista como iminente mudança no corpo técnico da equipa principal parece ser a letargia do presidente do clube de Alvalade no que toca à gestão qualitativa no plantel, tendo revelado que a chegada de reforços, urgente e obrigatória em algumas posições, não terá lugar nesta reabertura do mercado.

Vítor Pereira é apontado como sucessor de Marco Silva, mas dificilmente aceitará um eventual convite

Bruno de Carvalho informou mesmo em público que “os reforços serão Podence, Gelson, Francisco Geraldes, Iuri Medeiros, Tobias Figueiredo, Chaby, Wallyson, Dramé, Slavchev, Ryan Gauld, Rabia, Sakho, André Geraldes e muitos outros,” retirando ainda mais o ‘tapete’ ao treinador que outrora foi seu mas com o qual neste momento não manterá sequer um relacionamento pessoal apesar de muitos possuírem um potencial evidente.

Com tudo isso em menta é certo que nenhum destes jogadores se encontra preparado para constituir uma verdadeira opção a curto prazo. Assim, sem reforços de Janeiro e sem o treinador que iniciou e leva a cabo um interessante projecto desportivo será de temer um decréscimo para uma equipa que no espaço do último ano tem estado em alta, desperdiçando-se todo um bom trabalho em prol de um nome ainda desconhecido mas que muito dificilmente passará por Vítor Pereira.

Conhecedor de elevadas exigências pelo tempo que passou no FC Porto e que mesmo no tempo que passou na Arábia Saudita nunca permitiu quaisquer tipos de ingerências hoje tão visíveis na liderança de Bruno de Carvalho no que concerne ao trabalho do seu técnico e que deverão estar na base da provável saída de Marco Silva, o treinador campeão há duas épocas pelos dragões não deverá deixar-se convencer, assim como Rui Faria, o que abrirá um problema em Alvalade.

Opções internas não garantem uma alternativa imediata ao actual treinador

Como soluções imediatas, o Sporting apenas terá Augusto Inácio, o director do futebol que também é técnico e até já se sagrou campeão nacional no clube mas por outro lado desde há alguns anos se encontra fora do activo, ou João de Deus, actual técnico da equipa B que ainda há poucas semanas surpreendeu por precisamente ter ocupado esse lugar precisamente no seguimento de uma carreira ainda sem grande sucesso nos clubes pelos quais passou.

Em especial o mais recente, o Gil Vicente, que deixou ‘afundado’ no último posto da Primeira Liga, no qual ainda se encontra, será o exemplo de que Deus, detentor de um discurso inflamado bem ao jeito de Bruno de Carvalho, ainda se encontra bem distante das exigências a que um treinador de primeira equipa do Sporting se encontra obrigado, e que como tal o clube poderá vir a pagar caro a eventual dispensa de Marco Silva.

Mais: o clube nada ganha em auscultar as opiniões públicas de antigos jogadores como José Eduardo, mais um nome que parece tal como muitos outros em áreas diferenciadas mais interessado em obter a sua quota de protagonismo do que propriamente ajudar o clube, e com isso apenas se prejudicará o próprio Sporting.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014




Respeitando a época natalícia, o Benfica B presenteou os seus adeptos com uma prestação muito bem conseguida ante o Marítimo B numa partida que para além de consistir na despedida da equipa em partidas oficiais no ano civil de 2014 poderá ter também marcado o último golo de vários dos jogadores actualmente em evidência.

Entre os quais estarão o capitão Rúben Pinto, que bisou, e o muito cobiçado Gonçalo Guedes, que apontaram os três golos da tarde, uma vez que estarão apontados a um empréstimo já a partir da reabertura do mercado, pelo que estarão em rota de saída.

Caixa Futebol Campus - Seixal

BENFICA B
12- Bruno Varela
93- Nélson Semedo
63- João Nunes
65- Fábio Cardoso
60- Pedro Rebocho
97- João Teixeira
77- Rúben Pinto ©
(74- Romário Baldé, 77)
89- Nuno Santos
31- Victor Andrade
(85- Renato Sanches, 65)
67- Hélder Costa
(70- Diogo Rochinha, 81)
78- Gonçalo Guedes
Suplentes não Utilizados: 87- Miguel Santos, 75- Alexandre Alfaiate, 64- Marcos Valente e 96- Dolly Menga
Treinador: Hélder Cristóvão

MARÍTIMO B
91- José Sá
49- Armando Freitas
6- Bernardo Lopes
14- Gegé
24 - Diney Borges
80- Valdemar Pana
42- Chidinho Barbeiro
66- Gonçalo Reyes
28- Carlos Daniel
(93- Fábio Abreu, 85)
33 - Felix Micolta
(70- Boakye Panin, int.)
(22- Aldair Neto, 77)
17- Kukula Costa
Suplentes não Utilizados: 71- Rui Vieira, 15- Lassina Touré, 95- Gustavo Oliveira e 11 - Ibrahim Obayomi
Treinador: Filipe Neto

Disciplina: Gonçalo Reyes (27), Bernardo Lopes (50), Gegé (63), Fábio Cardoso (47), João Teixeira (78)
Marcadores: Rúben Pinto (16 e 51) e Gonçalo Guedes (56)

terça-feira, 23 de dezembro de 2014





Segundo dourado ano de Mou

Ficou há alguns anos conhecida uma afirmação de José Mourinho que regista que o melhor dos seus projectos tem apenas lugar na segunda época depois de uma primeira de introdução aos seus métodos e estilo de jogo, como de resto volta na actualidade a suceder com o seu Chelsea, que depois de um primeiro ano no qual se imiscuiu  na luta pelo título apesar de o técnico nunca ter reconhecido essa ambição.

Ao invés disso, Mourinho prometeu um Chelsea a batalhar por todos os títulos, mas a Premier League em especial, e como tal investiu de forma consciente no mercado, garantindo apenas reforços de valia comprovada para um plantel que era já de si bem composto, destacando-se a forma como ‘ressuscitou’ Cesc Fabregas, votado ao ostracismo em Barcelona e que se tornou o seu principal ‘playmaker’.
A influência de Fabregas voltou a ser visível ainda na recente visita ao Stoke City na qual acaba por ficar intimamente ligado ao triunfo por 2-0 ao ter sido o autor do canto que resultou no primeiro golo, da autoria de John Terry e por fim ter apontado o último golo do encontro.

Neste momento, não só de Fabregas vive este Chelsea; muito pelo contrário. Como é habitual nas equipas lideradas por Mou, a defesa é sólida e muito difícil de transpor, formando-se no eixo uma dupla exclusivamente inglesa com o experiente Terry e ainda o sóbrio Gary Cahill, dois jogadores muito ao gosto do português.

Para trás o técnico português havia deixado uma defesa igualmente valiosa como a do Real Madrid, onde pontifica Pepe, um jogador com o qual se incompatibilizou e que criticou de forma muito dura ainda no último Mundial.

Nessa altura o luso-brasileiro foi expulso numa exibição para esquecer da Selecção Nacional frente à Alemanha na qual o afastamento precoce do central foi mesmo o ’último prego no caixão’ de um conjunto que acabaria mesmo goleado e posteriormente afastado da segunda fase da competição. Chamado a comentar esse certame, Mourinho não perdoou o antigo pupilo, mostrando que a confiança é chave para formar a sua defesa.

Como tal, conclui-se que o carismático treinador luso prefere até abdicar de um central tecnicamente evoluído como Pepe para dar preferência a dois trabalhadores incansáveis e absolutamente leais aos seus propósitos como Terry e Cahill, o que para já lhe garante a liderança isolada na Premiership e um apuramento tranquilo para os oitavos-de-final da Champions.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014




Tendo em conta a genialidade dos elementos escolhidos a meio-campo, a única hipótese seria utilizar um misto entre interpretações de um 4x4x2 e de um 4x3x3, adaptado aos infinitos recursos técnicos individuais de todas estas estrelas. Vamos agora conhecer os eleitos para o Onze da Minha Vida?

Guarda-redes - Manuel Neuer

Defesas - Cafu, Maldini, Frank de Boer e Roberto Carlos

Meio-campo - Pirlo, Zidane, Rivaldo e Baggio

Avançados - Cristiano Ronaldo e Lionel Messi

E depois de onze grandes estrelas do Futebol Mundial em campo, será que o banco poderá superar as expectativas? Ora vejamos: 
Preud'Homme
Laurent Blanc 
Xavi
Dennis Bergkamp
Ronaldinho Gaúcho
Luís Figo 
Ronaldo o Fenómeno 

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014



Águia fora e Braga candidato

Apesar da liderança isolada na Primeira Liga, o Benfica viu-se afastado de mais uma competição, despedindo-se agora da Taça de Portugal ao ter sido surpreendido no seu próprio reduto por aquele que ameaça tornar-se o seu ‘carrasco’ após já ter levado a melhor no confronto para a Liga, o Sporting de Braga.

Com uma exibição muito consciente e prestações de alto nível como a do seu guarda-redes, Stanislav Kritsciuk, que assinou um belo leque de defesas, assim como o ponta-de-lança Éder, que arrancou uma assistência e rubricou um jogo de muita entrega, ou Felipe Pardo, que marcou um golo e durante toda a partida justificou a excelente temporada individual que tem vindo a realizar, os bracarenses asseguraram a qualificação.

Acima de tudo, os visitantes apresentaram a sua muito válida candidatura a conquistar o troféu ao encontrarem agora como maior opositor o Sporting, uma equipa que apesar de favorita se encontra claramente ao alcance dos minhotos.

Taça de Portugal - Oitavos-de-final
Benfica 1-2 Sp. Braga

Estádio da Luz- Lisboa

BENFICA
20- Júlio César
14- Maxi Pereira ©
37- César
33- Jardel Vieira
34- André Almeida
(9- Derley, 86)
24- Bryan Cristante
(30- Anderson Talisca, 77)
35- Enzo Perez
(21- Pizzi, int.)
15- Ola John
10- Nico Gaitán
11 - Rodrigo Lima
17- Jonas
Suplentes não Utilizados: 1- Artur Moraes, 2- Lisandro Lopez, 23- Loris Benito e 32- Tiago Bebé
Treinador: Jorge Jesus

SP. BRAGA
1- Stanislav Kritciuk
15- Baiano
6- André Pinto
33- Aderlan Santos
16- Djavan
19- Danilo Silva
25- Pedro Tiba
14- Rúben Micael
(27- Custódio Castro, 73)
90- Felipe Pardo
17- Éder ©
(10- Leocísio Sami, 84)
18- Rafa Silva
(7- Salvador Agra, 73)
Suplentes não Utilizados: 92- Matheus Magalhães, 2- Vincent Sasso, 23- Pedro Santos e 30- Alan
Treinador: Sérgio Conceição

Arbitragem: Artur Soares Dias - Porto
Disciplina: cartão amarelo para Maxi Pereira (10); Felipe Pardo (11), Djavan (35), Danilo Silva (38), Rúben Micael (56), Stanislav Kritsciuk (61) e André Pinto (88)
Marcadores: Jonas (33); Aderlan Santos (48) e Felipe Pardo (58)


Poucos minutos após o Vizela vs Sporting muitos adeptos dos leões terão respirado de alívio. De qualquer forma, e apesar da excelente réplica oferecida pelo adversário oriundo de um escalão inferior, nem por isso uma vez mais será de salientar a opinião de que alguns dos menos utilizados poderiam ter competido neste encontro apesar dos riscos inerentes.

Terminado o encontro, vários não tiveram a sua oportunidade e provavelmente teriam aproveitado a ocasião para mostrar serviço. Talvez tivessem até encarado o aguerrido Vizela com outra seriedade, o que poderia ter evitado algumas das dificuldades sentidas; não o tendo podido fazer será mesmo preferível deixá-los ‘ir à sua vida’ em Janeiro.

Ainda assim, terá sido adequada a titularidade do guarda-redes Marcelo Boeck, apesar do erro que cometeu no primeiro golo, e a partir do banco foi também interessante que o extremo Heldon tenha podido mostrar-se por alguns minutos.

No entanto, Marco Silva poderia perfeitamente ter-se premiado o bom trabalho que o guarda-redes Luís Ribeiro, o lateral esquerdo Mica Pinto e o avançado Hadi Sacko têm desenvolvido na equipa B, que não se resume apenas ao criativo Daniel Podence e por fim continua a ser impossível de perceber a contratação do lateral André Geraldes, que não tem lugar sequer no banco neste jogo, assim como os três jovens referidos.

Se não têm espaço para jogar sequer contra o Vizela, com o respeito que esta equipa merece, não será melhor ceder estes atletas para que possam actuar num clube de primeiro escalão que lhes possa oferecer uma maior rodagem?





Bjorn na rota do Restelo?

Começa a pairar na Tapadinha a clara sensação de que os dias de Bjorn Maars, melhor marcador do Atlético e durante jornadas a fio da Segunda Liga, ao serviço do clube lisboeta estão mesmo a acabar, uma ideia que começou a ganhar forma a partir do encontro referente à Taça de Portugal frente ao Beira-Mar que os alcantarenses lograram vencer mas sem o contributo do ponta-de-lança de nacionalidades norte-americana e norueguesa.

Bjorn tem sido observado pelo Belenenses nos últimos três meses, sendo que a assistir à partida ante o Beira-Mar se encontrava uma comitiva ligada aos azuis e liderada pelo director desportivo, José Luís, destacando-se o facto de o atacante não ter sido utilizado alegando motivos psicológicos pelos quais terá pedido para não actuar.

Questionado sobre esse facto o treinador do Atlético, Rui Nascimento, registou que “ele falou comigo antes do jogo, referiu que tinha alguns problemas psicológicos e foi o próprio que pediu para não jogar. Não sei o que se passa, tenho de apoiar o jogador. Tentei ajudá-lo, mas isso é uma questão que tem a ver com a Direcção.“

Também instado a comentar essa situação o presidente do clube lisboeta, Almeida Antunes, optou por responder de forma lacónica - “não sei o que se passa, mas veremos o que irá acontecer com ele”. Segundo o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS pôde apurar, Bjorn estará muito desagradado com a Administração que rege o Atlético, o que aliado ao grande interesse que tem gerado deverá conduzir à sua saída já em Janeiro.

A disputa pela sua contratação reservará grande interesse até porque foram para já aventado o interesse de Benfica e Sporting, que previsivelmente integrariam o dianteiro nas suas equipas B ou avançariam para um empréstimo inicial, e mesmo no caso dos azuis do Restelo terá de ser criado o espaço para a sua entrada depois da contratação de Diogo Ribeiro para a reabertura do mercado.

Desta forma, Bjorn apenas interessaria caso se venha a registar a saída de Deyverson, muito pretendido, ou de Tiago Caeiro, que esteve próximo de abandonar o clube no início da época mas acabou por permanecer e neste momento vem actuando com alguma regularidade.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014




Dotado de um plantel repleto de grandes estrelas, o Chelsea deverá ter de abdicar de algumas delas, abrindo-se espaço para a saída já em Janeiro numa transferência a título temporário por parte de uma das promessas dos blues, o extremo Mohamed Salah, que segundo tem sido veiculado em Inglaterra manterá conversações bastante adiantadas com o Inter de Milão para uma mudança nesta reabertura do mercado.

A mudança apenas se realizará por empréstimo ao contrário do que sucedeu no início da época com jogadores como Frank Lampard ou Samuel Eto’o, até porque as saídas definitivas destes dois jogadores se deveu à veterania de ambos, o que não é manifestamente o caso de Salah, que devera ver operada a mudança já nas próximas semanas, assim se dê início ao mercado de Inverno.

Anuncia então o órgão inglês ‘TalkSport‘ que o atleta de 22 anos se encontra praticamente convencido a reforçar o Inter até ao final da corrente temporada com o intuito de jogar com maior regularidade sem contudo descurar a permanência em definitivo para o clube que joga no mítico San Siro a partir de Junho visto não dispor de grande espaço em Londres, onde não evolui com a frequência que desejava.

Em Stamford Bridge verifica-se que muito embora Salah disponha de muito talento é no mínimo complicado reclamar mais minutos de jogo quando se constata que ao seu lado se encontram vários craques do futebol actual como são os casos de Eden Hazard, Oscar ou Willian, que impedem que o egípcio possa sequer sonhar com um lugar como titular, pelo que terá como único escape a saída para continuar a desenvolver as suas capacidades em competição. 

Para se recolocar nos holofotes da fama, o extremo necessita de livrar-se da sombra de tantas estrelas ainda que para tal tenha de deixar uma das equipas que melhor trabalha e estuda o jogo no sentido de se desenvolver como uma potência depois de na época passada ter sido criticada por praticar um futebol apelidado por alguns como ‘rudimentar‘.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014




Apesar de no topo estarem duas das equipas que mais se esperavam, um Chelsea comandado pela genialidade de craques muito valorizados como Eden Hazard e um Manchester City em clara recuperação depois de uma derrota caseira com o CSKA de Moscovo para a Liga dos Campeões corrigida com triunfos sobre Bayern e Roma que valeram o apuramento para os oitavos-de-final, assim como o esperado retorno do histórico Manchester United, outros há que surpreendem bastante.

Ainda assim esta edição da Premier League apresenta não uma, mas duas surpresas, os seus quarto e quinto classificado respectivamente, o West Ham e o Southampton. Estes são dois conjuntos bem compostos em termos de plantel que ameaçam mesmo deixar para trás vários clubes com outras ’obrigações’ e que à primeira vista teriam plantel para se encontrar nessas mesmas posições.

West Ham e Southampton têm estado superiores a vários clubes de superior dimensão e responsabilidades

Seria esse o caso do Arsenal que como sustentou o seu técnico Arsêne Wenger “quando se encontra no topo das suas capacidades é capaz de bater qualquer equipa“, um Liverpool sempre muito punido pelos seus adversários face à capacidade técnica dos seus intervenientes mas ainda assim muito abaixo da sua real capacidade ou o muito perdulário Tottenham.

À frente de todos esses conjuntos encontra-se o impressionante West Ham comandado pelo seu homem-golo Rolando Zarate, figura do ataque ‘da moda’ na Premiership, logo à frente de um conjunto que em sentido inverso se destaca pela consistência defensiva para qual contribui um português, o seu capitão de equipa e defesa central José Fonte. Ver-se-á até quando estes dois outsiders irão resistir.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014




Quem esperaria assistir a um encontro equilibrado entre Juventus e Atlético de Madrid ao nível júnior da mesma forma que sucedeu com as equipas seniores depressa se equivocou, bastando atestar à diferença de qualidade entre ambas as formações, com o Atlético a justificar com facilidade a superioridade conseguida na tabela classificativa com um confortável 0-3 no terreno do seu adversário.

Confirmando o primeiro lugar do grupo com esta vitória, o emblema espanhol foi também apresentando ainda uma promessa de nome Andrés Mohedano, um médio centro muito ao estilo de Koke e Raul Garcia, dois dos craques da primeira equipa que parecem vir a ter neste atleta um sucessor para o futuro.

UEFA Youth League - Grupo A - 6ª Jornada
Juventus 0-3 Atlético de Madrid

JUVENTUS
Giacomo Volpi
Stefano Pellizzari
Giulio Parodi
Luca Coccolo
Grigoros Kastanos
Mattia Vitale
(Fillippo Romagna, 76)
Albertos Roussos
Jakub Hromada
(Simone Muratore, 71)
Roman Macek
Alhassane Soumah
Anastasios Donis
(Fabio Morselli, 71)
Suplentes não Utilizados: Emilio Audero, Riccardo De Biasi, Jacopo Carmela e Younes Marzouk
Treinador: Fabio Grosso

AT. MADRID
Carlos Marin
(Guille Perez, 86)
Lucas Hernandez
Victor Mediondo
Theo Hernandez
Francisco Manzanara
Nonbo Otia
Amath Diedhiou
(Juan Moreno, 67)
Fede Prieto
Andrés Mohedano
Diego Gama
José Morente
(Ángel Torres, 56)
Suplentes não Utilizados: Antoñito Montoro, Borja Pascual, Boxi Yomba e Saeid Ezatolahi
Treinador: Armando Diaz-Jorge

Disciplina: Roman Macek (65)
Marcadores: Andrés Mohedano (5), Amath Diedhiou (23) e José Morente (47)

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014




Mais talentos na forja

Com um dos plantéis mais jovens na Primeira Liga, o Vitória de Guimarães tem vindo a destacar-se na componente da formação, tendo vindo a lançar jovens ao mais alto nível tanto na sua primeira equipa como na sua equipa B, uma tendência que se irá manter nos próximos tempos até porque nos quadros da equipa sub-19 são agora dois os principais candidatos a conquistar um lugar de destaque.

Ambos a cumprir o seu primeiro ano de júnior, o polivalente médio Francisco Rodrigues, conhecido no meio por Kiko, e o possante avançado Alexandre, carinhosamente apelidado por Xande, Silva, de 17 anos, têm vindo a deixar boas indicações na corrente edição do Nacional de Juniores depois de terem sido recrutados nos escalões sub-17 de Benfica e Sporting, respectivamente.

O caso de Alexandre Silva torna-se ainda mais relevante tendo em conta que foi presenteado no momento da sua contratação com um contrato profissional e já teve mesmo a oportunidade de se estrear na Segunda Liga, prova na qual já alinhou em duas ocasiões frente a Oliveirense e União da Madeira, o que indica que se trata de uma fortíssima aposta para o futuro dos vitorianos.



Ao contrário da equipa principal, os Juniores do Benfica encontravam-se já apurados para a próxima ronda da UEFA Youth League, bastando apenas uma igualdade com o Bayer Leverkusen para assegurar também o primeiro lugar.

De qualquer forma, e mesmo com essa vantagem em mãos, os encarnados preferiram jogar pelo seguro e procurar a vitória, tendo alcançado um triunfo confortável sobre os alemães por 4-1 com o médio de características defensivas Gilson Costa em destaque ao ter apontado dois dos golos da vitória benfiquista.

UEFA Youth League - Grupo C - 6ª Jornada
Benfica 4-1 Bayer Leverkusen
Caixa Futebol Campus - Seixal

BENFICA
Rafael Lopes
Hugo Santos
Rúben Dias
João Lima
Yuri Ribeiro
Gilson Costa ‘Cobiças’
Gonçalo Rodrigues
Kevin Oliveira
(Renato Sanches, 61)
Diogo Gonçalves
(Romário Baldé, 55)
Hildeberto Pereira
(Oliver Sarkic, 90)
João Carvalho
Suplentes não Utilizados: André Ferreira, Ricardo Carvalho, Pedro Rodrigues e Aurélio Buta
Treinador: João Tralhão

B. LEVERKUSEN
Patrick Bade
Jannik Schneider
Lukas Boeder
Ole Paffgen
(David Putz, 66)
Levin Oztunali
Tim Handwerker
(Andrejs Ciganiks, 83)
Bjorm Rohter
Pascal Richter
(Paul Gemein, 66)
Benjamin Henrichs
Marlon Frey
Marc Brasnic
Suplentes não Utilizados: Maksimilijan Milovanovic, Tristan Duschke, Yassine Khadraoui e Timo Barendt
Treinador: Peter Hyballa

Arbitragem: Manuel Schuttengruber - Áustria
Disciplina: Gilson Costa ‘Cobiças’ (80); Benjamin Henrichs (73), Lukas Boeder (78), Levin Oztunali (82), Bjorn Rother (92)
Marcadores: Gilson Costa ‘Cobiças’ (60 e 79), Oliver Sarkic (94) e Romário Baldé (95); Marlon Frey (65)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014




Ao contrário do que grande parte da crítica disse e pensou, a opinião de que havia muito em jogo no Benfica vs Bayer Leverkusen de terça-feira à noite seria a mais correcta, primeiramente e como é óbvio pelo dinheiro, mas também pela oportunidade que constitui para vários jogadores com experiência na competição.

Muito por isso os mesmos poderão vir a ser mais uma opção no muito que há para jogar na Liga. Como tal, e mesmo com a equipa a ser totalmente remodelada sob risco de um mau resultado frente a um adversário de qualidade, foi sinceramente agradável ver na equipa titular jogadores de tarimba como Artur Moraes e Bryan Cristante.

O mesmo se aplicou ainda ao voltar a ver-se Nélson Oliveira em acção, para que juntamente com todos estes atletas menos utilizados tenha podido mostrar o que vale, podendo a maior parte destes elementos até final da época virem a ser muito úteis para as frentes em que a equipa se encontra envolvida.



Com a competição na Série G do Campeonato Nacional de Seniores em andamento, o Sacavenense aposta no mercado asiático ao promover a contratação de cinco futebolistas, quatro deles oriundos da China e um deles da Coreia do Sul.

Na China o clube de Sacavém recrutou o guarda-redes Yuchen Zhou, oriundo da equipa B do Shandong Luneng, o defesa Jiajun Huang e o médio Zhechao Chen aos Juniores do Real SC, três internacionais sub-19 pelo seu país, e o médio Ailong Yang, internacional sub-18 que regressa ao clube. Os quatro atletas de 19 anos têm feito parte das contas do clube nas últimas rondas do CNS.

No caso de Zhou, tem sido o suplente do habitual titular da baliza do clube de Sacavém, Paulinho, sendo que Ailong e Chen somam já várias presenças na equipa, com destaque para o segundo, que tem vindo a ser suplente utilizado nas mais recentes jornadas como voltou a ser o caso no último Domingo na recepção ao Atlético da Malveira.

No que diz respeito ao atacante coreano Hoon, que preenche qualquer posição na frente de ataque, foi mesmo titular na derrota caseira frente ao Sintrense, tendo sido rendido ao intervalo, e tem sido presença frequente no banco de suplentes da equipa que assim recebeu cinco reforços sem qualquer encargo, uma vez que os salários e despesas inerentes são totalmente garantidas pela agência ao qual se encontram ligados e que os cederam por empréstimo até ao final da temporada.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014



Há coisas que se percebem facilmente quando existe organização, e se Cédric se encontra castigado e Miguel Lopes não está inscrito na Liga dos Campeões pareceria evidente que o titular do Sporting frente ao Chelsea será Ricardo Esgaio. Assim sendo, faria sentido que fosse utilizado na noite de sexta-feira frente ao Boavista para ganhar rotinas.

De qualquer forma, não o tendo sido, e no sentido de ter utilizado toda a equipa que jogará em Londres na 6ª feira e apenas deixar de fora logo o jogador que será novidade na equipa pelo menos seria obrigatório fazer com que este não se desgastasse desnecessariamente no Domingo, três dias antes do jogo, num jogo contra o Oriental que não se previa, como acabou por se comprovar, fácil para o Sporting B.

Assim sendo, as possíveis críticas caíram desde logo por terra a partir do momento em que Esgaio não jogou em Marvila, onde o lateral seria obrigado a um jogo de luta e esforço defensivo com muita emoção que lhe retiraria muitas das energias que serão necessárias para que o Sporting possa ambicionar uma noite de História em Stamford Bridge. Foi assim poupado um elemento fundamental no processo da procura de sucesso numa ‘final’.




Na segunda parte da entrevista exclusiva ao NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, Romário aproveitou para deixar várias recordações da sua carreira ainda plena em potencial na qual se cruzou com vários valores do futebol brasileiro, português e internacional, um deles uma das figuras do Benfica como é o caso de Anderson Talisca, um amigo pessoal ao qual atribui grande mérito pela carreira que até ao momento tem vindo a conseguir no nosso País, onde espera vir a regressar em breve.

Recordo-me que o Audax esteve perto de ascender à Primeira Divisão Estadual mas não o pôde fazer devido a um jogo polémico. Sei que no passado foste pretendido em outras Ligas europeias como a belga ou a dinamarquesa, mas não aceitaste ir. Esses campeonatos não te cativam?

Penso que na época eu estava muito feliz no Audax, eu tinha acabado de voltar de Portugal e naquele momento eu não tinha interesse em voltar para a Europa.

Achas que foi bom para a tua carreira regressar ao Brasil depois de teres ido para Portugal muito jovem?

Penso que se tivesse continuado em Portugal teria sido muito melhor para a minha carreira, pois já estava adaptado ao futebol português, e voltando para o Brasil tive de começar do 0 e me adaptar novamente ao estilo de jogo do Brasil.

Pelo meio ainda jogaste no Brasileirão, representando o Bahia. Até que ponto esta oportunidade foi importante?

Foi uma oportunidade boa para a minha carreira ter o prazer de jogar com os grandes jogadores do Brasil, foi bom para o meu amadurecimento como jogador!

Como recordas essa equipa do Bahia em que jogaste?

Tenho boas recordações daquela equipe, tinha grandes jogadores como Kleberson, Cláudio Pitbull, Mancini entre outros, jogadores com quem tive o prazer de conviver e aprender muito com eles!

Esse plantel era composto por vários jogadores de qualidade como o Gabriel, o Mancini, o Kleberson e o Ryder Matos, ou outros que já jogaram em Portugal como o Zé Roberto, o Filipe Augusto, o Fahel, o Lulinha, o Souza e o Pitbull. Que opinião guardas desses jogadores?

Que são todos excelentes jogadores, e que cada um tem sua história e sua marca no futebol brasileiro e mundial.

No Bahia também te cruzaste com um mais jovem na altura Anderson Talisca. Que tens a dizer sobre ele?

Talisca é merecedor, menino de bem, merece. Jogámos juntos no Bahia, era um dos jogadores com quem mais conversava, ele sempre foi um talento de jogador, naquela época ele estava naquela transição de ficar no profissional um tempo e voltar para a formação e depois voltar novamente a profissional.

Conversávamos muito, sempre lhe dava conselhos para que ele tivesse paciência que a hora dele iria chegar, na época seguinte eu saí do Bahia e ele passou a titular no clube! Hoje vejo-o fazendo muitos golos aí no Benfica e fico orgulhoso de ver o quanto evoluiu!

No Red Bull Salzburgo joga outro antigo companheiro e grande amigo, o André Ramalho. Esperas voltar a jogar com ele? Até onde pensas que ele pode chegar?

O André Ramalho é um grande jogador, merece estar onde está pois é um ‘cara’ trabalhador e humilde, virtudes de um grande jogador, penso que logo logo ele estará num grande clube da Europa.

Pensas a curto prazo chegar aos palcos mais altos no futebol brasileiro? Ou achas que pode vir a demorar mais tempo?

Estou apostando tudo nesta próxima época, o Campeonato Paulista é uma grande vitrina e penso em fazer um grande campeonato e partir para uma grande equipa do Brasil.

A tua carreira corresponde ao que esperavas neste momento?

Não muito, esperava estar em um patamar maior, mas acredito que tudo acontece no seu tempo, e com paciência e trabalho acredito que a minha hora vai chegar.

Como te defines como jogador? Pode dizer-se que a cultura de passe e a marcação são os teus pontos fortes?

Eu cresci no futebol acreditando que a função de um bom lateral é primeiro defender bem, ter uma ótima qualidade de passes, e depois quando tiver brechas atacar, fazer grandes cruzamentos e golos! E é assim que me defino, um lateral que tem uma ótima marcação e um ótimo passe!

Como te descreves como jogador em termos físicos? Tens tido lesões nos últimos anos?

Sou um jogador que tenho uma condição física privilegiada, apesar de não ter uma estatura muito alta, ao decorrer da minha carreira até agora nunca tive uma lesão séria, se fiquei parado em departamentos médicos foi no máximo por 30 dias e por alguma dor sem muita importância!

Estás prestes a começar a época no Red Bull Brasil. Quais são os teus objectivos para a época, a manutenção na Primeira Divisão Estadual?

O meu objetivo é chegar às finais do campeonato e se possível ser campeão, e fazer um bom campeonato para atingir níveis maiores na minha carreira!

Que ideia guardas dos teus treinadores, como o Rui Gomes, com quem foste campeão nacional no FC Porto, e o Maurício Barbieri, o teu actual técnico? O relacionamento com eles é o melhor?

Guardo um aprendizado muito grande do meu treinador no FCP, o Rui Gomes, tínhamos uma relação tranquila, ele foi um grande treinador, evoluí muito com ele, principalmente na parte da marcação! E a minha relação com o meu treinador da Red Bull Brasil é uma relação mais de parceria, ele é meu treinador desde os 15 anos, então ele dá-me muitos conselhos diariamente e sem dúvidas o Maurício e o Rui Gomes foram os 2 melhores treinadores com quem tive o prazer de trabalhar!

Consideras a chegada de reforços determinante para esses objectivos que apontas para a equipa?

Acho muito importante a chegada de reforços para qualificar a equipa, reforços de qualidade são sempre bem vindos!

E quanto à chegada de um concorrente directo, consideras-te preparado para conquistar o teu lugar mesmo que chegue outra opção para a tua posição?

Trabalho sempre buscando o meu melhor, então com a chegada de outro lateral esquerdo quem vai ganhar é a equipa pois será uma disputa sadia por posições e vai jogar o que estiver melhor, só quem ganha com isso é a equipa!

Como decorre a pré-época neste momento?

Tranquila, ainda estão a ir chegando os novos jogadores, então estamos trabalhando mais a parte física.

Apesar de o teu clube ser modesto, estás habituado a jogar num meio profissionalizado. Tens empresário?

Tenho sim, tenho 2 pessoas que me ajudam aqui, e já estou muito habituado a esse meio de profissionais.

E quanto ás propostas que tiveste para esta época, se é que tiveste alguma?

Eu tive uma proposta do ABC de Natal para jogar a Série B do campeonato brasileiro, mas na oportunidade decidi continuar no Red Bull Brasil jogando a Copa Paulista.

Consideras que no Brasil te podes aproximar de uma oportunidade como a de atingir um lugar na equipa principal de uma equipa de primeiro plano europeu?

Considero, pois o nível do futebol brasileiro é muito alto e tem grandes jogadores, o jogar no Brasil é uma porta para os grandes clubes europeus.







Após a eliminação das provas europeias ainda no mês de Novembro, a mensagem de que o encontro frente ao Bayer Leverkusen não possui qualquer relevo competitivo é fácil de passar, e por isso não será de estranhar se titulares como Júlio César, Maxi Pereira, Jardel, Toto Salvio, Anderson Talisca e Lima não alinhem como titulares no encontro desta 4ª feira depois de o terem feito aos Domingos ante a Académica e Belenenses.

Estes atletas devem juntar-se a Luisão e Andreas Samaris, castigados, e Jonas, que não se encontra sequer inscrito, na bancada. Alguns deles farão parte da convocatória, encontrando-se no banco de suplentes para apenas rodar durante alguns minutos. Outros querem mostrar mais e estão à espera de uma oportunidade...

Jogadores como Artur Moraes, César, Lisandro Lopez, Loris Benito, Pizzi, Ola John e Derley estarão à espreita por um lugar. No entanto, apenas o último parece para já ter direito a entrada directa na equipa.

Derley irá integrar um onze que ainda assim não deve ser composto pelas mesmas unidades que haviam sido derrotadas na anterior jornada europeia pelo Zenit num encontro que deu início a uma noite negra que fará com que as águias não estejam sequer presentes no próximo sorteio da Liga Europa.

Apesar do insucesso europeu, Jorge Jesus deixou um voto de confiança nos seus habituais que não soçobraram na Primeira Liga, derrotando com tranquilidade a Académica por 2-0 e o Belenenses por 3-0, segurando assim a liderança da classificação. Aguarda-se agora quais os efeitos futuros desta confiança manifestada pelo técnico, e estes manifestar-se-ão já no próximo Domingo na deslocação ao Dragão…

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014


Entrevista com Romário dos Santos - parte I

Uma das equipas que nos últimos tempos mais tem impressionado a Europa do futebol, o Red Bull Salzburg continua a preparar o reforço da sua equipa, tendo em agenda a contratação de Romário Guilherme dos Santos, conhecido por Romarinho, brasileiro que completou a sua formação no FC Porto e que há duas épocas terá chegado a ter a oportunidade de regressar ao Dragão, uma possibilidade que nunca passou disso mesmo, e foi também observado por outros clubes nacionais.

Em bom plano no Brasil, onde nas últimas épocas representou o Bahia, actuando assim no Brasileirão, e o Red Bull Brasil, clube que actualmente representa e satélite do Red Bull Salzburg, nem mesmo actuando num modesto clube do Estadual de São Paulo Romário, de 22 anos, deixou de dar nas vistas, tendo mesmo já trabalhado nas instalações do clube austríaco que se convenceu das capacidades do lateral esquerdo.

Como tal, o lateral foi convidado a assinar na perspectiva de ser lançado na equipa B num processo que se verificou nas últimas épocas com uma das algumas figuras da equipa, uma opção que não agradou ao atleta. Ainda assim, o campeão da Áustria poderá voltar em breve à carga. Enquanto tal não sucede, o esquerdino acedeu a prestar uma longa entrevista ao NOVA ACADEMIA DE TALENTOS.

Comecemos pelo tempo em que jogaste em Portugal, foste campeão nacional de Juniores pelo FC Porto. Como recordas essa experiência?

Foram bons tempos, tínhamos uma equipa muito forte e unida onde aprendi muitas coisas com cada jogador, foi uma experiência única na minha vida onde tive a oportunidade de jogar numa equipa com a força do FC Porto.

Passada essa época regressaste ao teu clube, na altura o Audax Brasil. Achas que foi um retrocesso na tua carreira?

Não foi retrocesso pois quando regressei para o Audax eu fui para a equipa principal e evoluí muito como jogador tendo essa oportunidade de jogar campeonatos profissionais.

Já passaram alguns anos desde que saíste de Portugal. Está nos teus planos regressar para voltares a mostrar o teu valor ao público português?

Eu quando saí do FC Porto prometi a mim mesmo que um dia voltaria e que não era um adeus, apenas um até logo, então trabalho todos os dias com o sonho de um dia poder voltar a jogar nessa equipe onde fui feliz, mas tenho vontade de voltar a jogar em Portugal pois deixei muitos amigos por aí.

Ficaste sentimentalmente muito ligado ao FC Porto. Mesmo no Brasil, costumas acompanhar a carreira das várias equipas que representam o clube, a equipa principal, a B ou até mesmo os Juniores?

Mantive o meu carinho pelo clube, até mesmo aqui no Brasil continuo acompanhando tanto a equipa principal, e a Equipa B pois tenho amigos ainda que jogam na equipa B como Kadu e Fred. Então sempre entro na nos sites de desporto para ver os resultados dos jogos e as notícias do clube.

Com que ideia ficaste da base do FC Porto? Achas que o clube trabalha com os jovens da melhor forma?

O Porto sem dúvidas forma grandes jogadores, tem uma base muito forte na época porém eu não tive a sorte de ter a equipa B no nosso último ano de formação, então poucos jogadores da minha geração foram aproveitados, hoje com a equipa B os jogadores da base tem muito mais chances de mostrar o seu potencial saindo da base e indo jogar campeonatos profissionais!

Achas que o auge da tua carreira foi conseguido ainda no FC Porto?

Não foi o auge da minha carreira pois eu era muito novo, mais com certeza foi onde despontei para o futebol, onde tive mais visibilidade e cresci os meu níveis técnico e tático!

Qual escolherias como exibição mais conseguida na tua passagem por Portugal?

Escolho o meu jogo de estreia no Olival contra a Académica, onde fiz uma grande partida e fui premiado com um grande golo de fora da área.

Na altura em que jogaste no FCP a estrela da equipa era o Christian Atsu, que agora está ligado ao Chelsea. Como recordas a parceria que tinhas com ele?

Tínhamos uma parceria muito grande pela esquerda, junto a nós havia o Bacar e formávamos um lado esquerdo muito forte, com certeza ele era a estrela da nossa equipa, um grande jogador com quem tive a chance de jogar!

Porque razão achas que o FCP decidiu não renovar a tua ligação no fim dessa época?

Essa pergunta eu faço a mim próprio todos os dias, o porque não tive o meu contrato renovado, pois fazendo uma balanço da minha trajectória no FC Porto eu fiz uma excelente época, fui campeão em dois Campeonatos Nacionais e estava sempre a treinar com os profissionais!

Consideras que se tivesses sido emprestado na época seguinte, hoje tudo teria sido diferente?

Teria sido muito diferente, eu sentia-me preparado para jogar em Portugal e eu estava sempre a evoluir, hoje provavelmente eu estaria no grupo do FC Porto, na época já estava adaptado ao país e à forma de jogar, sentia-me bem jogando e o principal era feliz, então tenho a convicção que teria sido tudo diferente.



Tens tido propostas de Portugal nestes últimos tempos?

Não tive nenhuma proposta de Portugal, apenas teve interesses de empresários que mostraram interesse em ter a minha volta a Portugal.

Achas que o teu estilo de jogo se enquadraria ao futebol português?

Encaixaria sim pois fiz parte da minha formação no FCP, sou um lateral estilo europeu que marca muito bem e tem muito boa qualidade nos passes!

Consideras ter capacidade para um dia regressar ao FC Porto? É um sonho alcançável para ti?

Considero-me capacitado sim em voltar ao FCP, trabalho todos os dias para um dia poder voltar, pois prometi um dia a mim mesmo que iria voltar, eu não dei um adeus, apenas um até logo, tenho o meu sonho de um dia poder actuar novamente com a camisola do FCP! E espero que o meu sonho se realize um dia!

Sendo muito complicado alcançar um lugar na primeira equipa do FCP neste momento, aceitarias uma proposta para jogar no FC Porto B, por exemplo?

Acho que toda a proposta é válida desde que seja bom para a minha carreira, e não descartaria uma proposta da equipa B pois para chegar à equipa A é apenas um passo.

Se recebesses uma proposta de Portugal, darias prioridade em relação a outras que pudesses ter?

Daria prioridade pelo facto de ter essa vontade de voltar a jogar em Portugal, mas claro que se fosse uma proposta e um projeto muito bom para a minha carreira…

Achas que o facto de jogares num clube que não joga o Campeonato Brasileiro te torna menos visível para os clubes portugueses?

Acho sim que me deixa um pouco fora dos olhos dos clubes europeus não só dos clubes portugueses, o Red Bull Brasil é uma grande equipa de estrutura invejável e que logo irá chegar no cenário do futebol brasileiro.

O actual titular do FCP é o Alex Sandro, um jogador muito cobiçado e um dos melhores laterais esquerdos, senão mesmo o melhor, da Liga portuguesa. Consideras-te capaz de atingir o nível a que ele chegou?

Considero-me capaz como trabalho todos os dias buscando aperfeiçoar-me, o Alex Sandro é um grande lateral esquerdo e tem as suas qualidades assim como tenho as minhas e sei que sou capaz de chegar a um grande nível.

O Alex Sandro é um dos exemplos que tens a seguir nos laterais esquerdos da actualidade?

Considero um bom exemplo mas o meu maior exemplo e inspiração sempre será o Marcelo do Real Madrid.

Tirando o Alex Sandro, os restantes jogadores que foram chegando para a posição falharam no FCP. Porque achas que isso aconteceu? Sair da sombra do Alex Sandro acentua as dificuldades?

Penso que os outros não estavam preparados para jogar numa equipa da grandeza do FCP, e o Alex já jogava numa grande equipa daqui do Brasil que era o Santos, então para ele esse facto ajudou mais na chegada dele ao FCP, mas vi da minha época o Álvaro Pereira jogar e para mim foi um grande lateral esquerdo para o clube.

Até que ponto te valorizou como jogador teres jogado no FCP, mesmo só durante um curto tempo?

Valorizou-me muito, ter o FCP no meu currículo abriu-me muitas portas aqui no Brasil, e penso que é sempre importante ter no currículo títulos por uma equipa como o FCP!

Sei que na altura em que voltaste ao Audax tiveste propostas para sair mas preferiste permanecer e depois assinar pelo Red Bull. Porque razão o fizeste?

Na altura achei que jogar na equipa principal do Audax me traria muitos frutos, e vi no Audax a oportunidade de colocar em prática tudo aquilo que aprendi no FCP.

Saíste do Audax para o Red Bull, certo? Como correu esta primeira época no clube?

Sim nesta época troquei o Audax pela Red Bull Brasil e consegui subir o clube para a 1ª divisão do Paulista, jogando 18 partidas como titular de 19 do campeonato.



domingo, 7 de dezembro de 2014




Teria sido o melhor para o futebol e para o próprio Benfica vs Belenenses que Miguel Rosa e Deyverson pudessem ter jogado pelo Belenenses contra os encarnados. Primeiramente pela competitividade do próprio jogo, depois porque o bom senso assim o ditava. Por que ‘carga de água’ não poderiam jogar? Não será de acreditar no cenário no qual se indica que os jogadores poderiam facilitar quando jogam contra o clube a que estão ligados.

Parece bem mais certo de o cenário contrário - haverá melhor oportunidade de convencer o 'patrão' do que mostrar o valor que se tem nas suas 'barbas'? Mesmo para o próprio Benfica não teria havido melhor oportunidade para tirar ilações quanto ao valor dos jogadores do que tê-los precisamente contra os seus melhores jogadores até porque estes dois jogadores não são os únicos a ter ligação ao Benfica, directa ou indirecta.

Pelo que se sabe são no total nove jogadores nesta situação - para lá de Rosa e Deyverson existem ainda os casos de Jones, Filipe Ferreira, Fábio Sturgeon, Fredy, Tiago Silva, Sergnho e Daniel Martins a encontrarem-se em situações de percentagem de passe ou cláusula de opção ou de recompra por parte das águias.

Teriam de ficar todos de fora? Essa situação nunca poderia ocorrer, visto que por exemplo o guarda-redes Matt Jones se encontra num lote de atletas sobre os quais o Benfica possuirá uma cláusula de opção, e nem por isso deixou de actuar durante os 90 minutos. Depois, nem todos são primeira escolha para Lito Vidigal.

De qualquer forma, e mesmo que existisse liberdade para que jogassem, dois jogadores foram impedidos de competir - a não ser que confessem os “condicionalismos” de que fala Lito, curiosamente numa conferência de imprensa na qual Jorge Jesus afirmou, muito provavelmente de forma acertada, que “com eles ou sem eles o Benfica ganharia na mesma.”

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014




Galo atento a Inácio

A boa temporada realizada até ao momento pelo defesa central Inácio Miguel não tem passado despercebida junto dos responsáveis pelo futebol do Gil Vicente, que optaram pela cedência do jogador durante o defeso ao Vila Real, emblema que disputa a Série B do Campeonato Nacional de Seniores.

Inácio, de apenas 18 anos, que, recorde-se, chegou mesmo a representar a primeira equipa dos galos durante a pré-temporada, actuou para já todos os minutos da época oficial do Vila Real, mais precisamente dez encontros referentes ao CNS e dois pela Taça de Portugal, prova da qual esta equipa foi já afastada.

Esse facto deverá levar o jovem a constituir aposta na próxima época ou mesmo ser recuperado já a partir de Janeiro caso se regista alguma saída no lote de centrais actualmente à disposição de José Mota, do qual fazem parte Gladstone, Enza-Yamissi e Peck‘s.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014




São vários os emblemas incluídos na longa e louca disputa pela manutenção na Segunda Liga, sendo o Trofense um deles, encontrando-se neste momento em zona de despromoção mas ainda assim bem perto de sair da linha de água, bastando provavelmente uma vitória para que tal possa suceder.

No entanto, esse tem sido o grande problema, pois há muito os comandados de Porfírio Amorim não celebram um triunfo, o que ainda assim não retirava esperança ao já algo contestado técnico em conversa com o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS.

Um dos pontos negativos da temporada terá sido a pesada derrota sofrida no terreno do Oriental. Como analisa esse jogo?

Foi um daqueles jogos em que tudo corre bem a uma equipa e tudo corre mal à outra, acho que foi um jogo em que de facto a equipa do Oriental foi melhor desde início e nós fomo-nos adaptando ao jogo, acho que a primeira parte decorreu com algum equilíbrio, com uma toada, um pouco de ascendente, para o Oriental, na segunda parte tentámos alterar as coisas, pensávamos e acreditávamos que era possível virar o resultado.

Fizemos uma alteração, começámos a ter mais bola e a impor-nos mais mas não tivemos a clarividência para ter superioridade e poder fazer a diferença, tivemos algumas ocasiões entre os 15 e os 35 minutos e não aproveitámos nenhuma, quando sofremos o 2-0 acreditámos sempre que era possível, a partir dos 3-0 terminou o jogo e apenas se deixou passar o tempo. É preciso ser responsável, vestir a camisola, é óbvio que depois de nos acontecer tudo o quarto golo foi o culminar de um dia negro.

Tudo correu mal, juntou-se tudo o que é mau ao contrário do outro lado e tudo o que fizéssemos não iria garantir um resultado positivo. Foi uma vitória justa do Oriental por números excessivos, acho que o adversário não merecia ter marcado quatro golos e nós não merecíamos ter sofrido quatro golos e merecíamos ter feito pelo menos um golo, penso que sim. De qualquer forma foi uma vitória incontestável do Oriental.

Num jogo entre equipas que na altura eram o último e o penúltimo talvez se jogasse muito aqui o futuro dos próprios treinadores. Com essa derrota o Trofense caiu para o último lugar, o Porfírio Amorim sente ter condições para continuar?

Eu sinto, porque não, porque não hei-de sentir? Quando me sentir a mais, saio, não sinto a mais… a partir daí é uma questão que me põe, se isso pudesse eventualmente surgir nós somos gente crescida e uma cumplicidade enorme no clube e portanto nada aconteceu que não seja normal no futebol. De facto, quem quer ser treinador tem de ser como a mulher grávida, sempre com a mala feita, e felizmente como estou muito próximo de casa não preciso de a fazer.

No início da partida houve alguma confusão com os delegados da Liga. Pode explicar melhor o que se passou?

Sim, é simples: certamente terão reparado que havia dois senhores que estavam a tentar travar-se de razões com um dos meus colaboradores e eu na minha maneira apaziguadora fui lá falar com os senhores e as coisas acalmaram. É óbvio, ou talvez não, que os delegados da Liga na sua posição me tivessem dito que o facto de eu estar lá poderia ser entendido como uma provocação mas obviamente que quem viu o meu gesto era apenas para apaziguar.

Como entendo que o futebol é um desporto de pessoas acho que é importante que as ensinemos a estar e em vez de estarmos se calhar a fazer gestos provocadores cheguei lá, peguei no senhor e falei com ele como deve ser, houve um outro que ficou com mais um pouco de nervo mas obviamente que voltou tudo ao normal e assim é que a coisa deve ser. Quando estamos de boa fé as coisas correm sempre bem.

Esta presença nos últimos lugares, considera que limita um pouco o seu trabalho ou de alguma forma pesa na cabeça dos jogadores? É difícil recuperar de um resultado tão desnivelado?

É óbvio que pesa, como não somos indiferentes e somos responsáveis pesa sempre, agora temos de saber viver com isso e preparar uma estratégia para sair desta situação.


Equipas de Iniciados do Benfica contaram com o talento e eficácia de Diogo Pacheco

O olhar mais atento sobre as várias equipas de Iniciados do Benfica nas últimas épocas tornavam Diogo Pacheco  uma das esperanças dos conjuntos sub-15 do Benfica especialmente há três épocas, temporada na qual marcou mais de uma dezena de golos depois de no ano anterior ter realizado uma quantidade elevada de encontros nos quais teve a oportunidade de apontar 40 tentos.

Essa marca impressionante justificou a aposta realizada pelos encarnados junto do Odivelas. Desse agora extinto emblema o promissor atleta saiu directo para o Benfica muito embora tivesse, sabe o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, também tido a possibilidade de escolha pelo Sporting, passando pela escolha do jogador a preferência pelas águias.

O Sporting consistiu aliás no único clube que surgiu com interesse em Diogo Pacheco para além do Benfica nessa altura, sendo que posteriormente o Sacavenense também procurou obter o seu concurso, sem sucesso.

Jovem atleta recebeu contactos para sair há duas épocas, tendo preferido continuar de encarnado

Neste caso, o conjunto de Sacavém procurava garantir o esquerdino caso este viesse a sair do poderoso clube lisboeta, hipótese que não se confirmou pela sua continuidade, terminando dessa forma quaisquer contactos.

Diogo não se arrepende da opção pela continuidade no Benfica, um clube que muito lhe ensinou e que muito lhe reservou até aos 14 anos, idade com a qual mostrava deter a capacidade de não só evoluir como extremo, preferencialmente pelo lado esquerdo, uma das várias posições que podes cumprir em campo sendo que para além desta capacidade poderá também jogar como lateral esquerdo, um lugar que passou a conhecer e que de imediato passou a apreciar.

Diogo Pacheco poderá prosseguir nos próximos anos como uma promessa emergente, à atenção do Benfica

Agora como lateral, o jovem espera passar a jogar pela primeira vez numa Selecção Nacional, esta época, alimentando mesmo a ambição inclusivamente legítima de se tornar internacional por Portugal, uma das metas a alcançar para Diogo Manuel das Neves de Oliveira Pacheco.

O esquerdino conta também com a curiosidade de já ter sido ‘acarinhado’ por várias alcunhas, tendo na última época recebido as alcunhas de Quatro Olhos, pelo facto de regularmente utilizar óculos, e de Robocop, embora presentemente seja tratado por Pacheco, um nome que assim se escuta com regularidade nas três equipas pelas quais se divide, os plantéis de Iniciados A, Iniciados B1 e Iniciados B2.  

Actualmente com 16 anos, o jovem jogador cumpre a sua segunda época ao serviço do Belenenses, Diogo Pacheco faz o ponto da situação da sua carreira até ao momento numa entrevista concedida ao NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, no qual manifestou a sua esperança de chegar bem longe com a camisola azul.

Como tem sido a tua época no Belenenses até ao momento?

Estou lesionado há quase 2 meses... Dores de crescimento... Estou a jogar a lateral esquerdo. Lesionei-me depois do jogo contra o Cova da Piedade... Grande jogo! Tenho tentado correr mas não dá mesmo, é ter paciência agora.

Agora jogas como lateral esquerdo e estás muito bem nessa posição…

Sim, adaptei-me muito bem! Adoro a posição.

Tendo em conta as suas características é bem capaz de ser a mais indicada para ti. Como é que está a tua situação no Belenenses, tens alguma coisa assinada, contrato de formação ou profissional? Este último talvez seja um pouco cedo, ou não?

Não não, ainda não.

Quantos jogos e golos fizeste no ano passado?

Fiz 28 jogos, 12 golos, 10 assistências na posição 10.

Grande média, como é que um jogador que consegue números desses é colocado como lateral no ano seguinte?

Esta época houve uma grande revolução na equipa e médios havia muitos apesar do Mister já me ter utilizado como médio também nesta pre-época... Comecei a época a ala mas depois fui adaptado a lateral, uma posição que adoro... Isto porque estou sempre de frente para o jogo e até tenho mais a bola... Golos já não são tantos mas assistências vão aparecer.

A partir daí, já tiveste mais algum convite? E em relação à Selecção Nacional, chegaste a receber alguma convocatória para estágios?

Não, nem uma coisa nem outra.

Tendo em conta o que vens mostrando na nova posição é possível que sejas chamado até ao final da época…

Primeiro tenho de pensar em sair da lesão, depois ganhar ritmo e voltar ao meu nível e melhorar cada vez mais. Já estou parado há muito tempo mesmo...

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014




Da Marinha para o leão

Sempre atento ao talento dentro e fora de portas, o Sporting poderá abrir as suas portas a uma dupla brasileira ligada ao modesto SL Marinha, clube que disputa a I Divisão da AF Leiria, e que se encontrou nas instalações do clube para um período experimental, o lateral direito Paulo Borges e o polivalente Guilherme Celestino, também detentor de nacionalidade portuguesa, que evolui preferencialmente nas posições 10 e de extremo por ambos os flancos, ambos de 18 anos.

Para já, apenas o lateral foi confirmado como reforço do clube, tendo já sido utilizado em encontros oficiais como a UEFA Youth League, o que demonstra a confiança que os leões depositam na sua evolução. Quanto ao segundo, para já está de regresso ao clube de origem, aguardando por novidades a partir de Janeiro. Para Paulo o sonho já começou...

terça-feira, 2 de dezembro de 2014




Hora de Quincy com o leão?

Chegou no início da temporada ao Boavista como o futebolista de maior cartel internacional em todo o plantel pelo seu passado no qual representou clubes como o Arsenal, onde completou a sua formação, ou o Spartak de Moscovo, o que o levou a representar o seu país de origem, o Gana, no Mundial 2010.

Quatro anos mais tarde, aos 28 anos de idade, Quincy Owusu-Abeyie apenas actuou 90 minutos pelos axadrezados na Primeira Liga e na eliminatória na qual a equipa foi afastada da Taça de Portugal em jogos oficiais, não tendo ainda justificado a fama com que vem rotulado nem o interesse que gerava no defeso, altura em que terá recusado os ingleses do Blackpool para viajar para Portugal, muito devido aos problemas físicos que o têm apoquentado.

Após algumas semanas desde o início da época, o ganês pôde finalmente competir por via da Taça de Portugal, fazendo parte pelo menos da convocatória para a visita do clube de Bessa ao terreno do Desp.Aves, acabando mesmo por alinhar como titular, o que constituiu a sua primeira grande oportunidade de agarrar um lugar na equipa. Tendo em conta que o próximo adversário é o poderoso Sporting, toda a experiência será bem vinda para os do Bessa e é certo que o atleta ganês nascido na Holanda tem-na. Estaremos perante uma 'surpresa na manga'?



Em termos gerais este ano não parece haver grandes dúvidas quanto aos nomeados para a Bola de Ouro, tanto ao nível dos treinadores como dos jogadores. Nesta última vertente, a lógica continua a apontar Cristiano Ronaldo como o grande favorito à vitória por tudo o que conseguiu ao longo deste ano.

Ainda assim, e este ano mais do que a sua já longa saga com Lionel Messi, o craque português terá de ter cuidado redobrado: não existiam certezas se haveria aquela espécie de coragem para nomear Manuel Neuer (como se sabe os guarda-redes costumam ser um pouco 'marginalizados'), e o encerramento das votações confirmou mesmo a sua presença na ‘short list’.

Estando a estrela germânica entre os três nomeados, pela imensa qualidade que tem, pelo que ganhou pelo Bayern e pela Alemanha e por ser muito provavelmente o melhor guarda-redes de sempre estará aqui um sério candidato que com franqueza merece ganhar este prémio pelo menos uma vez na sua carreira. Talvez este não seja o seu ano face à imensidão de títulos e conquistados e golos marcados por CR7. Mas será preciso cuidado com o alemão que voa...



As qualidades de Nuno Tomás foram sempre muito elogiadas pelos responsáveis do Belenenses. Uma das revelações do futebol de formação nacional formou-se na capital do País, consistindo num defesa central que iniciou a sua carreira ao serviço do Odivelas FC, conjunto pelo qual competiu entre os 9 e os 13 anos numa passagem na qual competiu com muita regularidade.

Nessa altura, ainda muito jovem, o defensor acabou por falhar apenas algumas partidas por razões fora do âmbito técnico como pontuais lesões, devendo realçar-se a veia goleadora que o levou a competir uma média de 5 golos por época.

Ao serviço da entidade odivelense, o defensor teve a oportunidade de participar em vários torneios e outros troféus, tendo conquistado um Torneio Internacional realizado na Dinamarca realizado enquanto o atleta evoluía ao serviço dos Infantis do clube, saindo pouco depois, já com 13 anos para o Belenenses, o clube ao qual ainda se mantém ligado, nessa altura para competir ao serviço dos Iniciados B do emblema do Restelo.

Num registo bastante elevado tendo em conta que se trata de um defesa central, Nuno Tomás contabilizou cerca de 20 golos pelo Belenenses nas épocas que cumpriu na formação do clube, às quais se acrescenta os jogos que realizou esta temporada, tendo falhado apenas raras ocasiões.

Aumento das dimensões do terreno converteu o jovem num central com grande margem de progressão

Num percurso gradualmente evolutivo desde as Escolas, o jovem defensor apenas não iniciou mais cedo a prática da modalidade pelo facto de ter praticado outros desportos como natação e karaté, tendo aos 9 anos percebido que a sua escolha passava pelo futebol, passando Nuno Miguel do Adro Tomás a observar o futebol como a sua modalidade de eleição.

Embora compita regularmente como central, Nuno Tomás assume-se um jogador evoluído tacticamente, dado que desde os tempos em que praticava Futebol de Sete que compete também como lateral esquerdo, posição que gradualmente abandonou face ao crescimento das dimensões do campo e o facto de ter adquirido características próprias de um central como a elevada estatura, a condição física e uma menor velocidade, compensada ainda assim com um melhor sentido posicional.

Bastante inteligente na sua movimentação, Nuno Tomás começou a estabilizar no eixo da defesa, posição que ainda ocupa, ainda que não demonstre qualquer limitação caso lhe seja requerida a colocação em qualquer outra posição na defesa, seja como lateral ou mais adiantado como médio defensivo, o que aos 19 anos lhe parece augurar um futuro bastante promissor.

Sporting terá despertado para o valor do atleta, tendo procurado a sua contratação

As promissoras capacidades do defensor não escaparam à atenção dos responsáveis do clube, que acordaram um contrato de formação com o atleta em idade juvenil, que justifica a aposta dos azuis pela fiabilidade que o levou a apenas falhar três encontros em duas épocas, somando um total de 8 golos em época e meia.

Graças às suas credenciais defensivas e capacidade concretizadora, o central cedo entrou na órbita das Selecções, tendo em 2008 cumprido treinos de triagem na Selecção Distrital de Lisboa em sub-14, tendo na última época merecido uma abordagem oriunda do Sporting, muito embora não tenha havido qualquer proposta concreta depois de terem existido algumas conversações no decorrer da época que acabaram por não progredir.

Desde esse contacto com os leões, não mais Nuno Tomás foi contactado por outros clubes eventualmente interessados, ainda que a sua evolução possa estar a ser acompanhada pelos grandes clubes nacionais como o já mencionado Sporting, conjuntos aos quais não terá escapado a estreia em trabalhos da Selecção Nacional sub-17, na qual com a sua cada vez mais reconhecida qualidade deixou sinais de que mais tarde haveria de voltar, o que acabou mesmo por suceder.

Hoje uma opção a ter em linha de conta na Selecção Nacional de sub-20 e uma das figuras do Eléctrico de Ponte de Sor, uma das sensações desta edição do Campeonato Nacional de Seniores, o central acedeu a prestar uma entrevista a VAVEL Portugal, na qual deixa a sua crença de chegar a pontos altos como o Mundial sub-20 que se realizará já no próximo Verão.
Seguiste esta época para o Eléctrico. Está tudo a decorrer como esperavas?
Nuno Tomás: Para primeiro ano de sénior, acho que foi um bom começo. Vinha com expectativas de um outro ritmo, mais elevado e um futebol mais físico e foi o que encontrei. Uma equipa com jogadores experientes, mais velhos e outros mais novos mas todos com qualidade e com muito para dar á equipa. Fui bem recebido e agradeço desde já a todos por isso.

Para seguir para Ponte de Sor deixaste o Belenenses, onde estavas já há alguns anos. Foste emprestado pelo Belém ou saíste mesmo em definitivo?

Nuno Tomás: Deixei o Belenenses por definitivo, sem qualquer compromisso para com o clube.

Tiveste outras propostas para além do Eléctrico este início de época?

Nuno Tomás: Não tive uma abordagem direta por parte de nenhum outro clube , mas antes de decidir vir para Ponte de Sôr tive algumas conversas sobre o 1º Dezembro, mas acabei por optar pelo Eléctrico.

Agarraste um lugar na defesa do Eléctrico e suscitas já alguma atenção. Tens recebido convites para a reabertura do mercado?

Nuno Tomás: Não tive proposta nenhuma para a reabertura do mercado e acredito que com o bom campeonato que temos vindo a fazer tenho muito a ganhar se ficar no Eléctrico o resto da época, mas não descarto nenhuma opção se tal aparecer.

Comecei a ver-te jogar quando eras uma das figuras dos Juvenis do Belenenses. Acabaste por ter propostas para sair nessa altura?

Nuno Tomás: Se não me engano e como já tinha referido na altura, houve conversas de que o Sporting poderia estar interessado em mim, mas não passaram de isso mesmo e foquei-me apenas no Belenenses.

Nessa altura chegaste também à Selecção Nacional e fazes parte da Selecção Nacional sub-20, onde já foste observado. Acreditas que estando a jogar no CNS podes ser chamado ao Mundial? Ou o facto de não estares nas competições profissionais pode ser um impeditivo?

Nuno Tomás: Sim, tive uma grande oportunidade ao estar no grupo da Selecção de sub-20, no estágio de uma semana que culminou com o jogo com a Inglaterra, foi excelente para mim em todos os sentidos e só tenho de estar grato por poder lá estar e treinar com os melhores. Jogar futebol sem sonhar e sem trabalhar para esses sonhos não faz sentido e portanto seria fantástico no final de época poder estar no Mundial.

Sei que é difícil mas o CNS não impediu que treinasse com a Seleção e não acredito que seja um impedimento para o Mundial. O futebol é feito de momentos e quem está melhor no momento é escolhido, se eu for um deles só tenho de saber aproveitar e para isso tenho de trabalhar para estar preparado e ser opção.



Tondela explora lado B… do Benfica B

Até há algumas semanas líder da Segunda Liga, o Benfica B parece ter entrado numa espiral de maus resultados com três derrotas consecutivas, duas delas em Inglaterra frente a Manchester City e Leicester City, e a mais recente pelo Campeonato no seu próprio reduto frente ao Tondela, que também se aproximou dos primeiros postos da tabela.

No que diz respeito aos B encarnados, parecem necessitar de repensar algumas das suas estratégias, em especial o técnico Hélder Cristóvão, que conhece já alguma contestação junto dos adeptos que discordam de algumas das suas opções e acima de tudo dos mais recentes resultados.

Segunda Liga - 14ª Jornada
Benfica B 0-2 Tondela
Caixa Futebol Campus - Seixal

BENFICA B
12- Bruno Varela
93- Nélson Semedo ‘Nelsinho’
64 - Marcos Valente
92- Victor Nilsson Lindelof
60- Pedro Rebocho
77- Rúben Pinto
94- João Teixeira
(89- Nuno Santos, 72)
78- Gonçalo Guedes
67- Hélder Costa
83- Rui Fonte
31- Victor Andrade
(85- Renato Sanches, 57)
Suplentes não Utilizados: 87- Miguel Silva Santos, 93- João Nunes, 57- Pawel Dawidowicz, 54- João Amorim e 96- Dolly Menga
Treinador: Hélder Cristõvão

TONDELA
1- Cláudio Ramos
21 - Edu Machado
37- Vítor Alves
3- João Pica
(8- Tiago Barros, 51)
55 - Pedro Araújo
6- Fábio Pacheco
17- Nuno Santos
27- Bruno Monteiro
7- Marco Aurélio
(14- Amar Zildzovic, 85)
90- Tozé Marreco
9- Piojo
(20- Rúben Saldanha, 79)
Suplentes não Utilizados: 13- Rui Nereu, 2- Ricardo Pedrosa, 5- Ricardo Rocha e 19- Joel Silva
Treinador: Joaquim ‘Quim’ Machado

Arbitragem: Sérgio Sousa Piscarreta - Algarve
Disciplina: João Teixeira (33), Gonçalo Guedes (67) e Pedro Rebocho (95); Nuno Santos (24), Cláudio Ramos (81) e Fábio Pacheco (83)
Marcadores: Edu Machado (35) e Marco Aurélio (60)

sábado, 29 de novembro de 2014




Está encontrado um dos mais sérios candidatos à conquista da UEFA Youth League - o Manchester City, que apresenta uma fortíssima geração que reduziu à banalidade uma equipa do Bayern de Munique que de qualquer forma tem apresentado uma pálida imagem do seu futebol como rapidamente se percebe com as zero vitórias nos cinco encontros já disputados.

Poucos dias depois de vários dos jovens do City terem defrontado o Benfica B pela Premier League International Cup em sub-21, os sub-19 do poderoso clube inglês realizaram um encontro de enorme qualidade, com destaque para o médio norueguês Bersant Celina, que apontou dois dos golos, e o versátil atacante francês Thierry Ambrose, que esteve na jogadas de vários dos tentos conseguidos.

O resultado destas duas grandes exibições individuais aliadas ao poderio do colectivo foi concluído com uma vitória por seis golos sem resposta que ilustra a clara diferença de qualidade entre os dois conjuntos.

UEFA Youth League - 5ª Jornada
Manchester City 6-0 Bayern de Munique


MAN.CITY
Angus Gunn
Mathias Bossaerts
(Ashley Smith-Brown, 68)
Oluratosin Adarabioyo
José Angel Tasende
Pablo Matteo
Kean Bryan
(Sam Tottu, 81)
Olivier Ntcham
Jack Byrne
Brandon Barker
(Javairo Dilrosun, 75)
Bersant Celina
Thierry Ambrose
Suplentes não Utilizados: Charlie Albinson, Charlie Oliver, Aaron Nemane e Isaac Buckley-Ricketts
Treinador: Patrick Vieira

BAYERN
Enrico Caruso
Chima Okoroji
Nicola Della Schiava
Yannick Gunzel
Valentin Micheli
Marco Hingerl
(Akin Memetoglu, 80)
Felix Pohl
Lucas Scholl
Sinan Kurt
Milos Pantovic
(Michael Strein, 69)
Michael Eberwein
(Dominic Martinovic, 65)
Suplentes não Utilizados: Thomas Zieler, Bastian Grahovac, Marcel Lieb e Kevin Nsimba
Treinador: Heiko Vogel

Arbitragem: Mervyn Smith - Irlanda do Norte
Disciplina: Mathias Bossaerts (67), Olivier Ntcham (86) e José Angel Tasende (90); Milos Pantovic (47) e Felix Pohl (72)
Marcadores: Oluwatosin Adarabioyo (9), Brandon Barker (25), Bersant Celina (29 e 88) e Jack Byrne (64 e 80)

Ao que o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS conseguiu apurar, o Friburgo, que segue os passos de Miralem Sulejmani desde há duas épocas, encontra-se na frente para garantir o concurso do sérvio já na reabertura do mercado. Desconhece-se todavia se os alemães, que já terão anteriormente manifestado ao Benfica o seu interesse no extremo, pretenderão avançar por um empréstimo ou um negócio em definitivo, sendo que qualquer dos cenários será encarado de forma positiva pelos responsáveis benfiquistas.

Aliás, esta hipótese de saída será também vista como ideal pelo próprio Sulejmani que face às constantes lesões e a falta de minutos tem perdido espaço na selecção da Sérvia, na qual até há poucos meses consistia num habitual titular e um elemento fundamental na equipa. Jogando com maior regularidade poderá aspirar ao regresso.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014




Depois do abismo, o regresso ao leão? Costuma dizer-se que a vida dá muitas voltas, e no futebol ainda mais, como se poderá perceber pelo caso de Guilherme Celestino, jovem jogador que numa fase inicial da sua formação muito prometeu ao serviço do Sporting, clube que representou durante seis anos e que abandonou em idade juvenil para se juntar ao igualmente mediático Inter de Milão.

Três anos volvidos, e actualmente com 18 anos, o panorama é incomparavelmente diferente para o jovem luso-brasileiro médio criativo que alinha na posição 10 e como extremo que se encontra inserido no plantel do modesto SL Marinha, clube que disputa a I Divisão da AF Leiria depois de na temporada passada ter actuado nos EUA ao serviço do Corinthians USA, onde actuava nas equipas de Juniores e sub-23 mas acabou por não permanecer após não ter chegado a acordo de verbas referentes a salários.

A jogar como amador no seguimento de épocas nas quais terá sido mal aconselhado, mas por outro lado mais maduro e preparado para a entrada no futebol profissional, Guilherme Celestino poderá ver terminado o seu calvário uma vez que, sabe o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, a empresa que o representa terá em mãos várias possibilidades interessantes.

Entre as possibilidades foi colocado um possível regresso ao Sporting para actuar pela sua equipa B, onde foi esperado para cumprir um período experimental face à longa ausência actuando em outros países, ainda que exista a possibilidade de retornar a Itália, tendo já sido realizado o período de testes, aguardando-se agora se os leões promoverão o regresso de Guilherme que de qualquer forma deverá mesmo mudar de ares já na reabertura do mercado.