terça-feira, 31 de março de 2015



Como parte de uma jornada louca na qual todas as equipas que alinharam como visitantes venceram os respectivos encontros, o Casa Pia continuou a manter bem vivo o sonho de lutar pela subida às competições profissionais ao vencer no terreno do Operário por 0-1.


video
video

Em relação ao desfecho desta partida, as declarações do técnico da equipa da casa, André Branquinho, remeteram para o “cansaço físico que se notou em alguns jogadores” ao passo que os gansos voltaram a ser bafejados por uma dupla angolana/cabo-verdiana que começa a dar que falar composta por Wilson Kenidy, que marcou o golo e se tornou o melhor marcador da Série, e Gilson Varela.

No caso deste último atleta, Gilson juntou mais uma assistência ao seu pecúlio, afirmando após o encontro ao NOVA ACADEMIA DE TALENTOS que “trabalho dia após dia para ao Domingo dar o litro " para dou um passo para três ou quatro passos serem dados pelo seu adversário, replicando palavras elogiosas do relator açoriano que acompanhava a partida.




OPERÁRIO
1- João Botelho
2- Wellinton Matos
5- Cristiano Pascoal
11- Xexé
15- Ângelo
7- João Peixoto
8- Leleco
10- Dani
19- Stebh
18- Camará
21- Rodrigo Parreira
Treinador: André Branquinho

CASA PIA
1- Miguel Soares
23- David Rosa
26- João Freitas
18- Nélson Graça
5- Zinho Fonseca
2- Luís Cortez
7- André Ganhão
8- Cláudio Hervet
21- Pedro Dionísio
14- Wilson Kenidy
45- Gilson Varela
Treinador: Bruno Baltazar

Arbitragem: Carlos Espadinha - Portalegre
Disciplina: Dani (29), Nélson Graça (50), Pedro Dionísio (57), Luís Cortez (62), Camará (67), Pedro Ganhão (72), Stebh (83) e João Peixoto (87)
Marcador: Wilson Kenidy (14)

segunda-feira, 30 de março de 2015




Impossível desligar a BBC

Um ano depois de ter atingido as meias-finais da Liga dos Campeões com relativa facilidade devido a uma fantástica primeira mão seguido de um enorme susto na segunda, o Real Madrid replicou uma receita tirada a papel químico na última eliminatória frente ao Schalke na qual tudo parecia resolvido na deslocação a Gelsenkirchen antes de uma horrífica exibição em casa que quase deitava tudo a perder.

O Real estará agora ciente de que se voltar a facilitar no conjunto das duas mãos desta feita não deverá voltar a ter a mesma sorte. Pela frente nos quartos-de-final terá o vizinho e rival Atlético de Madrid, com o qual reeditará a final da época passada ciente de que os colchoneros conhecem bem a forma de jogar do actual campeão europeu como de resto já provaram esta temporada com o muito falado 4-0 no Vicente Calderón.

Como tal, e com o respeito que o Atleti merece, mais do que nunca Carlo Ancelotti não poderá ’inventar’ ou alinhar pelo mesmo diapasão de alguns dos críticos desfazendo o fabuloso trio de ataque conhecido por BBC, composto por Bale, Benzema e Cristiano Ronaldo.

Olhando para os tempos mais recentes, não parece que essa seja sequer uma alternativa para o Real, que na visita ao arqui-rival Barcelona foi capaz de discutir o jogo precisamente graças a estes três craques que apesar de não terem conseguido garantir pontos uma vez mais foram capazes de demonstrar que se entendem ’de olhos fechados’, contribuindo cada um com uma capacidade técnica que por si só pode valer troféus - neste caso, poderá mesmo valer um apuramento.

sábado, 28 de março de 2015



A informação avançada há algumas semanas pelo jornal italiano ‘TuttoMercato’ revela que o Benfica se encontra entre as principais interessadas pelo concurso de Vojislav Stankovic. Ao ter-se contactado o empresário do central sérvio de 27 anos que alinha no Partizan, Dusan Milojevic, este agente acabou por revelar ser possuidor de vários convites para o atleta que representa.

“ À volta de sete, oito, procuram-no em Espanha, Portugal, França, Turquia, Alemanha e Áustria. Em particular temos recebido ofertas do Benfica, Sporting de Braga, Bordeaux e Salzburgo, mais uma série de propostas de Espanha e outras tantas da Turquia", explicou mesmo o empresário do central que ainda assim não entra nas contas da selecção da Sérvia que dentro de poucas horas enfrentará Portugal.

Esquecido pelo seu selecionador nacional, Vojislav Stankovic acabou por preferir o… Azerbaijão e uma lucrativa proposta do Inter Baku, o que não causa indiferença em território sérvio por estar neste momento a ser comparado por muitos a Sasa Ilic ou a Nenad Djordjevic numa dúvida colocada pelos adeptos do Partizan.

Em Belgrado aguarda-se para perceber se Stankovic seguirá o exemplo do primeiro, uma verdadeira lenda do clube que regressou após uma estadia no estrangeiro, ou se pelo contrário representará um novo exemplo do que fez o segundo.

A possibilidade de Stankovic repetir a acção de Djordjevic, notabilizar-se ao serviço do clube para depois exercer pressão para sair de forma a não mais voltar, preocupa os adeptos do histórico clube sérvio que há cinco anos se encontrava no clube, vivia uma situação de estado de graça como titular indiscutível e acabou por deixar o clube pela ‘porta dos fundos‘.

sexta-feira, 27 de março de 2015




A Selecção Nacional sub-21 deu continuidade à sua preparação com um encontro particular frente à Dinamarca, equipa também qualificada para o Europeu do escalão que se concluiu com um sempre aborrecido nulo que muito se deveu à acção do guarda-redes nórdico Jakob Busk, que se destacou com um punhado de boas intervenções entre as quais a defesa de uma grande penalidade cobrada de forma denunciada por Sérgio Oliveira.

Esta oportunidade desperdiçada haveria de revelar-se determinante para que o encontro não tivesse contado com golos, retendo-se apenas a imagem de um teste quente e frio para os comandados de Rui Jorge que parecem muito bem entrosados em termos defensivos mas parecem ter ainda muito a evoluir no processo ofensivo, nomeadamente no momento da finalização.

PORTUGAL
José Sá
Ricardo Pereira
Paulo Oliveira
Tiago Ilori
Rafa Soares
(João Cancelo, int)
Rúben Neves
Bernardo Silva
(Carlos Mané, 78)
Sérgio Oliveira ©
(Rafa Silva, 64)
Rony Lopes
(Bruma, int.)
Gonçalo Paciência
(Tozé Carvalho, 64)
Ivan Cavaleiro
(Ricardo Horta, int.)
Treinador: Rui Jorge

DINAMARCA
Jakob Busk
Alexander Scholz
(Ryan Laursen, 64)
Sorensen
Vestergaard ©
(Patrick Bangaard, 74)
Patrick da Silva
Christian Norgaard
(Lucas Andersen, 63)
Thonsen
Yussuf Poulsen
(Danny Amankwaa, 63)
Rasmus Falk Jensen
(Nikolaj Poulsen, 63)
Youssef Toutouh
Andreas Cornelius
(Emil Berggreen, int)
Treinador: Jess Thorup

Arbitragem: Ricardo Baxinho - Portugal
Disciplina: cartão amarelo a Tiago Ilori (90)
Marcadores: -.

quinta-feira, 26 de março de 2015



Lança em África - número 4

Também já em idade sénior mas ainda com grande margem de progressão, Moses Owusu joga preferencialmente como médio ofensivo ou também como médio centro; necessita de desenvolver fisicamente, mas é possuidor de grande qualidade técnica e muito critério no passe, o que faz com que tenha poucas perdas de bola e apresente muito controlo.

Essas qualidades levaram-no a ter já estado próximo de actuar em Portugal pois esteve perto de se juntar ao Loures, emblema que milita no Campeonato Nacional de Seniores. Assume-se como ideal para passes em profundidade e é também muito móvel, detendo muita capacidade de trabalho e imposição física a defender.

Claramente um futebolista para voos mas elevados, depressa se distinguiu dos demais na II Liga do Gana ao serviço do clube que tem vindo a representar, o BA United, onde conquistou o estatuto de titular indiscutível e ajudou a assegurar a promoção para a Premier League do país.






Não poderia ter começado da melhor forma a participação da Selecção Nacional sub-16 no Torneio do Porto com a equipa nacional a golear com facilidade o Azerbaijão que cedo se viu reduzido a 10 unidades por força da expulsão directa do seu lateral direito Agshin Huseynov.

Com mais um jogador e bastante superior ao nível técnico, Portugal pôde ir aumentando os números no marcador, apresentando ainda um número vasto de soluções face às prestações não só da sua equipa titular como também por parte dos suplentes utilizados, com destaque para Elves Baldé, Paulo Estrela e Leandro Cardoso, que entraram na partida para apontar um golo cada.



Torneio Internacional do Porto - 1.ª jornada
Portugal 5-0 Azerbaijão

Estádio Dr. Machado Matos, Felgueiras


PORTUGAL
Luís Maximiano
João Oliveira
(Diogo Bessa, 65)
Diogo Leite
(Luís Silva, 75)
Diogo Queirós ©
Rúben Vinagre
Florentino Luís
(João Lameira, 56)
Miguel Luís
(Thierry Correia, 56)
Filipe Soares
(Paulo Estrela, 56)
João Filipe
(Elves Baldé, 39)
Rafael Leão
(Leandro Cardoso, 65)
Mesaque Dju
(Nuno Santos, 39)
Suplente não utilizado: Diogo Costa.
Treinador: Emílio Peixe.

AZERBAIJÃO
Kamram Ibrahimov
Agshin Huseynov
Elchin Asadov
Huseyin Seyligli
Ibrahim Gadrzade
(Javidan Gasimli, int)
(Asgar Huseynov, 67)
Aslan Baldazade
Metin Guler
(Yusif Hasanov, 23)
Farid Nabiyev ©
(Emin Safikhanov, 51)
Jeyhun Mukhtarli
(Aslan Badalzade, 67),
Pilagha Mehdiev
Nadir Kasumov
(Bahadur Haziyev, 57)
Suplentes não utilizados: Mammad Huseynov, Arzimam Rizvanov, Elvin Imanil e Samir Aliyev.
Treinador: Sergey Matveev.

Arbitragem: Aleksei Matiunin (árbitro principal, Rússia), Hélder Casanova e Jorge Aguiar (árbitros assistentes, Portugal) e Pedro Vilaça (4º árbitro, Portugal)
Disciiplina: cartão amarelo para Elchin Asadov (72); cartão vermelho para Agshin Huseynov (2, expulsão directa) 
Marcadores: Mesaque Dju (3), Rafael Leão (22), Elves Baldé (45), Paulo Estrela (59) e Leandro Cardoso (71)

quarta-feira, 25 de março de 2015



Juary arma defensiva em Macau

Uma das equipas em foco na Série B do Campeonato Nacional de Seniores foi o Tirsense, um conjunto cuja carreira acabou por ser invulgar visto ter sido o ‘rei dos empates’ da prova, com várias igualdades que o colocaram a meio da tabela e inviabilizaram a passagem à Série de Subida.

Nesse percurso de poucos desaires, mas demasiados empates, a equipa de Santo Tirso apresentou como destaque o defesa central guineense Juary Soares, de 23 anos, reforço para esta temporada proveniente do Sporting que chegou à entrada da quarta jornada para desde logo conquistar um lugar como titular, situação que se foi repetindo nas rondas seguintes mesmo perante os líderes da classificação.

No entanto, ainda no decorrer da temporada, o empresário do atleta foi colocado perante a possibilidade de o transferir para o futebol asiático visto ter recebido uma oferta do Benfica de Macau que ambos puderam aceitar de imediato visto que Juary se encontrava inscrito na Federação Portuguesa de Futebol como jogador amador, o que permitiu a sua saída imediata sem quaisquer benefícios para o Tirsense.

Desde então, Juary Soares tem sido peça fundamental no actual campeão em título macaense, constituindo-se uma peça fundamental no eixo da defesa de uma equipa que enverga a águia como símbolo depois de ter sido no leão que primeiramente se apresentou aos adeptos do futebol nacional que em pouco tempo poderão voltar a vê-lo face à valorização que tem conhecido no eixo Oriente.

segunda-feira, 23 de março de 2015




Reus, o último resistente

AS dificuldades demonstradas pelo Borussia de Dortmund na Bundesliga, prova na qual chegou mesmo a ocupar a última posição e agora apenas se dedica a procurar assegurar um lugar na Liga Europa, e na Liga dos Campeões quando as dificuldades e exigências apertaram demonstram que está terminada uma era no emblema alemão e são cada vez menos as estrelas de classe mundial a figurar no Westfalenstadion.

Em abono da verdade, em Dortmund permanece aquele que parece já o último resistente do grande Borussia que chegou a conquistar o título alemão e atingiu mesmo uma final da Champions, não persistindo dúvidas de que neste momento apenas Marco Reus assegura o estrelato de um conjunto que mantém alguns bons jogadores mas apenas tem neste craque alemão uma figura de primeiro plano internacional.

Para satisfação dos adeptos do gigante alemão, Reus mantém-se fiel ao clube e chegou já acordo para renovar o seu contrato, devendo nos próximos anos continuar como porta-estandarte do histórico emblema depois de uma malfadada lesão o ter impossibilitado de se sagrar campeão do Mundo pela Alemanha.

Para se ter uma verdadeira noção da importância actual de Reus, ainda na recente eliminatória de Champions foi este criativo que manteve vivas as esperanças de apuramento para a entrada da segunda mão dos oitavos-de-final ao apontar o golo da sua equipa em Turim frente á Juventus, que haveria de comprovar a sua maior valia qualitativa.

Ano após ano, o Borussia foi perdendo os seus ‘anéis’e na época passada a perda do goleador Robert Lewandowski parece ter sido a estocada final num ataque que apresenta alguns bons jogadores mas no qual apenas Reus parece apresentar aquele ‘algo mais’. Até onde pode chegar esta cada vez mais solitária estrela alemã?


Wilson & Gilson ao ritmo do golo

Vai seguindo ao rubro a Série Sul de Subida do Campeonato Nacional de Seniores com o Casa Pia a receber o 1º Dezembro num encontro importante para ambas as equipas na medida em que se encontravam obrigadas a vencer para não ver ainda mais distantes os lugares que dão acesso à promoção à Segunda Liga.

Com esse objectivo em vista esteve melhor a equipa da casa assente nas boas prestações dos seus dois atacantes de ascendência africana, casos do angolano Wilson Kenidy, que apontou os dois tentos do encontro, e do cabo-verdiano Gilson Varela.

O reforço recrutado para a disputa desta Série que voltou a estar em evidência com a assistência para o segundo tento da equipa e do seu companheiro. Graças á parceria entre Gilson e Wilson o Casa Pia consumou uma exibição na qual foi sempre superior.

Campo Pina Manique - Lisboa

CASA PIA
Miguel Soares
David Rosa
João Freitas
Nélson Graça
Zinho Fonseca
Pedro Ganhão
Luis Cortez
(Sandro Silvestre, 85)
Cláudio Hervet
Pedro Dionísio
Gilson Varela
(Martim Águas, 66)
Wilson Kenidy
(Ivo Braz, 91)
Treinador: Bruno Baltazar

1ºDEZEMBRO
Ricardo Andrade
Vítor Moreno
Júlio César
Fary Diatta
Valter Viegas
Didi
(João Varudo, int.)
Marco Bicho
(Pipas, 63)
Cuca Fernandes
Luís Tavares
Tiago Rente
Sebastião Nogueira
(Li Rui, 71)
Treinador: João Sousa

Arbitragem: André Gralha - Santarém
Disciplina: Marco Bicho (23), Cuca Fernandes (25), Sebastião Nogueira (33), Luís Cortez (40), Júlio César (78), Pipas (91) e Li Rui (93)
Marcadores: Wilson Kenidy (1 e 28)

Declarações

Gilson Varela - jogador do Casa Pia

Jogámos bem, fomos justos vencedores, fiz uma assistência para o segundo golo do Kenidy. Agradeço os parabéns, seria mesmo muito bom que conseguíssemos a subida mas vai ser muito difícil, para a semana temos um jogo muito complicado, as equipas estão todas muito próximas, vai ser uma enorme guerra, faltam 8 jogos e um para a 1ª volta terminar. Ainda se vai jogar muita coisa e interessa é estarmos na luta.


domingo, 22 de março de 2015




Titular em grande parte dos encontros realizados até ao momento nesta época no Sacavenense, Adilson Cabral tem merecido a confiança do técnico Luís Silva, até porque tem sido determinante para contribuir para as fases negativas de vários dos adversários que vêm visitando Sacavém, nomeadamente os últimos classificado da Série G do Campeonato Nacional de Seniores e posteriormente a mesma Série G na Fase de Manutenção.

A boa carreira da sua equipa até ao momento torna propícia ao extremo cabo-verdiano de 24 anos a concretização do objectivo a que se propunha nestas últimas semanas, que passa por conduzir o clube ao golo a cada partida e acima de tudo jogar com a maior regularidade possível no conjunto ao qual chegou no início da época após ter deixado o Loures, curiosamente o maior rival do Sacavenense na luta pela liderança da Série.

Capitão Barbosa reconduz o leão

De regresso ao ‘conforto do lar’ depois de um desaire, o Sporting entrou em campo frente ao Rio Ave com uma muito positiva entrada em campo protagonizada por Rafael Barbosa que colocava os leões na frente do marcador na transformação de uma grande penalidade após Matheus Pereira ter sido travado em falta à passagem do minuto 20.

O capitão sportinguista ainda bisou após uma boa jogada de Lisandro Semedo, que arrancou um cruzamento atrasado para o remate vitorioso do médio leonino aos 38 minutos, e depois de ter sofrido a falta que deu origem ao primeiro aquele que por si só era já destaque pela presença na equipa, Matheus Pereira, que recentemente alinhou em vários encontros do Sporting B, foi também determinante para que o leão voltasse a atirar a contar.

Após ter alinhado em vários encontros do Sporting B, o jovem brasileiro deu espectáculo na primeira parte deste encontro, ultrapassando vários adversários antes de cruzar para o desvio de um defensor visitante que resultou no cabeceamento de Lisandro.

Acossado por uma pesada desvantagem ao intervalo, o Rio Ave procurou dar um ar de sua graça mas foi o leão quem voltou a marcar aos 63 minutos através de um pontapé de canto cobrado por Rafael Barbosa ao qual respondeu Aya Diouf com um cabeceamento certeiro. Perto do final, a equipa visitante pôde alcançar o ‘tento de honra’ numa jogada individual do atacante Ernest, que ultrapassou o guardião sportinguista para marcar perante uma baliza deserta.


O tento do Rio Ave apenas minimizou um resultado confortável dos verde-e-brancos, que com este triunfo regressam às contas do campeonato, ultrapassando o seu adversário na classificação e tirando proveito da derrota do FC Porto em Guimarães para se colocar a apenas três pontos dos dragões que na próxima jornada se deslocarão precisamente à Academia verde-e-branca.





SPORTING
Pedro Silva
Paulo Borges
(Aya Diouf, 60)
Bruno Wilson
Ivanildo Fernandes
João Serrano
Luis Caicedo
Rafael Barbosa ©
(Zhang Lingfeng, 75)
Luís Eloi
Lisandro Semedo
Matheus Pereira
(Abou Touré, 64)
José Postiga
Suplentes não Utilizados: Khadim Ndiaye, Boubacar Djaló, Arilton Ebo e Abdoulaye Diallo
Treinador: Luís Boa Morte
4x3x3

RIO AVE
João Maravalhas
Oscar Barros
Vítor Pessanha ©
João Cunha
Virgílio Pinto
(Sala, 55)
Bruno Pacheco
Iuri Gomes
(Vitó, int)
Pedro Matos
Rafa Miranda
Bruno Sousa
(André Gomes, 77)
Ernest Ohemeng
Suplentes não Utilizados: Edu, Diogo Neiva, Sérgio e Ivan Machado
Treinador: Pedro Cunha
4x3x3

Arbitragem: Luís Catita Silva - Évora
Disciplina: cartão amarelo para Bruno Wilson (43 e 47, expulso), Abou Touré (87), Virgílio Pinto (19), Oscar Barros (36), Rafa Miranda (53) e João Cunha (88); cartão vermelho para Bruno Wilson (47, por acumulação)
Marcadores: Rafael Barbosa (20), Rafael Barbosa (38), Lisandro Semedo (42) e Aya Diouf (63); Ernest Ohemeng (85)

sábado, 21 de março de 2015




O que o dragão deve temer

Quando se iniciou o sorteio dos quartos-de-final da Liga dos Campeões, muito provavelmente se fosse perguntado a um comum adepto do FC Porto qual seria o adversário a evitar grande parte responderia ‘Bayern de Munique’. Capricho do mesmo, serão mesmo os bávaros a colocar-se no caminho dos dragões no que se prevê que seja uma eliminatória altamente complicada de transpor.

Escolher três elementos a temer e a ter em maior atenção com a quantidade de craques que tem o Bayern, parece quase uma falta de respeito pelo enorme valor colectivo que a equipa alemã possui. No entanto, não deixa de constituir um desafio aliciante ao qual o NOVA ACADEMIA DE TALENTOS preferiu não se dissociar.

Autor do golo que garantiu à Alemanha a conquista do título mundial, Mario Gotze detém as características que a defensiva do FC Porto mais teme, muita dinâmica, movimentação, qualidade técnica e uma visão de jogo apurada que o beneficia em aspectos como o último passe ou remates sem preparação.

Gotze promete tornar-se um pesadelo para as marcações precisamente por dificultar tanto as marcações individuais como as zonais por ser muito complicado prever quais os terrenos que irá pisar durante o mesmo jogo, uma situação contrária ao que deverá suceder com a outra figura à qual os dragões deverão dedicar grande parte da sua atenção, Arjen Robben, que evolui por ambas as alas com a mesma eficácia.

No caso de Robben, as suas movimentações são habituais e reconhecidas, mas tal não se torna uma desvantagem por mérito da sua velocidade de execução e o seu notável pé esquerdo que lhe permitem entrar em diagonal com facilidade, prevendo-se caso o holandês esteja em noites inspiradas duas tarefas complicadas para Alex Sandro.

Também a dupla de centrais escolhida, que na primeira mão por castigo de Ivan Marcano será formada por Maicon e Bruno Martins Indi, poderá ter dificuldades acrescidas caso Pep Guardiola se decida pela titularidade de Robert Lewandowski, que face à imensa qualidade do plantel e por questões tácticas nem sempre alinha como titular mas poderá ser o ponta-de-lança que os defensores portistas não quererão ter pela frente.

Ágil e bem composto fisicamente, o polaco pode explorar a mínima falha de posicionamento e de velocidade de reacção de Maicon ou Martins Indi, que embora sejam obrigados a atenções redobradas na marcação poderão ganhar uma importância acrescida em termos ofensivos. Sim, porque embora seja de facto um poderoso conjunto, no futebol não existem fortalezas inexpugnáveis e nesse sentido o Bayern terá também as suas limitações.

Com efeito, o exemplo mais vincado será a pesada derrota há algumas semanas sofrida ante o Wolfsburg, na qual unidades de futebol aéreo como Bas Dost (essencialmente) e Naldo provaram que o poderoso emblema bávaro sente por vezes algumas dificuldades no futebol pelo ar especialmente se o cruzamento for tenso.

Assim sendo, os acima mencionados Maicon e Martins Indi, assim como Jackson Martinez e/ou Aboubakar terão ainda uma palavra a dizer para além do ’adeus’ que boa parte do meio futebolístico já preconiza.

quarta-feira, 18 de março de 2015





Carvalho e Romário reforçam os sub-19

Numa fase em que vai tendo continuidade a época das várias equipas do Benfica, a ponte entre os Juniores e o Benfica B vai continuando activa com a utilização de vários sub-19 em encontros da Segunda Liga. Por outro, lado, os Juniores que evoluem com regularidade pelos B continuaram a reforçar a equipa referente ao seu escalão etário nos jogos da UEFA Youth Cup, como foi novamente o caso da partida de terça-feira frente ao Shakhtar.

Como tal, e à imagem do que sucedeu nos encontros anteriores Romário Baldé regressa à equipa júnior para ocupar um lugar entre os titulares, dos quais não tem feito parte o defesa central Ricardo Carvalho, que no entanto se encontra também fisicamente de regresso à equipa após alguns jogos de ausência.

Ressalve-se que os encarnados foram eliminados nos quartos-de-final da competição para término de um percurso excelente traduzido num apuramento na primeira fase ainda com dois encontros da fase de grupos pela frente.

Devidamente inscritos na Liga de Clubes desde o início da época, Carvalho, há cinco anos é representado por Jorge Mendes e ainda não se estreou pela equipa B, e Romário, que é tido como uma das mais fortes esperanças da formação benfiquista e alinhou com regularidade na Segunda Liga antes de ser afastado devido a algumas divergências pela renovação de contrato que estarão agora completamente ultrapassadas.

Ambos serão peças a ter em conta para atacar o título nacional de Juniores que todavia parece complicado, mas não impossível, de alcançar em virtude de se registar já um atraso para o líder FC Porto em sete pontos.



É neste momento grande a curiosidade para se conhecer a convocatória de Fernando Santos para os encontros da Selecção Nacional, que será revelada amanhã ao início da tarde. Será com certeza um plantel alargado visto aproximarem-se dois confrontos bem diferentes, um com a Sérvia 'a doer', válido pelo apuramento para o Euro 2016, e um particular com Cabo Verde.

Como tal, apostaria em duas novidades, uma chamada Pizzi pelo (bem) que tem jogado ao serviço do Benfica e Bernardo Silva que tem deixado mostras do seu potencial ao serviço do surpreendente Monaco e principalmente no jogo contra Cabo Verde poderia ter o seu primeiro 'cheiro' de Selecção A, o que prepararia para um futuro que se prevê que venha a ser de muitas internacionalizações pelo nosso País.

Mantendo atenções nos valores nacionais que evoluem em França, em Lyon, ao serviço do actual líder da prova, há Anthony Lopes, um dos grandes guarda-redes da Ligue 1... Embora seja publicamente conhecida a vontade do guardião em representar as cores nacionais seria de bom tom oferecer-lhe atempadamente a primeira internacionalização até porque em circunstância alguma Anthony parece inferior ao habitual titular Rui Patrício…

Em sentido contrário, aguarda-se ainda para perceber se Fernando Santos deixará de fora Ricardo Carvalho, que tem sentido alguns problemas físicos e por essa razão não tem actuado com regularidade ao serviço do Monaco. Como tal, e existindo diversas opções para o lugar parece desnecessário recorrer a um jogador em busca da melhor forma quando outros atletas experimentados como Pepe e Bruno Alves poderão perfeitamente formar dupla.

Para além destas duas novidades ainda deve recordar-se que em Sevilha para além do guarda-redes Beto a equipa nacional poderia muito bem também ter Diogo Figueiras, lateral capaz de discutir o lugar com as opções habitualmente chamadas a cumprir funções, e Daniel Carriço, um polivalente capaz de evoluir com a mesma qualidade nas posições de defesa central e médio defensivo, muito embora seja conhecida a posição do seleccionador nacional no que concerne aos polivalentes.

Assim se vê que as dúvidas relativas a entradas e saídas são neste momento mais do que muitas. A resposta, essa, apenas será dada pelo técnico nacional, de quem se espera uma análise atenta ao que tem sido a época de cada atleta luso associada ao contributo que pode vir a dar à equipa.

terça-feira, 17 de março de 2015




Pode dizer-se que o caminho da semifinal da UEFA Youth League foi dar a Roma numa constatação de que o adágio popular ‘todos os caminhos vão dar a Roma’ parece mesmo fazer sentido. Pelo menos adequa-se na perfeição a este encontro que resultou na vitória dos ’giallorossi’ sobre o Manchester City por 2-1, qualificando a equipa italiana para a Final Four da competição.

Por conseguinte, cai por completo a possibilidade de nas meias-finais se vir a assistir a uma partida exclusivamente inglesa, acabando o Chelsea, que na semana passada se havia já qualificado, por encontrar não o rival e compatriota City como muitos esperavam mas sim a Roma, que assim continua em prova como a única representante de Itália ainda ’viva’ na Champions júnior graças a um muito apreciável esforço colectivo.



UEFA Youth League - ¼ final
Roma 2-1 Manchester City

ROMA
1- Gabriele Marchegiani
13- Andrea Paolelli
5- Elio Capradrossi
3- Silvio Anocic
4- Arturo Calabresi
19- Lorenzo Di Livio
(17- Emanuele Ndoj, 48)
8- Lorenzo Pellegrini ©
22- José Machín
(10- Matteo Adamo, 81)
20- Christian D’Urso
9- Toni Sanabria
(24- Tomás Vestenický, 48)
11 - Francesco Di Mariano
Suplentes não Utilizados: 12- Ionut Pop, 15- Ricardo Marchizza, 16- Matteo Belvisi e 25- Edoardo Soleri
Treinador:

MANCHESTER CITY
1- Angus Gunn
2- Cameron Humphries
(17- Aaron Nemane, 66)
5- Pablo Maffeo
4- Tosin Adarabioyo
5- José Ángel Tasende
6- Kean Bryan ©
8- Olivier Ntcham
10- Jack Byrne
7- Thierry Ambrose
9- José Ángel Pozo
(15- Rodney Kongolo, 61)
11 - Bersant Celina
(16- Manuel Garcia, 78)
Suplentes não Utilizados: 13- Kjetil Haug, 12- Samuel Tattum, 14- Charlie Oliver e 18- Isaac Buckley-Ricketts
Treinador: Patrick Vieira

Arbitragem: Pawel Raczkowski - Polónia
Disciplina: Kean Bryan (42 e 59, expulso), Jack Byrne (62 e 84, expulso), Emanuele Ndoj (63), Lorenzo Pellegrini (67), Elio Capradossi (89, expulsão directa), Thierry Ambrose (91) e Pablo Maffeo (94)
Marcadores: Tomás Vestenický (62) e Lorenzo Pellegrini (89); Thierry Ambrose (91)




Thiago, ‘reforço’ de uma Dream Team

Bem vistos todos os aspectos e resultados desta época, a última equipa a necessitar de um ‘reforço’ durante a época seria mesmo o Bayern de Munique, que tem dominado a bel-prazer a Bundesliga e ainda tem passeado classe na Liga dos Camoeões, mas a fortuna alemã ainda se encarregou de lhe reencaminhar um regresso que será muito útil, tratando-se do retorno à competição de Thiago Alcântara, há muito afastado devido a lesão.

Após ter contraído uma lesão grave que o afastou dos relvados, o médio já se encontra a trabalhar sem limitações com o plantel principal dos bávaros no qual a qualidade é muita mas onde existe sempre espaço para um talento como Thiago Alcântara, que passará a ser mais uma opção de enorme valia para o meio-campo ofensivo.

A entrada do talentoso hispano-brasileiro poderá ’empurrar’ ainda mais jogadores de grande alcance goleador como o campeão do Mundo pela Alemanha Thomas Muller para terrenos ainda mais adiantados.

Todavia, no Bayern estará ciente, até porque não necessita, de precipitações e acelerar o retorno do atleta mesmo estando próximo, prevendo-se que o caminho seja longo até que volte ao nível a que se encontrava quando se viu obrigado a parar e deixar de oferecer o seu contributo ao Bayern. Ainda assim, parece evidente a mais-valia que o meio-campo do colosso de Munique irá receber agora que Thiago completa a sua primeira série de treinos desde Outubro, altura em que se lesionou.

A expectativa não é por menos: apesar da imensa qualidade existente no plantel bávaro, o internacional por Espanha é desde bem cedo apontado como uma das estrelas dos próximos 15 anos, sendo por muitos apontados como, quem sabe, um Bola de Ouro do futuro. Potencial não lhe falta, e qualidade demonstrada também não, pelo que a ansiedade de voltar a vê-lo jogar é indisfarçável agora que faz novamente parte dos aprontos da equipa sem qualquer limitação.

Não parecem persistir dúvidas: Thiago será um ‘reforço de Primavera’ para os quartos-de-final da Champions, que se disputarão em Abril, altura em que em Munique estarão completamente integrados num plantel que se assemelha a uma constelação não só Thiago como também Philipp Lahm, um duplo regresso que motivou a reacção da velha glória do Bayern, Karl-Heinz Rummenigge, que deixou uma palavra de esperança.

"Espero que sim, Lahm parece estar bom, o mesmo com Thiago. Os adversários estão a ficar cada vez melhor”, sustenta o presidente do emblema alemão que encara obviamente com muito bons olhos ter de volta um jogador como Thiago, uma das sensações do presente e certamente uma das estrelas do futuro.

segunda-feira, 16 de março de 2015




Ao contrário do que vem sucedendo com vários jogadores de nacionalidade portuguesa que vêm vivendo momentos de sucesso na Polónia o mesmo não se vai podendo dizer do jovem defesa central Rudinilson Silva, de 20 anos, que não foi sequer utilizado em qualquer dos encontros disputados pelo Lechia Gdansk na Liga polaca.

Em contraste com a situação ascendente que vive no seu país natal, a Guiné-Bissau, pela qual evolui como habitual convocado, o defensor luso-guineense parece tapado na Polónia e por essa razão poderá vir a procurar novo clube no final da época depois de ter abandonado em definitivo o Benfica.

Recorde-se que o Lechia recrutou junto do Benfica também o avançado Kevin Friesenbichler por empréstimo e se vai posicionando a meio da tabela na Liga apesar de não conquistar vitórias há praticamente um mês, detendo a palavra final quanto ao melhor rumo para Rudinilson, que se encontra seguro com um contrato válido até Junho de 2016.

No entanto, as expectativas de Rudinilson em ganhar espaço na equipa polaca vêm crescendo exponencialmente face à garantia de a sua adaptação continuar a decorrer sem problemas sendo que o atleta já deu início à aprendizagem do idioma, prevendo-se que esse aspecto venha a beneficiá-lo em breve, pois dominando o polaco o defensor estará mais habilitado a compreender os processos de jogo da equipa e acima de tudo do sector mais recuado do Lechia.

Em percurso ascendente rumo a um lugar de acesso às competições europeias na próxima época, a defesa do emblema de Gdansk vem-se apresentando coesa e sem grandes motivos para mudança, obrigando o jovem de nacionalidade portuguesa a esperar pela sua hora.




O FC Porto segue o seu percurso para já lançado em busca do título nacional de Juniores, tendo desta feita encontrado pela frente o sempre incómodo Nacional ainda que limitado pelo cansaço e circunstâncias relacionadas com a longa viagem.

Alheios a esse facto, os dragões trabalharam em prol de mais um triunfo, apontando um único e decisivo golo graças a uma jogada de entendimento entre Bruno Costa, que depois de ter arrancado um golo e uma assistência enquanto suplente utilizado contra o Benfica desta feita mereceu a confiança para a equipa titular por parte de António Folha actuando os 90 minutos, e Rúben Macedo.

Bruno a assistir Macedo para um triunfo sobre um oponente que na primeira jornada desta Fase havia empatado no terreno do grande rival dos dragões, o Benfica, e que se contabiliza como o quarto no mesmo número de encontros até ao momento.

Campeonato Nacional de Juniores - Fase Final - 4ª Jornada
FC Porto 1-0 Nacional

Centro de Treino e Formação Desportiva - Olival

FC PORTO
João Costa
Fernando Fonseca
Malthe Johansen
Diogo Verdasca
Lumor Agbenyehu
João Cardoso
Bruno Costa
Rui Moreira ©
(Fidelis Irhene, 70)
Sérgio Moreira
Leonardo Ruiz
(Tony Djim, 64)
Rúben Macedo
(Luís Mata, 79)
Treinador: António Folha

NACIONAL
Duarte
João Silva
Nuno Alírio
Lucas Tigrão ©
Mohamed Kaba
Danísio Barbosa
Ju Cá
(Pedro Pinto, 68)
António Gonçalves
(Dani Ladeira, 79)
Joel Conceição
(Aires Sousa, 59)
Ricky Duarte
David Macieira
Treinador: José Pedro Jacinto

Arbitragem: Iancu Vasilica  - Vila Real
Disciplina: cartão amarelo para João Cardoso (43), João Silva (78) e Fidelis Irhene (93)


Marcador: Rúben Macedo (14)