sexta-feira, 31 de março de 2017


Há hammers… de Futebol de 8 em Lisboa

Juntamente com os vários nomes que deram início à temporada ao serviço do Atlético SAD, também Pedro Justo optou pela saída não apenas pelos factores desportivos (para além de não se constituir um titular indiscutível e a equipa encontrava-se, e encontra-se, afundada no último lugar da classificação) como pelas dificuldades financeiras e logísticas que vêm afectando a equipa desde o primeiro momento da temporada. Com efeito, o lateral esquerdo deixou o Campeonato de Portugal para se juntar aos…Hammers.

Todavia, ainda não foi desta que o esquerdino de 21 anos passou a competir no exigente futebol inglês ao serviço do histórico West Ham – afinal de contas, os verdadeiros 'hammers'. Pelo menos para já, o jovem atleta passou a dedicar-se a assumir papel de uma das principais figuras dos The Hammers, equipa campeã em título da Liga Allstars, competição destinada a equipas na variante de Futebol de 8 exclusivamente na região da Grande Lisboa e que permitirá também a Justo manter a forma até eventualmente assumir novo compromisso tendo em vista a próxima temporada. Mais uma oportunidade para futebolistas em diversas condições, inclusivamente amadores, mais e menos jovens, para desenvolverem a actividade para além do futebol federado. 

quinta-feira, 30 de março de 2017



Alcanenense - Lateral convertido desperta atenções

As observações de emblemas profissionais ao Campeonato de Portugal não são surpresa e sucedem semana após semana em vários campos espalhados pelo País e o Alcanenense é um desses casos: Simão será nome conhecido pelo Marítimo pelo facto de já ter representado os verde-rubros num passado recente, na fase final da sua formação.

Isto já depois de ainda como júnior Simão Moreno ter apontado 8 golos em 10 desafios pelo Benfica da Praia e assim ter sido negociado pelo Presidente desse emblema de Cabo Verde, de onde o atleta é natural, com destino à Madeira. Agora, em declarações ao NOVA ACADEMIA DE TALENTOS, o versátil jogador reconhece estar a atravessar um bom momento e "a época está correndo muito bem."

As prestações do jogador que, sublinhou, "nunca mais falei com ninguém" desde a sua primeira saída da Madeira e que aos 20 anos ao serviço do Alcanenense na Série F de Manutenção do CPP começam a despertar atenções no seu país pelo qual nunca teve a oportunidade de se estrear mas onde poderá vir a ter uma oportunidade em convocatórias futuras. 

quarta-feira, 29 de março de 2017




Sofia Farmer, a colónia portuguesa da Irlanda do Norte

Se o futebol português tivesse uma Embaixada na Irlanda do Norte, o local estaria certamente escolhido: a cidade de Cookstown, onde se encontra sediado o Sofia Farmer FC, que disputa o quarto escalão deste país, a amadora Ballymena & Provincial Football League, e neste momento ocupa a 5ª posição e acolhe futebolistas portugueses mas que, como confirma o seu guarda-redes habitualmente titular, o luso-sãotomense Jenimy de Sousa, “já foram mais” - e de que maneira, num emblema em que inclusivamente o seu presidente é… português, de seu nome Alberto de Barros e os únicos naturais do país são o treinador e um par de futebolistas.

Basta atentar-se ao facto de desde Agosto até ao momento actual o plantel da equipa norte-irlandesa já ter registado a saída de André Lima (Canas de Senhorim), Fábio Ganhão e Danny Correia (Amora), Carlos Canedo (sem clube conhecido), Elton Carvalho (Alverca) e Nuno Colaço, o único que optou por transferir-se para um clube igualmente da Irlanda do Norte mas de superiores ambições, o Coleraine, para se perceber a dimensão do jogador semi-profissional português neste conjunto, o Sofia Farmer. Antes, já Cláudio Jerónimo (Pêro Pinheiro), Jordi Freixo (também com nacionalidade em Andorra), Diogo Silva, Alexis Cabral, Leandro (todos sem clube conhecido), e Elton Caculo haviam deixando o clube.

Grande parte destes abandonaram o clube em litígio com o presidente, registando mesmo condições complicadas ao nível da habitabilidade e logística; no entanto, o modesto clube irlandês mantém para já seis futebolistas ao seu serviço - o já referido Jenimy, que não negando as dificuldades com que se depara no dia-a-dia “cada um tem a sua opinião; tenho trabalho por lá e isso é o menos para quem procura e quer algo melhor”  e ainda Peter Stain (português de ascendência inglesa) e Valter Monteiro, os restantes guarda-redes do plantel, juntando-lhes Timmie Pollard (também ele luso com familiares britânicos), Sérgio Duarte e Hélder David, Miguel Dias, Pedro Gomes, Paulo Monteiro, Diogo Inácio e Leandro Quinhentas.

Contando com o actual contingente e aqueles que já abandonaram o clube, um total de 23 jogadores num espaço temporal inferior a seis meses que comprova que a aposta nos escalões distritais lusos será uma aposta a ter continuidade no futuro deste modesto clube britânico que, conclui ainda Jenimy, tem como meta “subir de divisão, foi a meta definida no início da época“, ao mesmo tempo que vai concedendo espaço a jogadores de divisões inferiores que procuram seguir o seu caminho fora do País.


1º Dezembro - Mais um colombiano para o ataque

Envolvido num despique ponto a ponto pela manutenção no Campeonato de Portugal, o 1º Dezembro operou nas últimas semanas várias mudanças no seu plantel que implicaram várias saídas e entradas, muito em especial no que respeita ao protocolo que mantém com o Desp. Aves que tem cedido vários atletas ao clube de Sintra e já chamou vários deles a regressar aos seus quadros em Janeiro último.

Ao mesmo tempo que optou por estes retornos, em sentido inverso o clube avense procurará fazer rodar no CPP outros dos seus activos, razão essa pela qual optou por colocar a título de empréstimo no 1º Dezembro mais um dos seus futebolistas de nacionalidade colombiana, neste caso o avançado Oscar Junca, que realizou uma interessante primeira metade de época com 8 golos apontados num total de 18 encontros disputados ao serviço do Desp. Aves B em competição na Divisão de Elite da AF Porto.

Estes foram sinais promissores que tornaram necessário outro tipo de desafio para o avançado de 23 anos que agora se candidata a competir num escalão nacional assim que vier a conseguir fazer face à concorrência

segunda-feira, 27 de março de 2017



Perante um Inverno tardio que complicou as condições de jogo, o Real continua a subir na classificação ao ter levado a melhor perante um Sacavenense que acabou derrotado em sua casa.

Estádio do SG Sacavenense - Sacavém

SACAVENENSE
30- Hugo Cardoso
4- Oliveira ©
5- Yannick
25- Diogo Duque
13- Bebé Batalha
(16- Léo, 78)
7- Horta
37- Nuno Borges
19- Carlos Saavedra
8- Fábio Arcanjo
(9- Janu, 66)
10- Tiago Santos
(15- Herlander, 66)
21- João Olavo
Suplentes não Utilizados: 12- Pedro Garcia, 6- Pedro Ribeiro, 3- André Duarte e 14- Park
T: Tuck
4x4x2

REAL
1- Patrick Costinha
3- Jorge Bernardo
22- Matheus Costa
25- Nuno Tomás
16- Leal
6- Rúben Marques ©
10- Kikas
(18- Brash Brampoque, int.)
14- Sabry
9- Érico
19- Manuel Palacios
(23- Thabo Cele, 89)
21- Allef
(7- Marcelo Lopes, 76)
Suplentes não Utilizados: 24- Miguel Assunção, 8- Guti Almada, 11- Luís Mata e 15- Ivan Dias
T: Filipe Martins

Arbitragem: José Laranjeira - Coimbra
Disciplina: cartão amarelo para Allef (56), Nuno Borges (85), Jorge Bernardo (87) e Yannick (89)
Marcadores: Allef (37) e Nuno Tomás (61)

domingo, 26 de março de 2017



No fim de contas, o jogo que poderia ter valido a liderança da Série G de Manutenção… nada decidiu visto que a invernosa tarde que assolou o Eng. Carlos Salema e o desafio entre os dois perseguidores ao topo da classificação, Oriental e Loures, resultou numa igualdade a uma bola alcançada com dois tentos alcançados na fase inicial da 2ª parte, primeiro pela equipa da casa logo no primeiro minuto através de um pontapé de canto cobrado pelo esquerdino Varudo, que entrou em campo ainda na primeira dezena de minutos da partida para suprir o lugar deixado pela lesão de João Santos.

Ao cruzamento de Varudo, que seria também sacrificado nos minutos finais face a alterações que introduziram duas unidades de maior pendor atacante quando a estratégia da sua equipa passava por atacar a vitória, surgiria com veemência mais um defensor do COL, mais concretamente Hugo Grilo, a cabecear ao primeiro poste para o fundo das redes do Loures.

A turma visitante reagiu pouco mais de 10 minutos depois num lance algo fortuito causado por uma abordagem pouco eficiente do guarda-redes Mota que na tentativa de afastar a soco um cruzamento tirado pela direita atirou a bola contra o ponta-de-lança Sérgio Nogueira.

De uma forma quase inadvertida Sérgio apontou o golo que garantiria a divisão de pontos numa partida em que o Oriental dispôs de uma maior quantidade de ocasiões de perigo - Victor Veloso viu um remate da sua autoria negado pela trave ainda na primeira parte - perante um Loures que soube gerir o ponto conquistado e adaptar-se às complicadas condições de jogo inerentes às condições climatéricas. 


Campo Eng. Carlos Salema - Lisboa


ORIENTAL
12- Tiago Mota
2- João Oliveira
44- Hugo Grilo
20- Daniel Almeida ©
26- João Vicente
29- Marco Bicho
16- André Faísca
10- João Santos
(13- João Varudo, 8)
(77- Sebastião Nogueira, 75)
30- Henrique Gomes
15- Joel Araújo
(19- Tiago Rente, 83)
11- Victor Veloso
Suplentes não Utilizados: 22- Rafael Marques, 17- Xiao Yufeng e 14- Lucas
Treinador: António Pereira
4x3x3

LOURES
60- André Marques
19- Paulinho ©
12- Ricardão
(2- Serifo Djaló, 30)
28- Josué Ferreira
5- Filipe Cui
44- João Job
14- Joel Neves
17- Rui Batalha
20- Pedro Augusto
11- Jacinto Monteiro
9- Sérgio Nogueira
(10- Ivo Miranda, 85)
Suplentes não Utilizados: 22- Nuno Hidalgo, 4- André Frias, 21- Gonçalo Vieira, 26- Ivan Claro e 27- Diogo Rosado
Treinador: Luís Silva

Arbitragem: José Quitério Almeida - Lisboa
Disciplina: cartão amarelo para João Oliveira (45+3), João Job (71)
Marcadores: Hugo Grilo (46); Sérgio Nogueira (58)

sábado, 25 de março de 2017


Catujalense – Assembleia-Geral agendada

Foi agendada pela Presidente da Mesa da Assembleia-Geral da Sociedade Recreativa Catujalense uma AG de carácter Ordinário a realizar este Sábado na sede do clube, sita no Catujal, localidade situada no concelho de Loures, pelas 20 horas, seguindo uma ordem de trabalhos na qual se delibera a aprovação do relatório de contas respeitante ao ano anterior, seguido do necessário parecer do Conselho Fiscal, por parte dos associados dessa instituição desportiva.

sexta-feira, 24 de março de 2017






Oberlausitz deve segurar Calado

Com apenas 32 anos de idade e chegado a uma das mais fortes nações do futebol internacional, Diogo Calado cumpriu até à época transacta uma experiência no Energie Cottbus, histórico clube que lhe apareceu como uma possibilidade que lhe abriu portas na Alemanha: “fiz aquilo que muitos de nós fazemos que é ir enviando CV's. Tive a sorte de o Energie Cottbus ter demonstrado interesse em falar comigo fruto da minha experiência mas também porque a barreira da língua poderia ser ultrapassada graças ao facto do treinador da equipa B na época transacta ser brasileiro.”

Terminada a temporada e apesar do excelente relacionamento entre todas as partes, a extinção do Energie Cottbus B levou Calado a aceitar a proposta do Oberlausitz, actual 12º classificado da Série Nordost da Regionalliga, quarto escalão do futebol alemão, onde devido ao cumprimento dos objectivos traçados – a manutenção da equipa no escalão está cada vez mais próxima – deverá conduzir à continuidade do treinador luso no clube pelo menos durante a temporada que se segue.

Afinal há esperança por Queiroz, mas é outro português quem comanda. Continua a arrastar-se o já curioso processo de escolha da Federação sul-africana de futebol para o seu novo seleccionador, que dura já desde o final de Dezembro e não estará finalizado antes da próxima semana, como confirmou o presidente da entidade, Danny Jordaan, que na mesma intervenção, sem referir nomes, poderá ter reaberto a porta ao português Carlos Queiroz.

Isto porque o dirigente sul-africano acabou por referir em declarações junto da imprensa do seu país que a sua escolha, conjuntamente com os restantes colegas de Direcção, se encontra ainda sob contrato. Ora, é essa a situação de Queiroz, que poderá ainda estar a negociar os termos da rescisão contratual com a Federação do Irão e assim volta ao leque de possibilidades mais fortes acompanhado por Stuart Baxter, treinador do SuperSport United (Liga sul-africana), visto que o restante nome também tido como provável, Ruud Krol, se encontra desvinculado desde Junho.

Também Hervé Renard (seleccionador de Marrocos) e Hugo Broos (seleccionador dos Camarões), não terão ainda sido colocados de parte. Até lá, a selecção da África do Sul será comandada de forma interina por… outro português: é mais concretamente Owen da Gama, de 55 anos, sul-africano de ascendência lusa que a título de curiosidade integrou a equipa técnica chefiada por Carlos Queiroz aquando da sua passagem pelo país enquanto seleccionador nacional, quem assumirá a equipa até ao há muito prometido anúncio do novo técnico dos Bafana Bafana.

Como tal será, qual Vasco da Gama há mais de cinco centenas de anos, um novo homem do leme de apelido da Gama a passar Cabo de Tormentas em território sul-africano. Para Owen, a missão não será tão dificultada: passará por treinar a equipa nos encontros de preparação ante Guiné-Bissau, este Sábado, e Angola.  

quarta-feira, 22 de março de 2017






Oriental – Capitão Daniel quer liderança

Para além das Séries de Subida do CPP, nos agrupamentos que respeitam à Manutenção também se desenrolaram vários encontros de monta – vários deles têm tido lugar na Série G, na qual Oriental, Casa Pia, Loures e Sintrense discutem a liderança para até ver ser o Casa Pia a ascender a essa condição. No final do nulo registado em Marvila perante o Sintrense, o capitão Daniel Almeida manifestou a ambição orientalista em fazer o máximo possível nesta fase da época, o que corresponde a ser campeão de Série.

Relativamente ao desafio ante o Sintrense, o defesa central que surge como um dos nomes mais respeitados e um dos destaques individuais da Série ao liderar o sector mais recuado do emblema de Marvila depois de ter representado o clube por duas temporadas na profissional LedmanLigaPro admitiu ter participado “num jogo feio e na generalidade mal jogado que não teve muitas oportunidades de golo e lances perigosos”.

Capitão do Oriental aponta como objectivo "o máximo que a equipa puder alcançar"



Como líder de uma defesa que tem estado em bom plano (a terceira menos batida entre as oito participantes), o central de 32 anos estará ciente de que a sua boa prestação defensiva contribuiu em grande parte para o desfecho de zero golos sofridos na última ocasião em que a equipa alinhou como visitada: “entre a desinspiração dos atacantes e a eficácia das defesas das duas equipas, uma coisa levou à outra, ambas as equipas encaixaram uma na outra”, resultando assim numa igualdade que impediu o Oriental de pela primeira vez na época ascender à liderança da classificação.

Apesar de o objectivo da Série apenas resultar na manutenção no CPP e consequentemente nos campeonatos profissionais, o capitão do Oriental vai mais longe, afirmando que “a equipa pensará em jogar para o máximo que puder alcançar. Nesse sentido, queremos posicionar-nos o mais acima possível e nesse sentido queremos terminar esta Série em primeiro lugar."

"Antes do jogo tínhamos a noção disso e falei no balneário que caso vencêssemos o jogo poderíamos chegar à liderança, mas hoje não foi possível lá chegar. No entanto, a equipa trabalhará nesse sentido já no próximo jogo,” prometeu como antevisão a um desafio em que o clube grená quase derrotou aquele que se manteria como líder isolado, posição que voltará a ser disputada na ronda deste Domingo com o actual detentor da posição, o Casa Pia, a visitar o terreno dos aflitos Armacenenses ao passo que Oriental e Loures se defrontarão no encontro mais aliciante da jornada.



Texto: Rafael Batista Reis
Imagem: Clube Oriental de Lisboa/Diogo Taborda


terça-feira, 21 de março de 2017




Odivelas - Reunião com Bruno de Carvalho… mas não para já

Há algumas épocas afastado devido a um processo de insolvência que quase o extinguiu, o Odivelas FC regressou à actividade com uma nova Direcção que elegeu como prioridade a resolução do caso protagonizado pelos terrenos que pertenciam ao clube no momento anterior à confirmação da sua insolvência e suspensão de actividade. Tal levou a que o presidente eleito, José Moreira, tenha procurado ainda antes da eleição de ambos (como é sabido, Bruno de Carvalho foi recentemente reempossado) reunir-se com o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho.

O líder leonino ter-se-á nessa altura mostrado receptivo, segundo regista o líder do clube odivelense, a conversações apesar de este tema colocar divergências entre os dois clubes no que respeita a estes terrenos, tendo no decorrer do debate que o colocou frente a Pedro Madeira Rodrigues nomeado o responsável pelo diferendo - José Pedro Rodrigues, acusando-o de “um processo contra o Sporting no valor de 21 mil euros para - isto foi a expressão dele - dar uns empurrões.” No entanto, o processo não irá conhecer qualquer avanço, pelo menos nos tempos mais próximos.

“Não daremos qualquer passo para já; neste momento, a prioridade pela qual estamos firmemente empenhados passa por chegarmos a acordo com todos os credores para dar por terminado o processo de insolvência e só depois trataremos desse assunto. A resolução passará por reunir com Bruno de Carvalho, uma vez que é o Presidente em funções, embora sabendo que o senhor em questão era o responsável por esta ’trapalhada’ no período da presidência de Godinho Lopes. Neste momento a nossa atenção está depositada no processo de insolvência,” esclarece José Moreira.

O Presidente do Odivelas encontra-se assim optimista quanto ao resultado desse encontro entre ambos, ainda sem data definida: “espero que possamos reunir-nos com Bruno de Carvalho brevemente,  e estou certo de que irá ajudar-nos bastante”, assim dando por concluído também este processo que implicou, segundo aponta, “a destruição de património do Odivelas e a demolição do Estádio Arnaldo Dias” sem levantar qualquer processo jurídico individualizado a José Pedro Rodrigues. 


Desatenção da defesa açoriana e antecipação de Allef que rematou na direção da baliza deserta aos 9; assim o Real se colocou na frente até que nos minutos iniciais da 2ª parte o Operário procurou reagir por Paulo Renato a quase desviar de cabeça para o empate, uma divisão de pontos que surgiria como desfecho de uma etapa complementar desinteressante

Todavia, foi mesmo a boa primeira parte da equipa de Monte Abraão a ditar a diferença, com a liderança da Série a apenas três pontos de distância neste momento para o Real que haveria mesmo de segurar a vantagem cedo conseguida.

 Complexo Desportivo do Real SC - Monte Abraão

REAL
1- Patrick Costinha
3- Jorge Bernardo
25- Nuno Tomás
22- Matheus Costa
16- Matheus Leal
10- Kikas
(9- Érico Castro, 80)
18- Brash Brampoque
14- Sabry Oliveira
(23- Thabo Cele, 86)
7- Marcelo Lopes (c)
(6- Rúben Marques, 70)
19- Manuel Palacios
21- Allef
Suplentes não Utilizados: 24- Miguel Assunção, 11- Luís Mota, 15- Ivan Dias e 17- Nelson Mendes
T: Filipe Martins
4x3x3

OPERÁRIO
1- Rodrigão
6- Igor
21- João Jesus
22- Paulo Renato
(4- Diogo Félix, 76)
15- Hugo Chileno
18-Álvaro Ponte
(8- Gonçalo Reyes, int.)
14- Pedro Dias
88- Ruizinho
25- Jorginho (c)
9- Bata
(7- Patrício Coelho, 72)
19- Fábio Gomes
Suplentes não Utilizados: 12- Hugo Viveiros e 16- Abudu
T: André Branquinho
4x2x3x1

Arbitragem: Fábio Piló - Leiria
Disciplina: cartão amarelo para Paulo Renato (18), Rodrigão (41), Kikas (42), Sabry Oliveira (45+2), João Jesus (47), Igor (78), Rúben Marques (85), Érico Castro (9+4) e Brash Brampoque (90+5)
Marcador: Allef (9)

segunda-feira, 20 de março de 2017



Na Taça, Benfica ganhou mas Joel tombou; e pelo Campeonato?

O lance mais caricato do Benfica vs Unidos Pinheirense pela Taça de Portugal em Futsal teve lugar precisamente ao minuto 6:30 da primeira parte: transição em velocidade de Rogério Santos que junto à linha lateral, talvez entusiasmado pelo calor da competição, atingiu com o braço direito, mais concretamente com o cotovelo, Joel Rocha, que se encontrava imóvel na sua zona técnica, o que obrigou a 4 minutos de paragem para assistência ao técnico benfiquista e um expectável ‘sururu’, especialmente na bancada próxima do local em que o incidente ocorreu, de onde se escutaram protestos.

Desde a bancada, alguns adeptos inquiriram o experiente internacional por Portugal pelo nome que enverga na camisola e pelo qual é conhecido na modalidade e no futsal nacional no qual se estreou há praticamente duas décadas, Formiga, sobre as razões que teriam levado a tal acto que foi por muitos tido como agressão.

De ressalvar, felizmente, que os ânimos não chegaram nunca a exaltar-se em demasia entre os dois conjuntos e não mais se assistiu a qualquer quezília, não advindo qualquer confronto na sequência da situação, nem sequer consequências disciplinares (Formiga apenas seria admoestado minutos depois, num lance distinto) já que a dupla de arbitragem não terá considerado propositado o gesto do futsalista do U. Pinheirense. Já restabelecido, o treinador do Benfica assistiria a todos os tentos da tarde com toda a normalidade.

Poucas semanas mais tarde, mais concretamente 17 dias após o último confronto, as duas equipas voltam a enfrentar-se, desta feita pelo Campeonato Nacional com reedição de todos os intervenientes visto que Formiga deverá mesmo figurar na quadra - não foi, pelo menos até esta altura, suspenso ou castigado e ainda no Sábado alinhou como titular na vitória do Unidos Pinheirense sobre o Fundão. Espera-se, claro está, que os ânimos estejam serenos e que a tombar alguém desta feita que seja apenas no resultado final.

domingo, 19 de março de 2017





MiniFootball - Selecção Nacional em acção novamente

Cumpriu-se esta 5ªfeira uma semana sobre a partida pela manhã desde o Aeroporto da Portela com destino à Tunísia a comitiva da Selecção Nacional em MiniFootball, que disputou logo a partir dessa 6ª feira o Torneio dos Campeões no qual defrontaram a selecção local a partir das 15 horas. Momentos antes da partida para o que será a primeira competição da equipa esta temporada, o recentemente apresentado seleccionador nacional, David Martins, e o Director Técnico da equipa, João Antunes, descreveram junto do NOVA ACADEMIA DE TALENTOS as expectativas que alimentam para o futuro próximo da equipa:

Começando pelo seleccionador nacional, que acumula o novo cargo com as funções de técnico principal do Olímpico do Montijo, que lidera a I Divisão da AF Setúbal, a ambição passa por fazer evoluir a modalidade - “aceitei o repto pela perspectiva e visibilidade que o projecto pode trazer a nível pessoal e profissional e o facto de ter representado Portugal nesta modalidade pode ser uma vantagem para mim.” Relativamente ao Torneio dos Campeões, David Martins aponta “nesta prova de estreia começar a criar bases e um grupo forte. É isto que identifico como prioritário.”

“A escolha do David partiu de uma base dos critérios que definimos e um dos nossos critérios passa pela continuidade do trabalho já feito pois estamos a falar de uma modalidade em evolução, ainda desconhecida e não seria proveitoso começar novamente com uma pessoa de raiz,” esclarece o Director Técnico da equipa nacional, João Antunes.

Também o próprio um futebolista em actividade, conhecido também por Bailão e que representou durante a primeira metade desta época o Casa Pia no CPP, o DT da equipa que representa Portugal em MiniFootball conclui que o seu objectivo pessoal “como Director Técnico da Associação para esta competição é preparar o Campeonato da Europa,” desejo que se estende a toda a restante comitiva que representará o País nesta prova internacional. 

Pela avaliação que é possível fazer relativamente à participação na prova internacional, o crescimento de Portugal na modalidade continua a evoluir de forma satisfatória, tendo alcançado o 4º lugar final e apresentado excelentes praticantes da modalidade como o próprio João Antunes, que capitaneou a equipa, João Trancoso ou Carlos Vinhas, trio responsável por grande parte das iniciativas ofensivas da equipa portuguesa numa competição na qual se deparou com adversários de enorme monta.

sexta-feira, 17 de março de 2017




Ficou apenas por algumas horas em aberto o comando técnico do 1º Dezembro que após a confirmação da saída de Hugo Martins, que chegou a acordo com a Federação da Índia para comandar a selecção nacional sub-17 desse país que organizará o próximo Mundial da categoria, de imediato encetou contactos e chegou a um entendimento com Luís Loureiro, alcançado ainda na 4ª feira que se seguiu. Com efeito, durou apenas um par de semanas a situação de desvinculado do treinador que na sua carreira de futebolista representou clubes como Sporting, Sp. Braga e D. Moscovo.

Logo após a sua demissão do comando técnico do Sintrense, Luís Loureiro acaba por não necessitar de uma deslocação muito longa para voltar ao trabalho, tendo deixado a Portela de Sintra, onde se situa o Estádio do SU Sintrense, para passar a treinar o vizinho 1º Dezembro em S. Pedro de Sintra, ministrando o treino vespertino do dia seguinte e fazendo-se acompanhar de três futebolistas que orientava no Sintrense para evitar a despromoção da equipa às competições distritais, sendo que a equipa se encontra num momento em que se encontra apenas um ponto acima da zona de descida na Série H de Manutenção do CPP e aguarda pela primeira vitória do técnico aos comandos da equipa que se encontra terminantemente proibida de falhar nas próximas semanas.

Texto: Rafael Batista Reis
Imagem: Rádio Renascença




Um desafio que redundou em Fabrício contra as promessas que tudo fizeram na primeira dezena de minutos do encontro até que perto do intervalo o brasileiro do Portimonense flectiu desde a meia esquerda irrompendo pelo interior da área deixando para trás Rúben Dias e Zé Gomes (em apoio defensivo), criando uma aproximação que antecedeu, tal como na primeira metade, uma segunda parte na qual algarvios voltaram a fazer uso dos minutos finais para chegar a mais dois golos e dessa forma desferir o golpe fatal.

Tudo graças a tentos de Fabrício aos 87, assistido por um cruzamento atrasado de Ricardo Pessoa pela ala direita, e de Pires aos 90,assistido por passe colocado por entre a dupla de centrais da casa, Rúben Dias e Branimir Kalaica, por… Fabrício  o factor diferencial do desafio que ofereceu qualidade extra e acima de tudo uma dose de experiência ainda em demasia relativamente às jovens promessas da formação do Seixal – três ‘pinceladas’ de reconhecida valia do criativo brasileiro.

Caixa Futebol Campus - campo nº1 - Seixal

BENFICA B
86- André Ferreira
94- Aurélio Buta
66- Rúben Dias (c)
16- Branimir Kalaica
95- Yuri Ribeiro
88- Pepê Rodrigues
80- Dálcio Gomes
(61- Florentino Luís, 65)
91- Heriberto Tavares
84- Diogo Gonçalves
70- Zé Gomes
(83- Gedson Fernandes, 80)
35- Luka Jovic
(79- João Félix, 60)
Suplentes não Utilizados: 72- Ivan Zlobin, 60- Pedro Amaral, 73- João Filipe e 97- Francisco Ferreira
T: Hélder Cristóvão
4x4x2

PORTIMONENSE
33- Ricardo Ferreira
5- Ricardo Pessoa (c)
18- Fidelis Irhene
4- Ivo Nicolau
55- Luís Mata
20- Gustavo Costa
(70- Chidera Ezeh, 80)
21- Pedro Sá
90- Fabrício dos Santos
17- Gleison
(11- Bruno Tabata, 73)
9- Jorge Pires
19- Wilson Manafá
(23- Luís Zambujo, 81)
Suplentes não Utilizados: 1- Carlos, 6- Theo Ryuki e 36- Sarpong
T: Vítor Oliveira
4x3x3

Arbitragem: Anzhony Rodrigues (árbitro principal, Madeira), José Lusia e André Lopes Dias (árbitros auxiliares)- Lisboa
Disciplina: cartão amarelo para Aurélio Buta (19), Branimir Kalaica (20), Gleison (39), Pedro Sá (67), Diogo Gonçalves (74)
Marcadores: Heriberto Tavares (4), Diogo Gonçalves (7); Fabrício dos Santos (41 e 88) e Jorge Pires (90)

Jogo com o líder, convidados de luxo na bancada e ainda o treinador José Morais, sem clube após ter-se desvinculado do AEK de Atenas, sem contar ainda com atentos observadores de Eibar e Colónia, certamente buscando por futuros reforços para referenciar.





quarta-feira, 15 de março de 2017



Têm sido vários os futebolistas oriundos da Colômbia a passar pelos quadros do 1º Dezembro nas últimas semanas no sentido de se constituírem opções efectivas para a equipa no seu primeiro passo na Europa; no entanto, ao contrário dos dois reforços de Janeiro, que se vão integrando junto dos demais companheiros, houve também quem não tenha conseguido a melhor adaptação e, mais importante, a utilização frequente que esperava – é esse o caso do lateral direito Gilberto Lozano que cumpriu apenas dois encontros, ambos como titular e no espaço de uma semana ao serviço do clube de Sintra.

Revelado pelo Deportes Tolima, onde chegou mesmo a estrear-se como profissional na Taça da Colômbia, Gilberto Lozano Cortés, de 22 anos, foi contratado pelo Desp. Aves ao abrigo de uma parceria que levou o clube avense a proceder à contratação de vários jovens oriundos desse conjunto, tendo tal como sucedeu com vários desses atletas este lateral direito sido emprestado ao 1º Dezembro no início da temporada. Face à escassa utilização no Campo Conde de Sucena, Lozano regressou à ‘base’, devendo assim passar a alinhar pelo Desp. Aves B, que disputa a Divisão de Elite, competição distrital da AF Porto.

terça-feira, 14 de março de 2017


Perante a possibilidade de ascender à liderança da Série G de Manutenção para ambos, Oriental e Sintrense fizeram impor uma maior rigidez defensiva ao invés de um maior risco e rasgo ofensivos, não evitando um nulo resultante de uma 1ª parte na sua generalidade mais disputada a meio-campo e uma 2ª bastante mais aborrecida. Como consequência, as duas equipas apenas demonstraram capacidade defensiva - nota para a prestação intratável da dupla de centrais visitante formada por Sandro Silva e Leo - e permitiram ao Casa Pia destacar-se na frente da competição.

Campo Eng. Carlos Salema - Lisboa

ORIENTAL
12- Mota
5- Abel Pereira
44- Hugo Grilo
20- Daniel Almeida ©
13- João Varudo
4- Tiago Mota
29- Marco Bicho
16- André Faísca
23- Álvaro Jaló
30- Henrique Gomes
77- Sebastião Nogueira
Suplentes Utilizados: 11- Victor Veloso, 10- João Santos e 19- Tiago Rente
Suplentes não Utilizados: 22- Rafael Marques, 2- João Oliveira, 17- Xiao Yufeng e 26- João Vicente
Treinador: António Pereira

SINTRENSE
83- Filipe Leão
14- Filipe Gaspar
3- Sandro Silva
22- Leo
80- Vítor Sanches
23- André Ceitil
10- Rui Monteiro ©
21- Odair
2- Pedro Caipiro
9- Iaquinta Fati
88- Bassalia Ouattara
Suplentes Utilizados: 8- Filipe Pipas, 99- Daniel Silva e 7- Manuel Liz
Suplentes não Utilizados: 1- Rúben, 16- Miguel Pinto, 11- Cláudio Anjos  e 20- Leandro Jacinto

Arbitragem: Nuno Roque
Marcadores: -.






Velho Real voltou com o vento

Não vinha realizando a melhor carreira na Série de Subida o Real, que não conseguia apresentar o futebol e a eficácia que o levou a surpreender e assim chegar a esta fase... até este desafio. Fez recordar o 'velho' Real (aquele que liderou de forma destacada a Série G) o conjunto que recebeu o Farense - apenas Marcelo Lopes, aos 71 minutos, foi capaz de agitar as redes.

Complexo Desportivo do Real SC - Monte Abraão

REAL
1- Patrick Costinha
3- Jorge Bernardo
25- Nuno Tomás
22- Matheus Costa
16- Leal
10- Kikas
19- Brash
14- Sabry
(23- Thabo Cele, 73)
7- Marcelo Lopes ©
(8- Guti, 79)
19- Manuel Palacios
21- Allef
(9- Érico Castro, 85)
Suplentes não Utilizados: 24- Miguel Assunção, 11- Luís Mota, 15- Ivan Dias e 17- Nelson Mendes
T: Filipe Martins
4x3x3

FARENSE
51- Márcio Paiva
4- Tomás Dabó
2- Vasco Coelho
41- Cássio Scheid
3- Bahadir Ciloglu
8- André Vieira
(25- Léo, int)
50- Diogo Melo (c)
73- Erick
17- Tavinho 
(11- Sunday Akinbule, 61)
70- Nuno Silva
(20- Isaac, 70)
55- Jorginho
Suplentes não Utilizados: 12- Juan Castro, 14- Lucas, 26- Gonçalo Gregório e 30- Rui Beja
T: Lázaro Oliveira
4x3x3

Arbitragem: Rui Mendes - Santarém
Disciplina: cartão amarelo para Allef (36), Diogo Melo (44) e Nuno Tomás (90+3)
Marcador: Marcelo Lopes (71)

domingo, 12 de março de 2017




Pode já ter faltado mais para o sonho da equipa azul se materializar embora a competição não tenha ainda transposto a primeira volta - o Benfica, que este Domingo disputou um Clássico ao visitar o terreno do também surpreendente (pela negativa) último classificado até então, FC Porto, será o próximo adversário para o surpreendente líder Belenenses.
Campo Major Baptista da Silva – Lisboa

BELENENSES
1- Tomás Foles
2- Tomás Domingos
3- Duarte Coelho
4- Alexandre Figueiredo ©
5- Pedro Amador
6- Francisco Sénica
8- João Trabulo
10- Nuno Santos
(13- Tomás Ribeiro, 82)
7- João Santos
(17- Aires Sousa, 76)
9- Diogo Pacheco
(15- Miguel Oliveira, 89)
11- João Louro
Suplentes não Utilizados: 12- Dylan Silva, 14- Alex Almeida, 16- Gonçalo Agrelos e 18- Samuel Adeniran
T: João Santos

ACADÉMICA
1- Alexandre Verdade
2- Marcelo Dias
3- Diogo Carvão
4- Tiago Palancha
5-André Freitas
6- Rui Barreto ©
(17- Gonçalo Chaves, 65)
8- José Vasco
10- David Teles
7- Litos
(16- André Vidigal, 57)
9- Leandro Cardoso
11- Sandro Moço
(18- Diogo Mingachos, 73)
Suplentes não Utilizados: 12- Rodrigo Murta, 13- Alexandre Miguel, 14- Aílson Tavares e 15- Henrique Lourenço
T: Luís Miguel Carvalho

Arbitragem: Miguel Libório - Lisboa
Disciplina: cartão amarelo para Francisco Sénica (53) e Nuno Santos (82); José Vasco (61 e 90+2), Marcelo Dias (80) e Diogo Carvão (90+2)
Marcador: Diogo Pacheco (52)

sábado, 11 de março de 2017


Até o cão quis ver a decisão

Sempre equilibrado o despique entre Catujalense e At. Tojal pelo Campeonato Distrital da AF Lisboa em Infantis, marcado pela constante recuperação da equipa da casa às insistentes vantagens conseguidas pela turma visitante que se adiantou no marcador através de um livre indirecto cobrado no interior da área por Henrique Correia, penalizando um atraso complicado de Gustavo para o guarda-redes Sandro que segurou a bola atrasada pelo seu companheiro tornando o lance claramente intencional. Pela primeira vez em desvantagem, o Catujal reagiu a partir de Daniel (a melhor unidade em campo, assumindo-se como o mais dotado tecnicamente entre todos os jogadores utilizados pelas duas equipas) num remate efectuado em zona frontal à entrada da área.

A equipa da casa igualou a contagem num pontapé de canto trabalhado, com Danis a bater de forma rasteira e de forma atrasada para Daniel estabelecer o 1-1 com que o encontro transitou para a 2ª parte que logo nos instantes iniciais veria novamente o Tojal adiantar-se no marcador mas nos instantes que se seguiram de imediato o restabelecimento da igualdade novamente por Daniel até que o conjunto visitante voltou a adiantar-se através de uma grande penalidade após mão de Celso na grande área e convertida por Sandro Saqueiro. Encontro de parada e resposta, e… novo empate.

Pela terceira ocasião na partida, a Catujalense impunha novo empate a partir de uma exemplar conversão de livre directo por Gustavo antes do que poderia ter sido a quarta vantagem para o At. Tojal – nova grande penalidade, desta feita inexistente (o guarda-redes lançado para a 2ª metade, Gui, largou o esférico sobre o braço de Isaac sem que o seu movimento tenha sido deliberado), para João Pereira atirar por alto e assim possibilitar ao conjunto da casa a primeira e decisiva ocasião de se colocar na frente do marcador.

Momento solene por se colocar nos instantes finais e pelo seu carácter decisivo, de uma forma que parece ter motivado a invasão de campo de… um cão que correu em redor e pelo interior do relvado no preciso momento em que Isaac depositou o esférico na marca de penalty. Após a saída do espectador de quatro patas, o atacante catujalense não hesitou, garantindo o triunfo para a sua equipa que correu atrás do resultado até desferir o golpe final.

Campo 1º de Maio - Catujal

CATUJALENSE
12- Sandro Varela
8- Gustavo Vieira
11- Danisberto Neto ‘Danis’
10- Isaac Fernandes
17- Celso Tavares
20- Daniel Cruz
16- Tchaló Mendes
Suplentes Utilizados: 6- Eduíno Djassi. 5- Rodrigo Seixas, 1- Gui Jesus, 9- Filipe Azevedo, 18- Sérgio Guerreiro e 3- Rodrigo Guerreiro
T: Daniel Macedo


AT. TOJAL
1- Tiago Nicolau
5- Tiago Monteiro
6- Martim Rocha
8- João Pereira
9- Henrique Correia
10- Sandro Saqueiro
11- Nuno Santos
14- Filipe Dionísio
18- Thiago Gomes
24- Tiago Domingos
T: Luís Vaz

Disciplina: cartão amarelo para Tchaló Mendes

sexta-feira, 10 de março de 2017




MiniFootball - Selecção Nacional revela convocatória

A Selecção Nacional de MiniFootball dará início a mais uma temporada desportiva já no próximo dia 10, sexta-feira, ao entrar em competição no Torneio dos Campeões, na Tunísia, precisamente frente à selecção local. Para disputar esta prova que se disputará na variante de Futebol de Seis, a Associação Portuguesa da modalidade deu a conhecer o lote de escolhas do novo seleccionador, David Martins, composto por nove atletas oriundos das Superligas nacionais de Futebol de 5 e de 7, a saber:

Sérgio Silva - Barreiro Stara Zagora (Setúbal/Futebol de 7)
Darlan Ribeiro e Fábio Teixeira - Central Mensageiro (Lisboa/Futebol de 7)
José Carlos Ferreira e Nuno Capela - Florgrade (Aveiro/Futebol de 7)
Carlos Miguel Vinhas - Cruyffzinhos (Coimbra/Futebol de 5)
Fábio Rodrigues- Forças de Segurança Unidas (Porto/Futebol de 5)
João Trancoso - Os Cariocas (Sacavém/Futebol de 5)
Luís Ribeiro- Dream Team (Porto/Futebol de 7)

quinta-feira, 9 de março de 2017



MiniFootball - David Martins é o novo seleccionador nacional

Após a realização da Final Nacional da modalidade em Portugal, começará a temporada também ao nível da Selecção Nacional no que respeita à Selecção Nacional de MiniFootball que dará início a um ciclo de competições com início já este mês com o Torneio dos Campeões, na Tunísia, e cujo epílogo será o Campeonato da Europa, a realizar em Junho na República Checa.

Com o início da competição oficial à porta, a Associação Portuguesa de MiniFootball deu a conhecer a sua escolha para o cargo de seleccionador nacional, que passará por David Martins que ainda no ano passado representou Portugal no último Europeu na qualidade de jogador num percurso finalizado na variante de Futebol de 7 já depois de uma carreira de duas décadas e meia como futebolista federado na qual representou o Benfica na sua formação e clubes como o Fabril, o Barreirense e o Amora já como sénior. Agora, dará início a uma nova função como seleccionador nacional.


1º Dezembro - Internacional jovem pela Colômbia para a defesa

Não chegou sozinho desde a Colômbia para o 1º Dezembro o avançado Wilfrido Cabrera, reforço de Inverno dado a conhecer por A BOLA há alguns dias - igualmente da mesma proveniência chegou também Leonardo Navarro, neste caso para fortalecer o sector defensivo do clube sintrense. Leonardo Jose Ferrer Navarro, conhecido no meio enquanto Leon, trabalha há já algum tempo com o plantel e procurará almejar a titularidade no eixo defensivo já nas próximas jornadas.

Navarro, de 20 anos, chega ao 1º Dezembro bem referenciado no seu país uma vez que chegou mesmo a conquistar um Mundialito ao serviço das selecções jovens colombianas, mormente ao nível sub-15, destacando-se na Liga de Fútbol del Atlantico, uma competição regional sediada na cidade de Barranquilla, para agora conhecer a primeira experiência fora do seu país.

terça-feira, 7 de março de 2017




Sandro: idade de aprendiz, currículo de veterano

“O treinador é um frustrado por não ter sido capaz de jogar,” essa foi uma frase proferida por um dos mentores de Pep Guardiola, Juan Manuel Lillo (hoje treinador adjunto de Jorge Sampaoli no Sevilla), no seio de uma pós-graduação organizada pela Universidade Lusófona que Sandro Pinto reteve até hoje… muito embora represente precisamente o contrário – com apenas 20 anos, este será o mais jovem técnico de guarda-redes em actividade nas competições nacionais com a especial curiosidade de cedo ter manifestado o seu sonho de treinar guarda-redes ao invés de tornar-se ele próprio num.

Actualmente Sandro Pinto orienta os guarda-redes da variante feminina da Selecção Distrital de sub-16 da AF Lisboa e do próprio Centro de Treinos da mesma entidade, ao mesmo tempo que vai expandido o seu próprio projecto pessoal, uma Academia exclusivamente dedicada ao treino de guardiães num percurso que cedo começou a planear tendo os seus dois primos, ambos guarda-redes, como inspiração para o que haveria de tornar-se uma paixão, o treino específico de guarda-redes, como define o próprio: “gosto da euforia do jogo e se o jogo correr bem ou mal ao guarda-redes é também produto do nosso trabalho.”

Esse, define o jovem treinador de guarda-redes, é o principal desafio capaz de impulsionar um percurso bem mais preenchido do que a sua tenra idade faria adivinhar, algo apenas possível devido ao facto de ainda em idade infantil passar a dedicar-se mais a treinar o companheiro de sector, “do mesmo nível na altura, levando consigo “uma folha que colava num dos postes com exercícios que tinha construído em casa” enquanto jogador poucos anos antes de começar a realizar o sonho ao juntar-se ao Sacavenense com idade de jogador… júnior (apenas 17 anos), depois de já ter jogado no clube para passar a orientar guarda-redes nas I e II Divisões do Campeonato Nacional de Juniores, sagrando-se mesmo campeão nacional da II Divisão pela turma de Sacavém.

Esse passou a ser um trabalho que entretanto viria a conciliar com um estágio de dois anos na Geração Benfica no Estádio da Luz e pouco depois apresentaria mesmo um projecto de desenvolvimento para o futebol em São Tomé e Príncipe que lhe valeria ainda um prémio de Jovem Empreendedor e o patrocínio da empresa Orange Popcorn que ainda hoje apoia a sua Academia. Gerir uma Academia com apenas 20 anos representa, sublinha Sandro, “um sonho de menino” enquanto a carreira ao nível de clubes continuava a desenvolver-se:

Seguir-se-ia o Casa Pia, como coordenador do departamento de guarda-redes e treinador desse posto específico na equipa que disputava a I Divisão Nacional de Juniores e depois o Loures, novamente para a divisão maior do Nacional sub-19. Três temporadas e meia consecutivas a trabalhar em Campeonatos Nacionais entre os 17 e os 20 anos.

Feito esse que o notabiliza na área e que lhe garantiu experiências de renome como uma semana de estágio no Sporting de Braga entre os plantéis de Juniores e o Sp. Braga B com o apoio de responsáveis como Orlando Silva e especialmente João Cardoso, antiga glória do clube bracarense que se iniciou precisamente no Sacavenense.

Em Braga, para além do planeamento de novos projectos e inclusivamente o acordo para a marca de luvas que ainda hoje o patrocinam e à sua Academia, que classifica de “um parceiro para treinar e com a qual mantenho um relacionamento excelente.” Sandro Pinto reencontraria ainda Tiago Pereira, guarda-redes do Sp. Braga B e amigo de infância com quem já realizava exercícios nas ruas de Chelas, de onde ambos são originários, sonhando ambos chegar ao profissionalismo nas respectivas áreas. Para já… ambos estão a consegui-lo.

Se Tiago Pereira terá sido o primeiro guardião de reconhecido potencial com quem treinou, vários já se lhe seguiram como José Costa (Académica, que aconselha com frequência), Raphael Cruz (At. Malveira), Pedro Gonçalves (Ol. Hospital), Júnior Ferreira (Desp. Chaves, que ainda hoje aconselha), entre outros.

O segredo, estima, passa por “acreditar bastante” e beber ensinamentos de profissionais qualificados e mais experientes como César Gomes (treinador de guarda-redes do Rio Ave), Emídio Júnior (treinador de guarda-redes do Nacional) ou Pedro Espinha, actual chefe do departamento técnico de guarda-redes do Lyn (Noruega). Com apenas 20 anos, o indício de uma carreira muito risonha ao nível do treino específico.

segunda-feira, 6 de março de 2017








Decisões para mais tarde


Derby disputado pela manhã: os encarnados assumiram as despesas e operaram a reviravolta num penalty cometido sobre David Tavares aos 37. De forma a evitar um desaire inédito na competição doméstica, o Sporting correu pela igualdade nos primeiros minutos da 2a parte e conseguiu-a, não se colocando sob risco excessivo sob pena de permitir a vitória ao seu oponente. No final, um empate ajustado pelo equilíbrio latente.

Declarações


João Tralhão - treinador do Benfica
Este Campeonato está abertíssimo e se pudermos fazer todos os jogos da Youth League e do Campeonato com perspectivas de vencer ambos, fantástico para a evolução destes jogadores.

Caixa Futebol Campus (campo n1) - Seixal

BENFICA
1-Fábio Duarte

2- Diogo Cabral
3- Pedro Álvaro
4- Nuno Gonçalves (c)

5-  Jorginho Araújo
6-  Diogo Mendes

8-  Gedson Fernandes
11- Filipe Soares
(16- Tiago Dias, 69)
7- David Tavares
(15- Bruno Lourenço, 83)
9- Mesaque Dju
11- João Félix
Suplentes não Utilizados: 12- Daniel Azevedo, 13- Ricardo Mangas, 14- Jorge Pereira, 17- Vinicius Ferreira e 18- Kenedy Có
T: João Tralhão
4x3x3

SPORTING
1- Luís Maximiano
2- Thierry Correia
3- Merih Demiral
4- Tiago Djaló
5- Abdu Conté (c)
6- Daniel Bragança
8- Miguel Luís
7- Bruno Paz
11- Rafael Leão
(16- Gil Santos, 84)
10- Elves Baldé 
(15- Nuno Moreira, 61)
9- Pedro Marques
Suplentes não Utilizados: 12- Diogo Sousa, 13- João Ricciuli, 14- Dimitar Mitrovski, 17- Douglas Aurélio e 18- Gabriel Pajé

T: Tiago Fernandes
4x4x2

Arbitragem: António Nobre (árbitro principal), Rui Freire e Vasco Marques (árbitros auxiliares) - Leiria
Disciplina: cartão amarelo para Bruno Paz (26), Merih Demiral (36), Mesaque Dju (56), Filipe Soares (57), David Tavares (67) e Tiago Djaló (68)

Marcadores: João Félix (29) e Gedson Fernandes (37, gp); Bruno Paz (16, gp) e Merih Demiral (58)

domingo, 5 de março de 2017


 

Reviravolta importante para os encarnados que atacavam não só a consolidação do terceiro posto como para boa parte destes jogadores uma partida mais descansada para Moscovo, onde na 3º feira o Benfica disputará um lugar nas meias-finais da UEFA Youth Cup.
Caixa Futebol Campus - Seixal

BENFICA B
72- Ivan Zlobin
99- Simón Ramírez
66- Rúben Dias ©
97- Francisco Ferreira
60- Pedro Amaral
88- Pepê Rodrigues
61- Florentino Luís
91- Heriberto Tavares
(82- Luquinhas Viana, 90)
73- João Filipe
(54- Romário Baldé, 76)
84- Diogo Gonçalves
70- José Gomes
(65- Rodrigo Escoval, 90+3)
T: Hélder Cristóvão
4x4x2

OLHANENSE
1- Rodolfo Vacas
21- Carlos Freitas
74- Jean-Christophe Coubronne ©
55- Gianmarco Gerevini
77- Hélder Cabral
34-  Sori Mané
10- Lorenzo Galassi
(11- Aldair Baldé, 65)
20- João Oliveira
(8- Edgar Abreu, 80)
7- Jorge Gonzalez
(9- Roman Chanturia, 80)
92- Salim Cissé
29- Jorman Aguilar
T: Bruno Saraiva
4x3x3

Equipa de Arbitragem: Miguel Libório (árbitro principal), Ricardo Luz e António Franco (árbitros auxiliares) – Lisboa
Disciplina: cartão amarelo para Simón Ramírez (59), João Oliveira (71), Rúben Dias (74), Pepê Rodrigues (83)
Marcadores: Diogo Gonçalves (37), Pepê Rodrigues (53, pen); Gianmarco Gerevini (15)

Bruno Saraiva – treinador do Olhanense

Entrámos bem no jogo e o Benfica talvez não esperasse uma atitude tão atrevida da nossa parte, obviamente que jogar num palco destes motiva sempre.


Oriental - Henrique em estado de graça

Em forma nestas últimas semanas, tendo ontem somado a segunda vitória consecutiva, o Oriental vem progredindo de forma segura com a meta da manutenção no Campeonato de Portugal, tendo para tal contado com o excelente momento de forma de um dos seus avançados, Henrique Gomes, que este Domingo bisou perante Os Armacenenses e assim apontou o terceiro tento no espaço de apenas uma semana (havia também marcado ao Sp. Viana na jornada anterior).

Relativamente à mais recente vitória e o momento favorável da equipa, o atacante de 25 anos descreveu que “não praticámos um futebol bonito, especialmente na 1ª parte, mas vencemos bem e a equipa tem estado bem na minha opinião.“ Sobre a sua boa fase, o avançado que no início da época esteve a um passo de se transferir para o Chipre e há precisamente dois anos ajudava o Oriental a golear o FC Porto B na Ledman LigaPro assume estar a viver a melhor fase da época:

“Já antes tinha tido fases com muitas oportunidades de golo mas as coisas não estavam a sair mas felizmente que agora tudo está a correr bem e estou a marcar com regularidade”, conclui o avançado que vai liderando um plantel que conduz com segurança o Oriental até à manutenção no CPP e mostra-se também a escalões superiores nos quais já actuou num passado recente.

Texto: Rafael Batista Reis
Imagem: Diogo Taborda/Clube Oriental de Lisboa

sexta-feira, 3 de março de 2017






Armacenenses - Maside crê na manutenção

Colocado numa posição perigosa na tabela classificativa da Série G de Manutenção do CPP, a equipa d’Os Armacenenses vem trabalhando no sentido de manter-se nos campeonatos nacionais, assumindo na voz do seu técnico, Rui Maside, esse mesmo desejo mesmo após um desaire em deslocação a Lisboa para defrontar o Oriental: “sabíamos que o Oriental tem uma excelente equipa e condições que não temos. Os jogadores sabem que a moral que possam vir a ter passa pela atitude e concentração que apresentem dentro de campo.”

Relativamente ao lugar que a equipa ocupa na tabela classificativa (6º lugar, que obriga a um play-off de repescagem para a manutenção nas competições nacionais), Rui Maside aponta para lugares mais acima, considerando que “pelo que a equipa tem mostrado nestas últimas jornadas, é claro que mantemos o objectivo de ficar e assegurarmos a manutenção nesta divisão,” necessitando para tal de somar pontos nas jornadas que se seguem.

quinta-feira, 2 de março de 2017





O Belenenses agarrou a vice-liderança num confronto directo que o coloca apenas atrás do Sporting, tendo vencido com dois golos de Diogo Pacheco, primeiramente assistido por João Louro aos 49 e depois carimbando o 2-0 final aos 80.

Campo Major Baptista da Silva - Lisboa

BELENENSES
1- Tomás Foles
2- Tomás Domingues
3- Duarte Coelho
4- Alexandre Figueiredo ©
5- Pedro Amador
6- Francisco Sénica
8- João Trabulo
7- João Santos
(17- Aires Sousa, 80)
11- Gonçalo Agrelos
(16- Nuno Santos, int.)
9- Diogo Pacheco
10- João Louro
(15- Tomás Ribeiro, 85)
Suplentes não Utilizados: 12 - Álvaro Ramalho, 13- Ivanilson Magalhães, 14- Alex Almeida e 18- Samuel Adeniran
T: João Santos
4x4x2

SP. BRAGA
1- Ricardo Velho
2- João Filipe
3- Lilian Ngoma
4- João Queirós ©
5- Lucas Leite
6- Afonso Brito
(16- Luís Esteves, 67)
8- Rodrigo Lima
(15- Rekinho Silva, 78)
10- Midana Sambú
7- Francisco Trincão
(18- Miguel Tavares, 56)
9- Didi Silva
11- Kiki Silva
Suplentes não Utilizados: 12- Rogério Santos, 13- David Carmo, 14- Tomás e 17- Moura
T: José Carvalho Araújo
4x3x3

Arbitragem: Paulo Barradas - Setúbal
Disciplina: cartão amarelo para João Louro (7), Aires Sousa (81) e Tomás Ribeiro (87); cartão vermelho para Miguel Tavares (72, expulsão directa)
Marcador: Diogo Pacheco (49 e 80)


quarta-feira, 1 de março de 2017


Cimeira pela liderança do Nacional de Juniores com o líder isolado da prova a receber o vice-líder, também sem desaires na Fase Final, até que a partir do 1-1, apontado por Jovane Cabral, solto pela esquerda por passe interior do veloz Elves Baldé (o melhor em campo) aos 21, se assistiu a um cenário de domínio por parte do Sporting que venceu com toda a justiça.

Academia Sporting - Stadium Aurélio Pereira (Alcochete)

SPORTING
1- Luís Maximiano
2- Thierry Correia
3- Merih Demiral
4- Tiago Djaló
(18- Douglas Aurélio, 76)
5- Abdu Conté ©
6- Daniel Bragança
8- Bruno Paz
7- Elves Baldé
9- Pedro Marques
11- Jovane Cabral
(17- Rafael Leão, 65)
10- Jefferson Encada
(15- Miguel Luís, int.)
T: Tiago Fernandes
4x4x2

ACADÉMICA
1- Rodrigo Murta
2- Marcelo Dias
3- Rui Rua ©
4- Tiago Palancha
5- Nuno Esgueirão
6- Aílson Tavares
(17- Gonçalo Chaves, 77)
8- João Vasco
10- Litos
(15- David Teles, 58)
7- André Vidigal
9- Leandro Cardoso
11- Sandro Moço
(18- Diogo Mingachos, 68)
T: Luís Miguel Carvalho
4x3x3

Arbitragem: Carlos Manuel Espadinha - Portalegre
Disciplina: cartão amarelo para Aílson Tavares (41), Miguel Luís (90) e Elves Baldé (90+2); Marcadores: Jovane Cabral (21), Pedro Marques (63), Elves Baldé (68 e 75); Tiago Palancha (8) e David Teles (86)

Declarações

Tiago Fernandes - treinador do Sporting

A equipa reagiu como esperava; o sentimento é o de que não nos podemos sentir imbatíveis, não há invencíveis no futebol.