sexta-feira, 24 de março de 2017


Afinal há esperança por Queiroz, mas é outro português quem comanda. Continua a arrastar-se o já curioso processo de escolha da Federação sul-africana de futebol para o seu novo seleccionador, que dura já desde o final de Dezembro e não estará finalizado antes da próxima semana, como confirmou o presidente da entidade, Danny Jordaan, que na mesma intervenção, sem referir nomes, poderá ter reaberto a porta ao português Carlos Queiroz.

Isto porque o dirigente sul-africano acabou por referir em declarações junto da imprensa do seu país que a sua escolha, conjuntamente com os restantes colegas de Direcção, se encontra ainda sob contrato. Ora, é essa a situação de Queiroz, que poderá ainda estar a negociar os termos da rescisão contratual com a Federação do Irão e assim volta ao leque de possibilidades mais fortes acompanhado por Stuart Baxter, treinador do SuperSport United (Liga sul-africana), visto que o restante nome também tido como provável, Ruud Krol, se encontra desvinculado desde Junho.

Também Hervé Renard (seleccionador de Marrocos) e Hugo Broos (seleccionador dos Camarões), não terão ainda sido colocados de parte. Até lá, a selecção da África do Sul será comandada de forma interina por… outro português: é mais concretamente Owen da Gama, de 55 anos, sul-africano de ascendência lusa que a título de curiosidade integrou a equipa técnica chefiada por Carlos Queiroz aquando da sua passagem pelo país enquanto seleccionador nacional, quem assumirá a equipa até ao há muito prometido anúncio do novo técnico dos Bafana Bafana.

Como tal será, qual Vasco da Gama há mais de cinco centenas de anos, um novo homem do leme de apelido da Gama a passar Cabo de Tormentas em território sul-africano. Para Owen, a missão não será tão dificultada: passará por treinar a equipa nos encontros de preparação ante Guiné-Bissau, este Sábado, e Angola.