segunda-feira, 29 de agosto de 2016



Jesus - investimento que (para já) resulta

Nem sequer se discute, por exemplo, o ordenado de Cristiano Ronaldo, que é pago por uma multinacional que é apenas o clube mais rico (e arriscado) do Mundo, que é o Real Madrid. Suponho que dinheiro não falte ao Real... já o caso de Jesus parece-me mais sério tendo em conta o risco pois é pago por um clube em conhecidas dificuldades financeiras, que está sediado num País com dificuldades tão grandes ou ainda maiores, auferindo mais do dobro que auferia, por exemplo, o espanhol, ex-técnico do FC Porto e agora seleccionador espanhol Julen Lopetegui…

E mais do triplo de Rui Vitória (nada pouco, de qualquer forma, diga-se), o treinador que se haveria de sagrar campeão nacional. Já quando auferia cerca de 4,5 milhões no Benfica seria alvo de discussão; agora poderá ser tido como verdadeiramente pornográfico visto que mesmo com o fanatismo que se reconhece ao futebol, com esse dinheiro o Sporting poderia melhorar ainda mais o seu plantel, pagar com maior desafogo as suas contas ou até já ter pago mais cedo o seu Pavilhão João Rocha ao invés de sobrecarregar os seus adeptos com despesas maiores.

No entanto, muitas vezes o risco compensa. Neste momento, apesar de apenas ter conquistado uma Supertaça Cândido de Oliveira e continuar a incorrer em incorrecções e exageros em conferências de antevisão, flash-interviews e conferências de análise, indiscutivelmente evoluiu no que respeita aos argumentos explanados publicamente, na gestão de divergências - se existiram, nenhuma delas parece ter prejudicado o bom funcionamento do plantel verde-e-branco.

Acima de tudo, Jorge Jesus tem o mérito de ter reaproximado a massa adepta leonina de Alvalade. Hoje, todos os adeptos do Sporting acreditam que é possível conquistar o título nacional, 15 anos depois. Maio apresentará a factura ao leão.