segunda-feira, 4 de janeiro de 2016



Marco mira voos mais altos

Um dos baluartes da temporada 1º Dezembro na Série G para muitos surpreendente encontra-se na segurança defensiva da equipa que em 15 encontros disputados apenas regista seis golos sofridos com apenas uma derrota consentida, o que a destaca claramente como a melhor defesa da Série com grande mérito para o guarda-redes totalista da equipa de Sintra, Marco Pinto.

Face a esse sucesso o guardião começa a gerar algum interesse relativo a equipas profissionais, nomeadamente da Segunda Liga, que vêm seguindo o seu percurso com especial atenção. A ascensão de Marco, que na sua formação dividia a baliza das camadas jovens do Sporting com Rui Patrício, é encarada com naturalidade no clube de Sintra.

É a partir desse emblema que o seu treinador e responsável pelos guarda-redes no 1º Dezembro, Felipe Peralta, sublinha o excelente trabalho realizado até ao momento pelo seu pupilo que curiosamente… até é mais velho do que o seu próprio treinador visto Peralta contabilizar apenas 20 anos.

“Para mim as coisas têm o seu passo de cada vez, para o Marco no início tentámos pôr um objetivo, que era trabalhar muito para ele conseguir essa meta individual que é ir a uma Segunda Liga e fazer uma boa época mostrando a todos a qualidade que tem,” conta o treinador de guarda-redes do 1º Dezembro, orgulhoso por estar na iminência de ajudar a lançar Marco Pinto para o profissionalismo, um sonho que desde cedo vem alimentando.

Com o registo de apenas seis tentos consentidos quando a Série já se encontra na sua fase final, tudo parece possível para o guardião ainda que em Sintra exista a consciência de que a meta é, segundo o seu treinador, “difícil, é verdade, mas estamos a trabalhar todos os dias com muita dedicação para que isso aconteça.“

“Ele já tem 27 anos, não é muito alto, mas sabe compensar essas limitações com outros dotes que tem e que já demonstrou. As pessoas que assistem aos jogos viram o que o Marco já fez pela equipa” que ainda alimenta o sonho e expectativa de chegar à Fase de Subida à Segunda Liga, garantindo assim de forma automática a manutenção no Campeonato de Portugal.