segunda-feira, 24 de julho de 2017



Copa Ibérica - 10 destaques para 4 categorias

Esteve em constante bitola elevada a primeira edição da Copa Ibérica de MiniFootball na variante de Futebol de Sete devido à valia e capacidade demonstrada pelas 12 equipas presentes que uniram o melhor que a modalidade vem produzindo ao nível da Península Ibérica. Uma dúzia de conjuntos colectivamente habilitados e compostos por várias individualidades de realce sendo que entre elas se destacaram uma dezena de jogadores que podem dividir-se em três diferentes categorias:
Guarda-Redes

Paulo Melo (Arrebenta Pipas)
- Vários guarda-redes de valia na competição, mas esta será a única categoria cuja escolha será incontestável - foi este o melhor guardião da Copa Ibérica 2017 ao ter sido destaque de uma das boas equipas da competição, os Arrebenta Pipas, que atingiram a meia-final com grande mérito para este guarda-redes.

Paulo Melo salientou-se em cada um dos encontros dos quais fez parte com várias das mais valiosas estiradas de toda a prova. Para o conseguir, mostrou-se irrepreensível em diversas facetas como o posicionamento na baliza, elasticidade e alcance/projecção que lhe permitiu cobrir a preceito as suas redes.

Revelações

Nélson Almeida (Arrebenta Pipas)
- Poucos acreditariam que nesta Copa Ibérica realizou os primeiros encontros ao serviço da turma de Guimarães que bom proveito tirou deste atacante que demonstrou evidentes atributos de avançado na variante de Onze - representa o Brito SC, que alinha na Divisão de Honra da AF Braga. Praticamente um estreante ao nível do Futebol de Sete, mereceria um Prémio Revelação… se este existisse, o que premiaria o seu toque de bola, capacidade de desmarcação e aptidão para a progressão com a bola dominada mesmo em situações de pressão.

Bruno Tavares ‘Bruninho‘ (Dream Team) - Entrou ’a matar’ com um bis logo na jornada inaugural ante o Bonde Sem Freio. A partir desse encontro, manteve uma bitola exibicional bastante elevada, apresentando como principal credencial um interessante pé esquerdo que fez jus ao número 10 que envergou e que se responsabilizou em grande parte pelo percurso da equipa oriunda do Porto que apenas se quedou nos quartos-de-final da prova com muita infelicidade à mistura num desempate por grandes penalidades perante a IDGF Allfruit.

Pablo Pereira (Telmo Peluqueros) -
Desconhece-se o motivo, mas foi a grande baixa da equipa galega na final frente à Florgrade, tendo diminuído a aptidão ofensiva que se formou muito devido à superior qualidade deste atleta que envergou a camisola 6 da Telmo Peluqueros e que com Dacuña formou uma sociedade (quase imparável) - descaído para a ala direita, Pereira foi a garantia de equilíbrio táctica nas transições defesa-ataque e ataque-defesa na sua equipa e um excelente executante de bolas paradas - com essa virtude apontou um golo de antologia frente à Dream Team.

Artilheiros

Pedro Vieira (IDGF Allfruit)-
Já tinha deixado sinais promissores no Europeu ao serviço da Selecção Nacional, mas foi uma absoluta confirmação como reforço minhoto desta equipa algarvia que chegou mesmo a sonhar com o apuramento para a final devido aos seis golos que Vieira apontou e lhe valeram a distinção como melhor marcador da competição, vários deles com tentos de belo efeito, com destaque para um técnico toque de calcanhar na jornada inaugural frente ao Café Trevo e um colocado míssil de meia distância frente ao Xidavante, ambos ainda na fase de grupos.

Ibrahim Koneh (Lusitânia Lourosa/Florgrade) -
Justificou desde cedo o motivo pelo qual o seu percurso ao nível do Futebol de Onze é acompanhado por clubes de Primeira Liga: na frente de ataque do conjunto que haveria de garantir o troféu, emprestou a profundidade de que a equipa necessitava em alguns momentos e foi dos jogadores mais felinos no momento de atirar a baliza em toda a prova, como começou de imediato a demonstrar no primeiro desafio no qual se deu a conhecer com um hat-trick frente ao M-Team logo a abrir o torneio. 

Miguel Ángel Freijeiro (Xidavante F7) - Não foi feliz na passagem da fase de grupos para os quartos-de-final ao ter contraído uma lesão, um golpe profundo na cabeça que o impediu de alinhar no primeiro confronto a eliminar, o que praticamente condenou a sua equipa num duelo 100% espanhol frente a Telmo Peluqueros. Antes, este atacante espanhol havia demonstrado mestria no momento da recepção e controlo de bola e ainda a finalizar dentro e fora de área, como deixou claro num portentoso disparo apontado ao Café Trevo ainda na fase de grupos.

Melhores Jogadores

Alberto Dacuña (Telmo Peluqueros) -
Um puro ‘matador’ latino; de baixa estatura mas denso a nível de massa corporal, Dacuña revelou-se exímio não apenas no choque com os defesas contrários como letal ao nível do posicionamento e mobilidade que lhe permitiu não apenas igualar Pedro Vieira como melhor marcador da competição como também desposicionar os marcadores contrários para que outros companheiros pudessem marcar. Para além disso, é também detentor de um fortíssimo pontapé que lhe permitiu apontar um belo golo de carácter decisivo na meia-final.

Ricardo Gomes (Lusitânia Lourosa/Florgrade) -
Não se apresentou ao seu melhor nível na meia-final e final, é certo, mas deixou ainda pinceladas da sua classe como organizador de jogo através do seu pé esquerdo, em especial nos quartos-de-final perante o Café Trevo, desafio no qual assistiu e ainda finalizou, minorando o que ainda se realça como uma das maiores pechas no seu jogo: não revela ainda grande eficácia no aspecto da finalização da mesma forma que o seu pé direito é praticamente ’cego’. No entanto, o esquerdo é possivelmente o melhor e mais vistoso entre todos os presentes…

André Vilar ’Andrezinho’ (Lusitânia Lourosa/Florgrade)
- A ’companhia de seguros’ da equipa da Florgrade, que deve muito do mérito da sua conquista a este fiável jogador que parte de terrenos mais recuados mas em associação com o capitão José Carlos Ferreira transporta a equipa para a sua dianteira sempre num futebol apoiado e geométrico. Conhece cada posição como poucos e tal permite-lhe produzir assistências a uma cadência impressionante, como de resto demonstrou ainda na fase de grupos ante os Maremondo Titiboys.