domingo, 23 de novembro de 2014




Actualmente uma das estrelas maiores do Benfica, Anderson Talisca poderia nesta altura estar ainda a jogar no seu país natal, isto porque, soube-se no Brasil, apenas não terá assinado pelo Corinthians face a um desacordo entre o clube de São Paulo e o empresário que se responsabilizaria pelo negócio, o que impossibilitou qualquer existência de acordo.

Desta forma, o estatuto de coqueluche e melhor marcador que hoje ostenta na Luz poderia estar bem distante para Talisca caso tivesse reforçado o Corinthians, o que teria diminuído a margem de manobra do Benfica, que contribuiu para um crescimento que conduziu o atleta à seleção principal do Brasil, onde aguarda agora a primeira internacionalização.

O ‘namoro’ de Anderson Talisca com o Corinthians terá tido há alguns meses e terá mesmo chegado ao presidente do Timão, Mário Gobbi, face ao excelente relacionamento que mantém com o agente Carlos Leite, que terá oferecido Talisca à Direcção do emblema paulista no final da última edição do Brasileirão, tendo alguns pontos de discórdia entre o agente com o vice-presidente corintiano na altura em funçóes, Roberto de Andrade, afastado todas as possibilidades de haver negócio.

O negócio nunca terá avançado face á enorme discrepância entre as verbas exigidas e aqueles que o Corinthians estava disposto a envolver visto que consistiam numa quantia inacessível a qualquer clube brasileiro sendo que o passe do jogador se encontrava dividido pelo Bahia, detentor de metade do passe de Talisca e que apenas aceitaria negociar a sua parcela por cerca de 1,8 milhões de euros.

Por seu turno, a restante metade dividia-se entre o modesto clube Astro, um empresário local, Jessé, e o agente Carlos Leite, que detinha 20% dos direitos do jogador e que chegou a ter a venda da sua parte em cima da mesa, mas o negócio nunca chegou a concretizar-se muito devido ao facto de na altura Talisca ser um jogador pouco conhecido no Brasil.

Após as primeiras conversações, até ao final do impasse que impedia o Corinthians de avançar pelo craque do Benfica, a saída de Roberto de Andrade, o dirigente que vetava esse negócio, já Talisca se havia valorizado imenso nos primeiros meses de 2014, conquistando o interesse de outros clubes na Europa como os italianos da Udinese e o próprio Benfica, que conseguiu assim convencer o atleta a viajar para Portugal.

Com o Corinthians fora da disputa, Udinese e Benfica apresentaram as suas propostas pela contratação do médio a Carlos Leite, que se decidiu por chegar acordo com os encarnados por 3,7 milhões de euros pela totalidade do passe, resgatando uma pérola que já interessava aos maiores clubes do Brasil.