quarta-feira, 12 de novembro de 2014



Alemanha, o motor do futebol no feminino

Se se tivesse de eleger um local para centralizar o futebol actual, muito provavelmente se teria de o fazer com a Alemanha, ou não fosse esse o país no qual se situa o actual campeão do Mundo de selecções masculino e uma das mais poderosas Ligas internacionais, a Bundesliga, mas também o outro lado do futebol e não menos interessante, a modalidade praticada pelo sexo feminino, ainda que neste momento até nem seja a equipa alemã a detentora do ceptro mundial.

Apesar de a campeã mundial em título ser o Japão, não restam dúvidas sobre quem domina o futebol entre as senhoras com uma selecçãp que já conquistou praticamente todos os títulos possíveis e ainda com um extremo poderio ao nível de clubes com a mais competitiva Liga mundial, a Frau Bundesliga, e um domínio bastante evidente ao nível da Liga dos Campeões, onde todas as equipas germânicas presentes se tornam de imediato sérias candidatas ao título.

Enquanto em Portugal continua bem longe o dia em que o futebol feminino deixe o amadorismo, a realidade é bem diferente em terras alemãs. Não causa por isso estranheza o facto de as campeãs europeias se encontrarem no Wolfsburg, a equipa que tem vindo a dominar no panorama germânico embora existam mais três candidatos ao título.

Alemanha é a referência europeia em termos de clubes e selecções no panorama feminino

Os títulos demonstram a categoria deste grupo, destacando-se no plantel a sua guarda-redes, uma das melhores a nível mundial, Almuth Schult, de 23 anos, no centro do terreno aquela que será a principal candidata à Bola de Ouro junto a Cristiano Ronaldo, a capitã de equipa Nadine Kessler, de 26 anos e a jovem promessa Lina Magull, de 20 anos.

Na frente de ataque encontra-se ainda a veterana Martina Muller, de 34 anos - todas estas jogadoras consistem em opções regulares para a selecção alemã, com excepção desta última que já o fez até 2012, e com tremendo sucesso, conquistando dois títulos mundiais consecutivos.

Para competir com as detentoras do ceptro europeu pela Bundesliga ainda existe o Frankfurt, onde se encontram outras estrelas femininas como a criativa Dzsenifer Marozsán, de 22 anos, que forma um meio-campo de luxo com Simone Laudehr, de 28 anos, apoiando a atacante Celia Mbabi-Sasic, de 26 anos - novamente, três habituais da poderosíssima selecção alemã.

Junta-se à contenda com Wolfsburg e Frankfurt o Turbine Potsdam, onde pontifica a jovem médio ofensiva Pauline-Marie Bremer, de 18 anos, recentemente coroada campeã mundial sub-20, e um mais recente chegado a estas lides mas por outro lado dotado de orçamento e plantel muito vastos, o Bayern de Munique.

São muitos os exemplos de qualidade na Frau Bundesliga alemã

Pretendendo dominar o panorama futebolístico alemão não só em termos masculinos como também femininos, bastando olhar com atenção o elenco de atletas que possui ao seu dispor, no gigante bávaro alinham craques em todos os sectores, começando pela baliza, onde se encontra a finlandesa Tinja-Rikka Korpela, de 28 anos.

A qualidade do Bayern feminino vai passando também pela intermediária, onde se podem encontrar a jovem Ricarda Walkling, extremo de 17 anos, e a fundamental dupla de Melanies no centro do terreno que tem também lugar reservado na selecção, composta por Leopolz, de 20 anos, e a mais experiente Behringer, de 28 anos.

Finalmente, na linha ofensiva quem brilha é a holandesa Vivianne Miedema, de 18 anos, como ponta-de-lança. Quanto às restantes concorrentes no primeiro escalão, tratam-se de equipas de muita competência que apresentam um nível que faria com que um emblema de média dimensão fosse capaz de chegar muito longe na Champions caso tivesse a possibilidade de a disputar.

Tal atesta a superioridade da competição doméstica germânica em comparação com as restantes. Poderia ser esse o caso do Freiburg, onde alinha a jovem goleadora Lena Petermann, de 20 anos, mas existem mais exemplos de qualidade que demonstram que o futebol de qualidade não é apenas para homens de ‘barba rija’.